quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Saída


Minha vida é bastante corrida, mal tenho tempo para acessar este blog e, portanto, acabo privando os amigos de alguns textos que até me vêem à cabeça, mas acabam não sendo escritos em função das atividades que tenho, bem. mas agora que estou aguardando o horário para ministrar uma palestra aqui em Estrela/RS, não posso deixar de comentar o absurdo político que assombrou o Brasil nesta manhã: A prisão do senador petista Delcídio Amaral/MS, não somente um simples senador, mas o líder do governo no senado.

As gravações obtidas pela Polícia Federal, através do filho do ex-diretor Nestor Cerveró (preso em Curitiba pela "Operação Lava Jato"), são para assustar até aquele mais cético analista político, que durante mais de 25 anos de militância política, já viu coisas assombrosas e que deixariam qualquer um dos leitores boquiabertos, porém, o conteúdo ao qual tive acesso através da imprensa é realmente um abuso total, um verdadeiro deboche à democracia e ao estado de direito (não vou aqui cair naquele discurso de "desinformação", de que "todo mundo faz"), o que o senador Delcidio fez, é gravíssimo e deve ser investigado, julgado e a punição, sempre em caso de condenação, deve ser a mais severa possível, isso no âmbito da justiça, na esfera política, não enxergo outra alternativa senão a cassação do mandato de Amaral, por "espedaçar" o decoro parlamentar.

Mas não somente Delcidio deve sofrer consequências desse crime, os demais envolvidos e, bem como, o atual governo, não pode mais ficar com a chamada "Cara de Blasé", como se nada disso que está acontecendo não seja de responsabilidade do grupo político que governa o País à mais de 14 anos, chega, a sociedade não aguenta mais tanta provocação, tanto deboche, tantos crimes acontecendo, enquanto o País está atolado até o pescoço, em uma crise econômica que só tende a crescer, muito em função de um governo que não tem mais legitimidade (se é que teve), de governar.

O "caso Delcidio" só reforça um "pedido" que faço enquanto cidadão e que os meus inúmeros amigos petistas hão de compreender, eu peço, peço não, exijo, a renuncia da presidente Dilma, por total incapacidade de governar e por perda total de legitimidade no exercício do mandato, essa senhora não tem mais nenhuma condição de continuar à frente dos destinos da Nação, sei que a minha exigência nem chegará aos ouvidos dos figurões de Brasília, mas sei que não sou o único a bradar por isso, e não existe poder mais legitimo do que a verdadeira vontade popular, a sociedade que um basta nisso tudo, gostaria muito que a presidente tivesse um minimo ato de bom senso, algo que, demonstrou não ter durante todo esse período no Poder.

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

A arte de escrever

Trabalhando na madrugada, digitando a revisão de um trabalho, conectado nas redes sociais, ouvindo música e vendo tv, como é habito que tenho ao trabalhar em casa, sou surpreendido com uma entrevista do antropólogo Roberto Da Mata, uma conversa leve, bem humorada, sem nenhuma das chamadas "discussões acadêmicas" tão maçantes que são para mim hoje (isso será tema de um próximo texto que escreverei), mesmo que eu tivesse sentindo um pouco a falta de ouvir um pouco mais do conhecimento do professor Roberto.
 
Mas houve uma questão que me chamou muito a atenção e foi o motivo de escrever este texto, a essa hora da madrugada e deixando um pouco de lado o trabalho que estou fazendo, foi quando Roberto Da Mata comentou sobre a dificuldade de se escrever uma crônica/coluna/artigo para jornais e revistas, sejam estas, diárias ou semanais, esse assunto me chamou bastante a atenção e lembrei do tempo em que exerci essa função, semanalmente, para um jornal e um site, quando morava no Paraná.
 
Era sempre algo que consumia bastante a minha semana, ficava completamente atento à tudo que acontecia ao meu redor (minhas colunas eram sobre política, bah, que baita pauta eu teria agora, não é?) e acabava consumindo muito do meu tempo semanalmente, e o mais interessante é que, seu texto acaba sendo consumido em menos de um minuto pelos leitores que não fazem ideia do tempo e das horas de preparação que um texto como esse requer (bom, isso para mim acaba sendo irrelevante, importa é o que um texto meu pode impactar em um leitor e não o fato dele saber ou não, o tempo que levo para conceber o referido texto), sou um ardoroso fã daqueles que conseguem a proeza de escrever colunas diárias em jornais, é uma das atividades que ainda gostarei de ter, antes de morrer (mesmo que o conceito do jornal impresso tende a acabar, a mídia digital, pode me permitir alcançar esse objetivo).
 
Escrever é uma arte, escrever bem, chega a ser algo "divino" e isso é uma atividade que estou vendo diminuir de qualidade neste País, hoje, os "escribas" se ressumem muito à blogs (é verdade, este espaço aqui é um Blog) e sites pessoais, isso faz com que o autor acabe não se esmerando tanto em seus textos, pois, como é uma atividade pessoal e até diletante em alguns casos (como o meu!) e acabam não caprichando um pouco amis, no conteúdo de seus textos.
 
