Pular para o conteúdo principal

Então é Natal!!!

Coisa engraçada essa, para mim, desde pequeno, o mês de dezembro sempre foi um mês especial. Quando criança o aguardava ansioso, já que  sempre foi sinônimo de família reunida e celebração. Lembro que achava estranho quando ouvia os adultos com as célebres e repetidas frases:"Não gosto desse mês", ou ainda, "Não gosto do Natal". Eu ficava com cara de paisagem sem entender. Como poderiam não gostar do Natal? Que mal fez o Natal a essas pessoas? Adultos, gente complicada essa!

Mas o tempo passou, e acredito não ter vivido um só mês de dezembro, sem ouvir de alguém a repetida frase:"Não gosto do Natal". Como não existe nada melhor que o tempo, finalmente já crescido tomei coragem para perguntar o motivo. 

Por que não gostar do Natal? Dezembro é um mês tão especial que a sábia natureza se renova. Não sei quantos já pararam para apreciar o sol de dezembro. Pode até ser impressão, mas ele brilha de forma majestosa. E as árvores? Nossa, basta passear pelas ruas para vê-las cobertas de flores. Os dias parecem mais convidativos, mais alegres. Dai vieram os shoppings e suas decorações maravilhosas, que encantam crianças e adultos.

Estamos chegando a mais um Natal, e continuo ouvindo das pessoas a mesma coisa: "Odeio essa época", "Não gosto de Natal". Ao questionar a razão, a resposta é sempre a mesma: "Tenho tristes lembranças". Tristes lembranças...Tristes lembranças... Parece até letra de bolero (Ops! Nada contra boleros).

Mas, enfim, entendo que é triste chegar ao Natal sem algumas pessoas queridas, mas não só no Natal. Claro que eu entendo, pois na minha vida falta não só uma pessoa. Toda ausência é sentida e por todo o ano, não somente no Natal. 

Nessas horas, frente aos sorumbáticos discursos, lembro de alguém muito, muito e muito especial, dona Odalea, minha mãe. Ela era a alegria materializada e o Natal era sinônimo de festa, mesmo quando havia algum tipo de dificuldade, financeira, muitas vezes.  Então, nesses momentos em que a saudade bate, lembro dela e imagino que estaria hiper feliz em ver que apesar de tudo e das dificuldades, o seu filho mais velho conseguiu chegar até aqui.


Mas enfim, é dezembro! É Natal despontando! É nascimento do Cristo! É mais uma oportunidade de sermos felizes e, o melhor, de mudarmos a nossa história e fazermos pessoas felizes também. Tem alguns que alfinetam: "Ah, a data é só comércio. É tudo falsidade! Eu nem acredito no Natal e esse papo de nascimento do Cristo é puro mito"

Tudo bem, respeito os que não acreditam, aliás, respeito a todos e todas as opiniões. Quanto a mim, também não acredito no bom e velho Noel, nem no Coelhinho da Páscoa...rsrs

É dezembro! É Natal! Prefiro me ocupar em ser feliz. 

E você, leitor, vai um Feliz Natal ai????

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…