quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Devaneios sobre a Verdade


Rezam as antigas lendas que a "verdade" foi enviada por Deus ao mundo em forma de um gigantesco espelho. E quando o espelho estava chegando sobre a Terra quebrou-se, partiu-se em inumeráveis pedaços que se espalharam por todos os lados. 

E qual foi o resultado disso? As pessoas sabiam que a verdade era o espelho, mas não sabiam que ele havia se partido. E por essa razão, as que encontravam um dos pedaços acreditavam que tinham nas mãos a verdade absoluta, quando, na realidade, possuíam apenas uma pequena parcela desta dádiva divina.

E quem será o conhecedor da verdade absoluta? 

A verdade absoluta só Deus a possui e aos poucos vai revelando ao homem na medida em que este esteja apto para conhecê-la. 

É através destes pequenos fragmentos que são revelados por Deus, que os inventores, os cientistas, os pesquisadores, vão descobrindo a cada século novas verdades que se acumulam e fomentam o progresso da Humanidade. É como se fossem juntando os pedaços do grande espelho e conseguissem abranger uma parte maior. 

Assim, a verdade é conquistada graças aos esforços dos homens e não numa revelação bombástica sem proveito para quem a recebe. Não é de uma hora para a outra que você passa a conhecer a verdade, muito menos, que passa a pratica-la. Isso é uma conquista diária, um aprimoramento humano constante, com direito à alguns percalços no caminho.

Ademais, depois que a verdade é descoberta, ninguém pode encarcerá-la, nem guardá-la só para si. A verdade é uma "parceira" da generosidade e da honestidade e está longe de ser algo "fora de moda", ultrapassado. Pelo contrário, cada vez mais a sociedade humana busca juntar os cacos do espelho. Quem experimenta o sabor da verdade não mais permanece o mesmo. Toda uma evolução nele se opera e uma transformação radical e libertadora. Se torna um processo inevitável.

Por vezes, a nossa cegueira não nos deixa vê-la, mas ela está em toda parte, latente, dentro e fora do mundo e é, muitas vezes, confundida com a ilusão. Em seus diálogos sobre "A Verdade", Santo Anselmo nos relata que a "Verdade" é a retidão do objeto percebida pela mente, mas o que vem a ser essa "Retidão"? É algo ser o que é, Deus é a máxima expressão da retidão, a verdade suprema e eterna, é o que é infinitamente e que determina o que tudo deve ser. 

Para Anselmo, a "Verdade" não está somente na conformação dos nossos juízos à realidade (uma verdade de conhecimento), mas em todo o nosso ser, como disse Santo Agostinho, tendo sua expressão na vontade, nas ações, nos sentidos, na essência de todas as coisas. Um sujeito justo deseja o que é certo, sabendo que é certo, porque é certo!

Desde os tempos de Maquiavel, vem se buscando "praticar" a verdade. Marx buscou fazer isso, ditar uma "regra"! de prática de verdade. Não gostaria de ser tentando a cair neste erro. Prefiro entender que é possível praticar alguns "exercícios" espirituais (orar, jejuar, dar esmolas, coisas assim), lembrando que não devemos entender isso como prática da verdade, e sim como inspirações, pois, repito, por melhor que sejam essas ações, elas não são a prática da verdade e corrermos um sério risco de isso se transformar em convenções sociais e perderem o seu real sentindo. 

Um exemplo disso: Muita gente tem preconceito (de raça, credo, sexo, etc), mas não se expressa pelo fato de temer a pressão da sociedade, do que os outros vão falar sobre isso. Não que ter preconceito seja algo saudável, longe disso, não se deve ter preconceito sobre assunto nenhum. É o que a bíblia chama de "o mundo".

Quero citar um pensador contemporâneo muito importante chamado Marco Campos (que muito honra o fato de ser meu irmão), que foi fundamental para a existência deste texto, segundo ele, "Praticar a verdade é algo que se faz individualmente". É algo que deve ser internalizado pelo individuo e norteie suas ações, buscando cada vez mais contemplar a beleza, a verdade e a vida.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Fascismo

Escrevi este texto no ano passado, falando sobre o conceito de "Fascismo", como continuo percebendo que a "confusão" continua, estão vou reproduzir o texto novamente:

"Surgido principalmente nos países que chegaram tardiamente no processo industrial e na corrida colonialista durante o século XIX, como Itália e Alemanha e como uma forma de trazer "esperança" para uma enorme camada de campesinos que migraram para os centros urbanos e que acabaram perdendo seus empregos com o final da Primeira Guerra Mundial,

O Fascismo surge como uma força progressista, que buscava promover uma industrialização, através de um resgate de uma imagem nacional...

