Pular para o conteúdo principal

Verdade, ainda que tardia!!!

Na semana que passou, a presidente Dilma Rousseff, promoveu a instalação oficial da chamada “Comissão da Verdade”, que foi criada com o objetivo de investigar casos de abuso dos direitos humanos ocorridos durante o período do Golpe de 64, o objetivo desta comissão não é o de julgar ninguém e sim de elucidar os casos que ainda estão sem respostas e que o Estado brasileiro tem o dever de responder para a sua sociedade. A comissão é polêmica e já causou inúmeras discussões bem antes de sua instalação. Além de desagradar, e muito, os militares (Principalmente aqueles militares que ainda estão vivos e que de alguma forma participaram do período da repressão política).

Para alguns partidários de sua não instalação, a comissão deve ir além e investigar os casos que foram atribuídos aos militantes políticos brasileiros, que na época enfrentaram o Regime Militar, seja na guerrilha urbana ou na guerrilha rural. Ora, me desculpem os críticos, mas a função da comissão não é a de ser “Juiz” e punir possíveis culpados, muito menos uma “Caça as Bruxas”, o que o Brasil precisa é esclarecer tudo o que aconteceu em sua história recente. Os atos cometidos pelos militantes políticos são claros, todos os que estudam história com um mínimo de conteúdo, sabem tudo o que foi realizado pelas organizações políticas em seu enfrentamento com os militares. Fala-se da família de soldados mortos, ora, esses soldados foram mortos e sabemos as condições em que essas mortes ocorreram, o que não sabemos é: Onde estão os corpos dos guerrilheiros do Araguaia? Onde está o corpo do jornalista Rubens Paiva? Como dinheiro público foi empregado para a tortura? Essas são algumas das inúmeras perguntas que continuam sem resposta, mesmo depois de mais de 40 anos.

Não se trata de revanchismo, trata-se de passar a história a limpo, de trazer uma pouco de “verdade” a um País que se “acostumou” a esconder sua história e seu passado. O Brasil quer ser grande, tem todas as condições para isso, mas é necessário ser um País verdadeiro, que não coloque seu passado embaixo do tapete da história. Quero poder olhar para os meus filhos e netos, sem vergonha de contar como foi a história do País deles. Os que me conhecem sabem da minha posição contrária ao pagamento de indenizações para pessoas que, ao se sentirem lesadas pelo Estado em virtude de suas convicções políticas, solicitaram receber uma pensão por isso. Não concordo com isso, o Estado não tem que obrigação de indenizar ninguém por suasconvicções políticas, mas saber do que aconteceu nos porões da ditadura, onde estão os corpos e como essas pessoas foram barbaramente torturadas e mortas, isso todos nós temos o direito de saber.

Sei que o tema gerou, gera e vai gerar muito mais discussão, o trabalho que começa a ser feito pelos membros da comissão deve se pautar naquilo em que ela de fato se propõe e não cair na tentação histórica de serem os senhores sobre o bem e o mal. O que queremos e precisamos saber são dos fatos, seu personagens e como eles ocorreram. Pela lei da Anistia de 1979, todos os envolvidos em crimes políticos durante a ditadura militar, foram perdoados, sejam militares ou militantes (Apesar de eu ter a convicção que tortura e assassinato a sangue frio não são crimes políticos), respeito a lei, o que não posso tolerar é não saber o que aconteceu com seres humanos que, muitas vezes sem nenhum motivo, foram torturados e assassinados com o dinheiro público e em uma política de governo. Isso é intolerável.

Quero terminar minha opinião, rendendo meus respeitos a atitude da presidente Dilma, ela mostrou muita coragem e muito senso de responsabilidade política em instaurar a Comissão da Verdade, pois sabemos o tamanho das pressões que ela sofreu para que isso não fosse adiante, a presidente deu uma demonstração de que para assumir a gestão de um País, é preciso mais do que um belo discurso ou truques de propaganda. É necessário ter muita coragem e respeito pelo País.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…