Me causa temor saber que uma das etapas mais difíceis de um vestibular, concurso ou ENEM, é a prova de redação! Nossos jovens cada vez mais estão perdendo o hábito de escrever, principalmente à mão (quase uma heresia nos dias de hoje), muito em função de não lerem mais noticias do cotidiano, das atualidades do mundo, e não somente aquelas referentes aos seus ídolos e gostos, fui educado por meus pais a ser um voraz leitor de tudo, não importando gênero, autoria ou temática, o importante em minha formação foi o hábito da leitura e esse "vicio" acabou resultando em minha paixão por escrever (deixo aos leitores do Blog a opinião sobre a qualidade dos escritos) e essa paixão é tão grande, que mesmo quando não tem necessidade de escrever sobre nenhum tema relevante sobre algum assunto em destaque no momento, eu recorro à temas que me causam inquietação e que, não que sejam menos importantes, acabam não tendo um grande destaque em escritos diários.
 
Escrever é uma arte, eu já disse, saber escrever é divino, repito, e acrescento: saber o que escrever, pode se tornar uma 'arma", capaz de influenciar pessoas e sociedades, servir para construir grandes projetos, bem como, para destruir com mentes brilhantes, por isso que devemos sempre nos atentar para o que está escrito, nenhuma prática advém do nada, sempre existe uma motivação teórica, por mais desorganizada que seja, por trás e geralmente essa movimentação teórica se dá por escritos, basta olharmos ao redor, para perceber essas ações presentes em nosso dia a dia.
 
Bem, são essas as pequenas indagações que me vieram à mente quando da entrevista que já acabou há horas e ainda estou eu aqui, a falar sobre ela, bendita tv ligada enquanto trabalho até altas horas da madrugada, e falando nele, deixe-me voltar ao meu trabalho, ainda terei muito o que escrever.

domingo, 1 de novembro de 2015

A Desinformação

A maioria de nós, cidadãos comuns, não temos a minima ideia do conceito de "desinformação", para os incautos, desinformação é, simplesmente, uma informação falsa que é passada apenas para fins de propaganda, ledo engano, essas pessoas não fazem ideia de que desinformação são ações organizadas e complexas, milimetricamente calculadas, ara se atingir á um determinado objetivo, sendo que, segundo Olavo de Carvalho, cerca de noventa por cento desses objetivos não é do influenciar as multidões, mas sim de atingir alvos bem específicos (governantes, grandes empresários, chefes militares, etc), a intenção real é a de levar esses líderes a adotar estratégias que vão de encontro aos seus interesses, sem que os mesos percebam o que está acontecendo.

Aquela "desinformação propaganda", que acreditamos ser a única, trabalha apenas com aqueles dados políticos que estão ao alcance da sociedade, a desinformação mesmo, manipula informações técnicas e extremamente especializadas de extrema importância para as decisões que são tomadas pelos líderes que, têm em suas equipes da mais alta confiança, agentes que trabalhem com esse grau de competência na arte da desinformação.

Mas é possível que alguns leitores deste Blog possam ter o seguinte pensamento: "Espera ai, informações falsas não são usadas com frequência pelos militares e por governos?". Isso é verdade, no próprio livro "A Arte da Guerra", Sun Tzu diz: "A arte da guerra consiste substancialmente do engodo", isso no século V a.C. E a história humana está recheada de exemplos desse tipo de ação; Calúnias contra determinadas etnias e povos já foram construídas, para justificar ações de perseguições á estes grupos. Na Revolução Francesa por exemplo, temos um exemplo muito forte dessa "Indústria de mentiras", durante o período revolucionário francês, muitas inverdades foram disseminadas pelos líderes revolucionários como intuito de justificar os atos de perseguições à aqueles grupos que representavam qualquer tipo de ameaça ao regime emergente.

Mas isso não é desinformação, é apenas um conjunto de informações mentirosas que são orquestradas por um determinado grupo, para que possamos compreender o que é, de fato, desinformação, temos que recorrer ao revolucionário russo Vladimir Lenin, o seu criador. Lenin compreendeu que se pudesse elevar a técnica de informações falsas dos militares para campos mas estratégicos da política, cultura, educação, etc, ou seja, transformar a mentira que era apenas a base da arte guerreira em uma ação mais orquestrada dentro da estrutura governamental, enfim, um instrumento de engenharia social e política e isso acabava transformando toda a convivência social em uma verdadeira "Guerra", uma guerra integral e permanente.

Em 1939, quando Hitler usou pela primeira vez a expressão: "Guerra Total", para identificar um tipo de "Guerra Moderna", um tipo de guerra que não envolvia apenas os políticos e os militares, mas toda a sociedade, ele usou algo que já existia desde 1917, com a Revolução dos soviets, mesmo sem que esses soviets tivessem algum inimigo externo declarado, O governo revolucionário criado por Lenin baseava toda a sua política interna e externa com uma enorme e organizada estratégia de desinformação, tanto que quando ocorreu a famosa "abertura econômica (que foi planejada como etapa dialética de uma estatização total), foi amplamente decantada como uma diminuição da violência revolucionária, não com o intuito apenas de atrair capital estrangeiro, mas principalmente, com o objetivo de "convencer" os países ocidentais a não apoiar qualquer ação contra-revolucionária.