Afinal de contas, o que vem a ser o Fascismo? Bom, para os esquerdistas atuais, Fascismo está relacionado diretamente aos que são identificados como sendo de direita e ai é que esse "chavão" perde o sentido, pois o Fascismo é a união do poder econômico com o poder estatal, por exemplo, quando te sentes prejudicado por uma empresa privada, podes recorrer ao estado ou a outra empresa privada. Já no Fascismo isso não acontece, pois não existe distinção entre sociedade e estado, uma espécie de "Estado Total”.

Mas espere "Estado Total" não nos remete ao Socialismo? Claro que sim, pois o socialista não concebe uma sociedade dissociada do estado. E de onde podemos resgatar essa história?

Que tal falarmos de dois pensadores, Hegel e Descartes? O primeiro falava sobre a genialidade humana expressada no estado, já Descartes acreditava que se você é capaz de entender duas ou três leis gerais do Universo, você é capaz de entender o próprio Universo. Hegel fala do estado e Descartes do Individuo. O Fascismo identifica as duas coisas, o homem fascista seria o homem total, a integração entre as duas coisas (Dai a origem de "Integralismo"), uma comunhão entre a totalidade humana e o totalitarismo de estado.

Seria a personificação do "Homme Totale" de Descartes, de onde, ao interpretar as idéias Cartesianas, Heidegger criará o termo "Totalitarismo".

Agora falemos de outro filosofo, Karl Marx. em sua obra "A ideologia Alemã", Marx diz que o homem do futuro, trabalharia de manhã na fábrica, planejaria a empresa na parte da tarde e a noite estudaria filosofia e tocaria violino, a imagem do homem total, integral. Podemos notar ai certa similaridade, correto? Pois é, só que no Totalitarismo do tipo Fascista, se reconhecia ao menos a Igreja como um poder autônomo e independente.

No Totalitarismo socialista isso não existe, pois o estado regula tudo!

E vem dai os elementos totalitários de alguns dos atuais movimentos sociais, ou seja, a idéia de que a política deve permear todas as esferas da vida em sociedade, retirar a tradição do debate público, a cultura da sociedade. Por exemplo, a religião deve se ater ao foro privado e intimo. E ai se deixa de lado o "Consuetudinário", o direito tribal, aquele direito que vem das tradições e vivencias de uma sociedade. Tudo isso é deixado à margem, dai o fato da sexualidade, por exemplo, ter que vir em primeiro lugar que a religião, tirar o crucifixo de órgãos públicos e por ai vai...

Essas premissas só vingam na sociedade moderna ocidental, tenta colocar essas discussões e práticas em uma Arábia Saudita ou em um Irã da vida!!!

Então, queridos leitores, quando você ouvir a alcunha de "Fascista", saiba que estamos falando daquele homem perfeito, integral, completo, o homem que faz parte do ideário socialista, do totalitário e não aquele que quer o estado mínimo, um estado sem cabides de emprego, sem classes privilegiadas que se escoram na eternidade de seus cargos públicos, para reivindicarem reajustes de si próprios. Ser Liberal Conservador, por exemplo, está diretamente oposto ao ser Fascista, isso é coisa de quem somente consegue enxergar a "perfeição", no totalitarismo estatal deixa de lado a cultura e as tradições de uma sociedade."


sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Relembrando polêmicas

Escrevi esse texto ano passado, em função de uma "rusga" política com um amigo muito querido. Acredito ser pertinente repetir o texto aqui, em função de tantas bobagens que andam sendo faladas e feitas na política brasileira!!!

Eis o texto:

Em primeiro lugar, lamento muito que pensar diferente faça de mim um sujeito tão baixo e desprezível, conforme fui referido na resposta ao meu texto anterior aqui neste Blog (“Abjeto”: adjetivo substantivo masculino).
Que ou o que é desprezível, baixo, ignóbil. Origem: ETIM lat. Abjectus, a, um 'atirado por terra, derribado, desprezível, vil), aquele que escreve algo abjeto, abjeto acaba sendo, não?

Pensei em me ofender com isso, mas lembrei dos textos que estudei sobre o Leninismo e me ative a uma frase do próprio Lênin: "Acuse os adversários do que você faz, chame-os do que você é"...

Outro pensamento que me veio foi o de Mario Sérgio Cortella: “A vida é curta não precisa ser pequena”, portanto, prefiro me ater ao que interessa a possibilidade de continuar um debate que, para que vive em uma democracia, é um alimento para a vida.

Falemos sobre a retórica em cima do comentário proposto:

Em primeiro lugar, existe um erro crasso ao confundir o Imperialismo, que é uma etapa do Capitalismo, como sendo o próprio Capitalismo. Essa "confusão" sempre foi feita de forma proposital pela esquerda, para atacar as principais potencias capitalistas do mundo. Devemos lembrar sempre que, antes da Revolução Industrial, durante a Idade Antiga e Média, existia o chamado "Imperialismo" das potências hegemônicas sobre as demais, portanto, "confundir" o Imperialismo como sendo o próprio Capitalismo, é no mínimo uma avaliação rasa.

Com relação às Ditaduras Fascistas, que mataram milhões, espero que dentre elas estejam as Ditaduras Fascistas de esquerda, creio que sim, não? Se não, é de uma "ingenuidade" de enormes proporções, (Já escrevi sobre Fascismo em meu Blog, mas replicarei aqui o post) lembro-me de não ter esquecido, na postagem acima, de citar os Países da antiga "Cortina de Ferro", para lembrar o Totalitarismo de esquerda.

Outro aspecto interessante que fui questionado, negar que as conquistas humanas em nenhum momento foram colocadas em meu texto, até porque, considero o Capitalismo uma dessas conquistas, não concebo ignorar da diferença e da transformação social que veio com o advento da Revolução Industrial, se existe um sistema melhor, me apresente, pois o Socialismo real está longe, mais bem longe de ser esse sistema (Ah... eu ia esquecendo, já li e estudei Leo Hubemann e muitos outros teóricos de esquerda e direita, sugiro que leiam os Clássicos... Aristóteles, Platão, está tudo lá)

As informações que coloquei no texto são baseadas na História, quem duvidar de sua veracidade, basta estudar um pouco, está tudo lá. Citei fontes públicas e disponíveis para qualquer um que se disponha a estudar a história humana. E nesse aspecto recorro à 34º artigo da Ordem Beneditina: “É proibido resmungar”

Chamar o Santo Padre de Comunista é desconhecer o que significa o papado, suas obrigações e suas atribuições como o representante de Deus na terra (Aqui coloco o que diz a teologia da Igreja a qual pertenço e não pretendo convencer ninguém de que é a melhor opção para os demais),  O papado se baseia em tradições, costumes e um passado de mais de 2.500 anos, e a primazia do passado em detrimento ao futuro está presente nesse processo, sugiro aos amigos que procurem ler os teóricos da Santa Madre, Aquino, Agostinho, Jerônimo, Crisóstomo, Paulo, etc.

O Papa e a Igreja como foi dito em meu texto, tem diferenças e criticas sobre alguns pontos do Capitalismo, mas tem totais divergências com o Socialismo. O Brasil é um País tão “sui generis”, que aqui, comunista vai à Igreja!

E, para finalizar, quero continuar tendo o meu direito de expressão, da mesma forma que respeito todos aqueles que não comungam de minhas idéias e meus conceitos. Prezo o Capitalismo, pois ele me permite crescer pelo meu esforço e pelo meu trabalho e também pelo fato de me permitir o direito de expressão, de discordar.

Desconheço Democracia em qualquer sistema Socialista, ambas são coisas que não andam de mãos dadas, que não coexistem no mesmo espaço.



Então é Natal!!!

Coisa engraçada essa, para mim, desde pequeno, o mês de dezembro sempre foi um mês especial. Quando criança o aguardava ansioso, já que  sempre foi sinônimo de família reunida e celebração. Lembro que achava estranho quando ouvia os adultos com as célebres e repetidas frases:"Não gosto desse mês", ou ainda, "Não gosto do Natal". Eu ficava com cara de paisagem sem entender. Como poderiam não gostar do Natal? Que mal fez o Natal a essas pessoas? Adultos, gente complicada essa!

Mas o tempo passou, e acredito não ter vivido um só mês de dezembro, sem ouvir de alguém a repetida frase:"Não gosto do Natal". Como não existe nada melhor que o tempo, finalmente já crescido tomei coragem para perguntar o motivo. 

Por que não gostar do Natal? Dezembro é um mês tão especial que a sábia natureza se renova. Não sei quantos já pararam para apreciar o sol de dezembro. Pode até ser impressão, mas ele brilha de forma majestosa. E as árvores? Nossa, basta passear pelas ruas para vê-las cobertas de flores. Os dias parecem mais convidativos, mais alegres. Dai vieram os shoppings e suas decorações maravilhosas, que encantam crianças e adultos.

Estamos chegando a mais um Natal, e continuo ouvindo das pessoas a mesma coisa: "Odeio essa época", "Não gosto de Natal". Ao questionar a razão, a resposta é sempre a mesma: "Tenho tristes lembranças". Tristes lembranças...Tristes lembranças... Parece até letra de bolero (Ops! Nada contra boleros).