Essa estratégia foi tão bem criada e executada, que vários dissidentes do regime de Moscou, desamparados que ficaram no exílio e iludidos pelos falsos sinais de democracia vindos da Russia, acabaram voltando para o País, o resultado disso a história nos conta, foram fuzilados assim que voltaram. E daqueles que não voltaram, muitos foram perseguidos e assassinados em seu próprio exílio por aquela que haveria de se tornar a agência de Inteligência soviética: a temida KGB. Mas isso tudo aconteceu sem que ninguém percebesse o que estava sendo feito? Por incrível que pareça, as grandes potência ocidentais estavam completamente despreparadas para esse tipo de estratégia, só para que o amigo leitor tenha uma ideia, os Estados Unidos só tiveram um serviço de inteligência para ação externa, um pouco antes da segunda guerra mundial, sendo que todo o processo de infiltração cultural soviética (que foi a cooptação, através do convencimento ou compra das principais referências intelectuais e dentro da classe artística) se inicia nos anos 20, para se ter uma noção da diferença, os americanos só vão conseguir dar uma resposta na mesma proporção com a criação da CIA na década de 50 e, mesmo assim, a ação foi sufocada pela pressão da mídia, alegando que tudo não passa de uma "histeria anti-comunista".

É bom ressaltar que esse tipo de ação de desinformação em grande proporção, só é possível ser executada por um governo totalitário, onde esse governo controle os meios de difusão ou mesmo em organizações clandestinas, onde seus líderes tenham poder total sobre os seus militantes, Qualquer tentativa similar em um ambiente democrático, vai encontrar uma barreira enorme na constante fiscalização da imprensa e do poder legislativo. Portanto, nas democracias ocidentais, não há nenhuma ação equivalente a desinformação soviética. Obviamente que um governo pode fazer uma extensa propaganda mentirosa, mas não tem como fazer desinformação, pois vai faltar para este governo, o controle calculado dos efeitos, que é a principal característica da técnica leninista.

E justamente a liberdade de informação dos países democráticos, sempre foi uma "aliada" fantástica para a desinformação soviética, não somente pelos constantes vazamentos de informações secretas do governo para a imprensa, mas também pela enorme facilidade de espalhar informações falsas pela mídia, sempre ávida por escândalos e denuncias. Um vez, o general soviético Ivan Agayants, que foi por muitos anos chefe do serviço de desinformação da KGB, chegou a declarar: "Se os americanos não tivessem a liberdade de imprensa, eu a inventaria pra eles", tamanha a facilidade de plantar noticias falsas na imprensa norte americana.

Tenho me interessado bastante sobre o tema, me chamou muito a atenção quando comecei a pesquisar sobre isso e perceber o quão devastador foi a ação de desinformação soviética no ocidente e como esse processo perdura até hoje, mesmo com o fim da União Soviética (só para que o amigo leitor possa pensar: Quantas pessoas que estiveram em Cuba e receberam de agentes da KGB, aulas sobre a técnica de desinformação, são hoje, formadoras de opinião aqui no Brasil?). O movimento comunista é algo orgânico, sem ser palpável, o simples fato de muito se alardear que não existe mais essa coisa de "Esquerda x Direita", é uma eficaz técnica de desinformação, com o intuito de desviar o foco do confronto ideológico,para alguns eu posso parecer um lunático que enxerga conspiração em tudo, mas basta se aprofundar um pouco mais nos estudos, sair da "doutrinação ideológica" da educação brasileira, que você começa entender melhor esse processo.

Mas, se estudar é algo maçante e ninguém mais tem "tempo" para isso, vou fazer um gratuito comercial de cinema: Assistam os três filmes da série "Jogos Vorazes" (sim, um filme feito para adolescentes!) e neles, será possível perceber muito bem como funciona o processo de desinformação, analisem principalmente o segundo filme da série e observem como é a ação daqueles que lutam contra o regime que controla a fictícia terra onde se passa a trama e toda a engenharia que é utilizada para que o próprio governo, tome atitudes que acabaram por enfraquece-lo, propiciando um processo de revolta popular.

Lembrando sempre que a desinformação pode ser usada na iniciativa privada também, é mais difícil, porém é possível de ser feita, para beneficiar uma determinada empresa ou um determinado segmento, basta que você consiga colocar pessoas com um treinamento para tal e com uma lealdade que ultrapasse a simples questão financeira, afinal, apesar de muitos não pensarem assim, existe uma escolha que terá que ser feita por aqueles que desejam liderar: Poder ou Dinheiro.(essa escolha, por exemplo, parece ter "atrapalhado algumas figuras públicas brasileiras).

Entre o Medo e a Covardia

Estava pesquisando um trabalho na internet e me deparei com uma frase do líder indiano  Mahatma Gandhi  e que me fez refletir bastante, pri...