Mas, enfim, entendo que é triste chegar ao Natal sem algumas pessoas queridas, mas não só no Natal. Claro que eu entendo, pois na minha vida falta não só uma pessoa. Toda ausência é sentida e por todo o ano, não somente no Natal. 

Nessas horas, frente aos sorumbáticos discursos, lembro de alguém muito, muito e muito especial, dona Odalea, minha mãe. Ela era a alegria materializada e o Natal era sinônimo de festa, mesmo quando havia algum tipo de dificuldade, financeira, muitas vezes.  Então, nesses momentos em que a saudade bate, lembro dela e imagino que estaria hiper feliz em ver que apesar de tudo e das dificuldades, o seu filho mais velho conseguiu chegar até aqui.


Mas enfim, é dezembro! É Natal despontando! É nascimento do Cristo! É mais uma oportunidade de sermos felizes e, o melhor, de mudarmos a nossa história e fazermos pessoas felizes também. Tem alguns que alfinetam: "Ah, a data é só comércio. É tudo falsidade! Eu nem acredito no Natal e esse papo de nascimento do Cristo é puro mito"

Tudo bem, respeito os que não acreditam, aliás, respeito a todos e todas as opiniões. Quanto a mim, também não acredito no bom e velho Noel, nem no Coelhinho da Páscoa...rsrs

É dezembro! É Natal! Prefiro me ocupar em ser feliz. 

E você, leitor, vai um Feliz Natal ai????

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Frase do dia

"Uma parte de mim pesa, pondera: outra parte delira..."

Ferreira Gullar, poeta que nos deixou ontem!!!

As medidas necessárias

O Rio Grande do Sul passa por um momento extremamente delicado em sua história, são anos de sufoco, de desgastes, de incertezas e de muita, muita luta para superar dois, dos que considero os mais sérios problemas do estado nesse momento: O desafio financeiro e gerencial.

O Estado gasta mais do que arrecada e, por isso, não consegue cumprir as obrigações essenciais. Sofre com a mais severa crise das finanças públicas de sua história e do país, aliada a uma crise estrutural de um setor público defasado e ultrapassado. 

A máquina estatal, que já foi exemplo para o Brasil, acumulou focos de ineficiência e paralisia, apesar do esforço de muitos servidores. Hoje, essa máquina não consegue devolver ao cidadão gaúcho, um serviço público eficaz e que possa responder as demandas crescentes da sociedade e, portanto, medidas duras e necessárias devem ser tomadas para que o Estado ainda possa pensar em ter um futuro.

Eu sei que muitos buscarão ‘Ideologizar” as medidas que possam ser tomadas, usarão como discurso de “campanha” para as eleições de 2018 e não estarão nenhum pouco preocupados com as verdadeiras necessidades da população do Estado.

Porém, chegou o momento da sociedade começar a debater qual o tamanho do Estado que ela, sociedade, precisa para que possa voltar a crescer e a gerar renda e riqueza para os que aqui vivem. O Rio Grande do Sul não pode mais viver somente no passado, é chegado o momento de aprender com os erros e buscar alternativas que possam tirar o Estado desta situação que é, repito, gravíssima. Nós, sociedade, não aceitamos mais conviver com o atraso, o desperdício, a ineficiência e os privilégios de uma estrutura de administração pública ainda voltada para demandas que são das décadas de 50 e 60 do século passado.

Estamos no século XXI e é necessário que o governo tenha o dever de se voltar para aquilo que é mais urgente de ser atacado e que as últimas eleições mostraram isso: Queremos um Estado que dê atenção à segurança, saúde, educação, infra-instrutora e empreendedorismo. Tudo aquilo o que não atentar para  esses propósitos, de servir às pessoas, não deve onerar as contas públicas. Não é uma questão de tamanho de Estado, somente, mas de eficácia, de gerenciamento inteligente daquilo que, de fato, importa para a maioria dos gaúchos.

Eu estou analisando as medidas de reestruturação que o governador Sartori enviou para a Assembléia Legislativa, são medidas duras? Sim, porém, são medidas extremamente necessárias para que o Estado possa buscar uma recuperação de anos de irresponsabilidade de gestão (abro espaço para citar apenas a última gestão, que recebeu o Estado com superávit e entregou com um enorme déficit, muito em função de seus compromissos com determinados setores que se beneficiam há anos desse modelo de gestão ultrapassado).

Essas medidas estão em sintonia com as outras transformações que este governo vem apresentando desde os seus primeiros dias, tais como a Lei de Responsabilidade Fiscal Estadual, pioneira no país, o regime de Previdência Complementar, a implantação de um Modelo de Governança e Gestão, a intensificação da cobrança da dívida ativa e o combate à sonegação.
 Diminuíram-se secretarias, cargos, telefones, carros, consultorias e gastos secundários. A renegociação da dívida com a União foi resultado de um esforço coletivo. Mas isso não é o suficiente, é necessário que as reformas não sejam somente no intuito de diminuir gastos, mas de apresentar resultados práticos para a população e não somente beneficiar essas ou aquelas categoria/corporação/partido.

Não existem soluções mágicas, imediatas e indolores. O Rio Grande precisa dar continuidade, mesmo em futuros governos, às políticas de equilíbrio financeiro e modernização da máquina pública. Esse deve ser o pacto político permanente, para além de partidos, ideologias, poderes, corporações ou outros interesses.


Como escrevi acima, estou analisando o conteúdo das medidas, mas quero deixar clara a minha admiração e respeito à este governo por ter a coragem política de propor essas alternativas para a sociedade, mesmo com a resistência daqueles que não pensam na população e somente em seus interesses, mesmo enfrentando aqueles que apenas desejam permanecer com seus benefícios e não se preocupam com o todo. A atitude do governador Sartori em enviar esse projeto para a Assembléia vem reiterar um de seus mais falados compromissos durante a campanha que o elegeu: “Meu partido é o Rio Grande”

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

A Tecnologia e o fim das Revoluções

Meu caro jovem utilizador de redes sociais e mais novo “ativista digital” da “praça”, se você é daqueles que acredita que haverá uma revolução, e que esta revolução será liderada pela tecnologia e disseminada através dos meios digitais, esqueça. Tal idéia é totalmente contraditória.

Não haverá revolução e a tecnologia não levará a nenhuma revolução.
Mas por que eu estou dizendo isso?
A essência de uma revolução é a “centralização do poder”. Um tal de Marx já falou isso faz muito tempo, e fez questão de nos lembrar disso ao longo desses anos todos. Não existe processo mais centralizador do que uma revolução. Todas as revoluções ocorridas na história geraram uma centralização do poder, inclusive a Revolução Americana, considerada a maior das “revoluções liberais” da história humana.
Longe de caminharmos para uma revolução. Estamos isso sim, à beira de uma “não-revolução”.
O que estamos presenciando atualmente é um enorme processo de desintegração, muito parecido com o que aconteceu com o Império Romano. Nenhuma revolução derrubou Roma, o império simplesmente se desintegrou. O mundo medieval foi um período de enorme descentralização.
Ao longo do século XVII, aconteceram várias tentativas de iniciar revoluções. A Revolução Puritana na Inglaterra foi uma delas. Foi uma revolta contra o poder centralizado do rei, mas foi uma revolta feita em nome da centralização do poder no Parlamento.  Essa revolução simplesmente gerou um ditador militar, Oliver Cromwell, entre 1649 a 1659. Cromwell foi substituído por um novo rei em 1660, mas o parlamento continuou a centralizar o seu poder.  A Revolução Gloriosa de 1688 e 1689 retirou muito do poder do rei, mas não reduziu o poder do governo; ela simplesmente transferiu o poder para o Parlamento.
Quando existe uma intensa descentralização surge não uma revolução, mas sim uma “secessão”. E não me refiro a uma secessão ao estilo daquela que ocorreu no sul dos EUA no século XIX que era apenas uma maneira de centralizar o poder no sul do país.  Aquilo não passou de um grupo de revolucionários armados que procuravam centralizar o poder na região que queriam controlar.  Como eles próprios argumentavam, era uma repetição da Revolução Americana. Não havia nenhuma intenção por parte de Jefferson Davis e seus confederados em separar, a intenção dos revoltosos sulistas era a de centralizar o poder em sua região.
Uma revolução significa uma centralização do Poder.  Se você não entender isso, caro amigo, você não conseguirá entender o que está ocorrendo hoje com o mundo, e o que vem ocorrendo ao longo dos últimos 500 anos com este mesmo mundo em que vivemos.
Revoluções centralizam o poder.  Se o teu objetivo é combater militarmente um poder centralizado, então teus combatentes têm de centralizar o poder em torno de si próprio.  Ao fazer isso, tudo o que é alcançado é simplesmente uma mudança de lealdade, a qual irá para esse novo grupo de centralizadores formados. Até hoje a maioria das pessoas, inclusive os intelectuais e “pensadores”, ainda não entenderam isso
Prezado amigo, para você fugir do sistema, você não tem de fazer uma revolução; você tem de fazer uma secessão.  Você tem de retirar todo o seu apoio ao sistema vigente.  Você tem de revogar a legitimidade que você conferiu a essas organizações. Você tem de fazer isso, e todas as outras pessoas também têm de fazer isso.  E isso não é uma coisa que pode ser organizada antecipadamente. As pessoas simplesmente aprendem escândalo após escândalo, absurdo burocrático após absurdo burocrático, que o sistema é irreparável. Ele não pode ser reformado.  Ele não pode ser "capturado desde dentro".  Ele tem de deixar de ser financiado. O segredo da liberdade não é a revolução; o segredo da liberdade é a deixar de financiar a ordem centralizada existente. Lembram do filme “Tropa de Elite 2”, quando a personagem principal, o coronel Nascimento, faz suas divagações sobre os sistema?
Vamos continuar: O segredo da estabilidade monetária e de uma moeda forte não é capturar o Banco Central e colocar lá "um dos nossos", ou conceder a ela uma suposta independência.   O segredo é a soberania monetária.  Qualquer um utiliza a moeda que quiser sob uma ordem social de livre mercado.  E isso só se consegue via secessão e não através da centralização revolucionária. Quando os britânicos decidiram que não adotariam o Euro, a idéia presente ali era a de não participar completamente do processo revolucionário que estava se criando com a União Européia (e ainda tem gente espantada com o Brexit).
Querem outro exemplo? O segredo de uma melhor educação não é capturar e controlar o sistema público de ensino. O segredo de uma educação melhor é utilizar a internet (o que reduz sobremaneira os custos da educação), descentralizar todo o processo, e colocar os pais no controle do programa educacional de suas famílias e não atribuir isso ao estado. Portanto, ao ouvir o clichê: “Estamos fazendo uma Revolução na Educação”, fique atento!
O problema é que os conservadores e vários libertários demoram em aprender algumas coisas. Eles ainda insistem em dizer que o melhor a ser feito é capturar e controlar o sistema progressista, pois acreditam que têm um plano melhor para fazê-lo funcionar. Ora bolas, isso foi o que os bolcheviques fizeram com a burocracia do Czar. Isso foi o que os revolucionários franceses fizeram com a burocracia de Luís XVI. Isso foi o que os revolucionários americanos fizeram com a burocracia de George III. Isso é o que o sul dos EUA teria feito caso tivesse vencido. Dizem-se conservadores e não enxergam o que a história lhes mostra.
A tecnologia vai descentralizar o mundo de maneira mais intensa.  A descentralização não vai levar a uma revolução.  A descentralização vai levar à secessão.  Falo de uma secessão ao estilo de Gandhi. Falo em retirar todo o  apoio. Não será necessário pegar em armas contra o estado; você simplesmente tem de se recusar a cooperar com ele.  Agindo assim, você verá como será mais difícil e mais custoso para o estado tentar tiranizar você.
A Iugoslávia não existe mais. A União Soviética não existe mais. Daqui a pouco nem a União Européia existirá mais. Essa é a tendência do futuro.  Os estatistas e os pretensos estatistas irão continuar em busca da “Grande Revolução”.  Assim como Marx, eles vêem como iminente a “Revolução Proletária”.  Só que ela nunca veio e nem virá.  A revolução comunista ocorreu justamente onde, segundo a própria teoria marxista, não deveria ter ocorrido: a área rural do império russo. O proletariado urbano não fez a revolução; quem a fez foi um bando de intelectuais alienados em conjunto com assaltantes de banco. (como se tentou fazer aqui no Brasil).
O que estamos testemunhando é o fim do apoio aos regimes centrais.  As revoluções no mundo árabe não descentralizam nada.  Elas apenas reorganizaram a centralização nas mãos de outro grupo de tiranos.  É bom ver os antigos tiranos sendo humilhados e derrubados, pelo menos de longe. Mas isso não muda nada. O Egito é exatamente o mesmo que era sob o jugo de Mubarak.  É uma ditadura militar. A revolução não trouxe nada de positivo.
Revolucionários são centralizadores.  Essa centralização pode ser explícita ou não, mas sempre há uma agenda centralizadora em todos os movimentos revolucionários.   Todo revolucionário sempre acredita que sua revolução será a última.  Todo revolucionário acredita que, quando ele finalmente estiver no controle da cadeia hierárquica de comando, as coisas serão diferentes.  Sim, será diferente: teremos um grupo diferente de espoliadores pilhando a produtividade das vítimas. Meus caros, não acreditem em processos revolucionários como a “salvação” das mazelas da sociedade. Revolução é apenas uma alternância de centralização.
Enquanto conservadores e alguns libertários continuarem sonhando com a captura e o controle de sistemas hierárquicos de poder, nada vai mudar. Nenhum plano centralizador pode surgir de um sistema de comunicação descentralizado.  Vivemos nos “Bálcãs digitais”, e não na Iugoslávia.

O Facebook está descentralizando o mundo.  Ele está "balcanizando" o mundo. E isso vai continuar. Portanto, não ache que você é um “Revolucionário Digital”, tens todo o direito de tentar uma revolução, mas ela não acontecerá através dos meios digitais, não se iluda.

Estado Mínimo: O primeiro passo para o Totalitarismo?

Participando de uma mesa de debates hoje, foi colocado na conversa a concepção de Estado. E acabei por presenciar inflamados discursos sobre a necessidade de um “Estado Mínimo”, onde o papel desse Estado seria apenas o de mediar determinadas questões e onde o Mercado seria o condutor do desenvolvimento. Aí me veio a pergunta: “Estado Mínimo” é possível? Claro que é.  É duradouro? Não e nem pode ser!
O maior problema do estado mínimo é que ele invariavelmente acaba por gerar o pior dos monstros: um estado poderoso e totalitário.
A pergunta que dá título a esta postagem não apenas pode ser explicada em bases teóricas como também pode ser comprovada de forma empírica.
Comecemos pelo melhor e mais nítido exemplo de todos: os EUA. Como assim, os Estados Unidos são totalitários? Vamos aos fatos: O experimental modelo americano de estado no século XVIII, ou seja, a Revolução Americana e o conseqüente estabelecimento de uma República Constitucional soberana e independente foram idealizados com a clara intenção de criar e manter o menor governo da história humana até então.
Esse era o objetivo dos “Pais Fundadores” dos Estados Unidos: George Washington, John Adams, Thomas Jefferson, James Madison, Alexander Hamilton, Benjamin Franklin e John Jay, esses senhores, sob as influências pós-iluministas e com as idéias de estado mínimo pregadas por Adam Smith, tinham como objetivo específico, criar o menor governo da história. E foi esse objetivo que fez com que construíssem um modelo de estado até então, sem precedentes no Ocidente.
Até ai tudo bem.  Agora, suponha você, leitor, que eu te diga que descobri a cura do câncer, e que basta tomar esse remédio que eu criei e você estará imune à qualquer tipo de tumor cancerígeno.  Se todo mundo tomar do meu remédio e o resultado for um aumento assustador do número de pessoas com câncer, especificamente infligida sobre aqueles que tomaram meu remédio, então, nesse cenário, poderíamos dizer com certeza que meu remédio não apenas não está funcionando, mas está fazendo justamente o oposto: está infectando pessoas ao invés de curá-las. 
Podemos chegar a uma conclusão bem lógica sobre o meu experimento.  Meu remédio não produz a cura; ao contrário, ele produz a doença!
Agora vamos analisar qual foi o resultado do experimento governamental americano, com estados praticamente autônomos e com um governo federal mínimo.
Não há a menor dúvida de que o sistema de estado mínimo foi adotado pelos americanos: Não havia impostos de renda, o governo federal era minúsculo, não havia impostos estaduais (apenas uma ou duas tarifas sobre bens de consumo), não havia um exército permanente, o governo não controlava a oferta monetária e não havia dívida interna. Havia uma Constituição que era tida como a lei suprema e havia um congresso cuja única função era garantir que essa Constituição não fosse desrespeitada (percebe ai o cuidado em se ter a mínima interferência do Estado no cotidiano do cidadão americano?)
Sem dúvida alguma era um sistema excepcionalmente bem concebido. 
Repito: o experimento americano foi elaborado especificamente para criar o menor estado possível, sendo que existiam várias ferramentas que possibilitavam manter um controle efetivo sobre o tamanho desse estado.  O objetivo desse experimento era não permitir a existência de um poder central e autoritário, impedindo que ele se crescesse e se tornasse uma “tirania”, como a do Rei George III, de quem esses colonos haviam lutado muito para se libertar e não queriam que a história se repetisse.
Bem, mas afinal, qual foi o resultado disso?
Na tentativa de criar e manter o menor governo possível, o resultado acabou sendo a criação do maior e mais poderoso governo que o mundo jamais viu.
Sugiro que o amigo faça uma pequena pausa para digerir essa constatação, um tanto paradoxal, eu diria, pois é algo complexo e ao mesmo tempo simples de se constatar. O objetivo do experimento americano era criar o menor e mais enxuto governo que o mundo já viu, correto? Correto.
Só que o resultado foi a criação do maior, mais intruso, mais poderoso e mais gigantesco estado que o mundo jamais viu, dotado de armas de destruição em massa, mais de 700 bases militares ao redor do planeta e com a capacidade de exterminar toda a vida da terra. 
Trata-se de um estado tão enorme que faria o Império Romano, no auge do poder dos Césares, parecer uma agência local do Correios.
Mas isso é perfeitamente explicável.  Infelizmente é algo natural e inevitável.  Pois quanto menor é o estado, quanto mais você o restringe, mais produtivo torna-se o mercado.  Quanto mais produtivo é o mercado, mais rápido a economia cresce e mais riqueza ela gera.  E o livre mercado é tão produtivo que ele é capaz de agüentar por muito tempo um enorme crescimento da tributação e um grande agigantamento do poder estatal, até chegar a um ponto em que ele, mercado, inevitavelmente irá ceder. (este é exatamente o momento que os EUA estão vivendo agora).
Portanto, o que acontece é que, quando você minimiza o estado, paradoxalmente você faz com que a lucratividade de se aumentar posteriormente o tamanho desse estado seja muito maior, pois haverá muito mais riqueza para tributar e mais recursos para se controlar, duas das coisas que mais seduzem qualquer estado.
Visto que o estado adquire muito mais dinheiro e poder quando ele tributa uma economia que se desenvolveu e enriqueceu com um livre mercado, ele ganha a capacidade de fazer coisas terríveis, como desenvolver armas de destruição em massa, manter um incomparável estado belicista e assistencialista e comprar grandes seções da população, tornando-as permanentemente dependentes do estado. Percebem a “simplicidade” do paradoxo?
Imagine que você é um fazendeiro e descobre um modo de fazer com que suas vacas produzam dez vezes mais leite que o normal.  Qual seria o resultado?  Você estaria fazendo com que suas vacas passassem a ser muito mais valiosas sob a ótica dos outros fazendeiros, que passariam a fazer de tudo para tê-la.
O raciocínio é o mesmo quando você tem um governo mínimo, cada indivíduo torna-se muito mais produtivo e valioso por causa da escassa interferência governamental.  Qual será a conseqüência?  Esse indivíduo tornar-se-á muito mais atraente para o estado, que sem dúvida irá querer comandá-lo no futuro.
Os menores estados sempre acabarão gerando estados maiores. É impossível que não seja assim.  Não conheço na história um contra-exemplo dessa afirmação e acredito que nem produziremos um exemplo no futuro.
Falemos da Inglaterra, por exemplo:  O estado que surgiu como resultado da cisão entre esse mesmo estado e a Igreja, bem como da derrota da aristocracia no final do século XVIII e início do século XIX, era de longe o menor governo da Europa.  O que ele produziu?  Simples, produziu o Império Britânico! (“o Império onde o sol nunca se punha”).
Os países escandinavos passam por um processo semelhante também.  Estados enxutos até o final da Segunda Guerra, detalhe, da qual eles não participaram o que ajudou a preservar sua riqueza, com uma unidade fundamentada em uma tradição, acabaram gerando estados agigantados que controlam o cidadão do berço até o túmulo. E quanto mais eles vão diluindo essa tradição, mas o “fantasma” do totalitarismo  começa a ameaçar essas sociedades. Concordo que o tempo de prosperidade deles é muito curto para fazermos uma analise mais aprofundada, mas a história nos mostra vários exemplos.
A Irlanda é um caso também interessante de ser analisado:  Um estado falido até o final da década de 80 encolheu e deu lugar a uma economia vibrante.  Resultado disso?  Um inchaço sem precedentes do setor público, um estado assistencialista como nunca visto na história do país, o empreendedorismo foi  reprimido, um déficit gigante e um governo que passou a participar de setores-chave como transportes, mídia (rádio e televisão), e geração e transmissão de eletricidade.  A educação primária, secundária e universitária tornou-se "gratuita", a saúde é "pública" e a previdência é controlada pelo estado.  O orçamento do governo, obviamente, estourou. (faz lembrar algum País que você conhece?)
Como eu escrevi anteriormente, tudo isso não só é previsível como também é inevitável.  Sempre que você minimiza o estado, você aumenta o valor de toda a economia, fazendo com  que o governo tenha condições de aumentar seu tamanho e poder para dimensões ainda maiores do que as atuais. 

Resumindo, se você sonha em diminuir seu estado para algum limite constitucionalmente imposto, e suponhamos que você de fato consiga isso, o que irá acontecer é que todo o processo de agigantamento irá inevitavelmente recomeçar após algum tempo.  Sim, você pode desfrutar alguns anos de liberdade, mas sem dúvida seus descendentes seriam submetidos a um governo ainda mais totalitário do que aquele sob o qual você viveu.

Frase do Dia

"Fürsten, Herrscher und Generäle sind nie spontan liberal. Werden Sie liberal, wenn sie von den Bürgern gezwungen" (Príncipes, governantes e generais nunca são espontaneamente liberais. Tornam-se liberais quando forçados pelos cidadãos)

Ludwig von Mises

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Entre o Medo e a Covardia

Estava pesquisando um trabalho na internet e me deparei com uma frase do líder indiano  Mahatma Gandhi  e que me fez refletir bastante, pri...