Pular para o conteúdo principal

Devaneios sobre a Verdade


Rezam as antigas lendas que a "verdade" foi enviada por Deus ao mundo em forma de um gigantesco espelho. E quando o espelho estava chegando sobre a Terra quebrou-se, partiu-se em inumeráveis pedaços que se espalharam por todos os lados. 

E qual foi o resultado disso? As pessoas sabiam que a verdade era o espelho, mas não sabiam que ele havia se partido. E por essa razão, as que encontravam um dos pedaços acreditavam que tinham nas mãos a verdade absoluta, quando, na realidade, possuíam apenas uma pequena parcela desta dádiva divina.

E quem será o conhecedor da verdade absoluta? 

A verdade absoluta só Deus a possui e aos poucos vai revelando ao homem na medida em que este esteja apto para conhecê-la. 

É através destes pequenos fragmentos que são revelados por Deus, que os inventores, os cientistas, os pesquisadores, vão descobrindo a cada século novas verdades que se acumulam e fomentam o progresso da Humanidade. É como se fossem juntando os pedaços do grande espelho e conseguissem abranger uma parte maior. 

Assim, a verdade é conquistada graças aos esforços dos homens e não numa revelação bombástica sem proveito para quem a recebe. Não é de uma hora para a outra que você passa a conhecer a verdade, muito menos, que passa a pratica-la. Isso é uma conquista diária, um aprimoramento humano constante, com direito à alguns percalços no caminho.

Ademais, depois que a verdade é descoberta, ninguém pode encarcerá-la, nem guardá-la só para si. A verdade é uma "parceira" da generosidade e da honestidade e está longe de ser algo "fora de moda", ultrapassado. Pelo contrário, cada vez mais a sociedade humana busca juntar os cacos do espelho. Quem experimenta o sabor da verdade não mais permanece o mesmo. Toda uma evolução nele se opera e uma transformação radical e libertadora. Se torna um processo inevitável.

Por vezes, a nossa cegueira não nos deixa vê-la, mas ela está em toda parte, latente, dentro e fora do mundo e é, muitas vezes, confundida com a ilusão. Em seus diálogos sobre "A Verdade", Santo Anselmo nos relata que a "Verdade" é a retidão do objeto percebida pela mente, mas o que vem a ser essa "Retidão"? É algo ser o que é, Deus é a máxima expressão da retidão, a verdade suprema e eterna, é o que é infinitamente e que determina o que tudo deve ser. 

Para Anselmo, a "Verdade" não está somente na conformação dos nossos juízos à realidade (uma verdade de conhecimento), mas em todo o nosso ser, como disse Santo Agostinho, tendo sua expressão na vontade, nas ações, nos sentidos, na essência de todas as coisas. Um sujeito justo deseja o que é certo, sabendo que é certo, porque é certo!

Desde os tempos de Maquiavel, vem se buscando "praticar" a verdade. Marx buscou fazer isso, ditar uma "regra"! de prática de verdade. Não gostaria de ser tentando a cair neste erro. Prefiro entender que é possível praticar alguns "exercícios" espirituais (orar, jejuar, dar esmolas, coisas assim), lembrando que não devemos entender isso como prática da verdade, e sim como inspirações, pois, repito, por melhor que sejam essas ações, elas não são a prática da verdade e corrermos um sério risco de isso se transformar em convenções sociais e perderem o seu real sentindo. 

Um exemplo disso: Muita gente tem preconceito (de raça, credo, sexo, etc), mas não se expressa pelo fato de temer a pressão da sociedade, do que os outros vão falar sobre isso. Não que ter preconceito seja algo saudável, longe disso, não se deve ter preconceito sobre assunto nenhum. É o que a bíblia chama de "o mundo".

Quero citar um pensador contemporâneo muito importante chamado Marco Campos (que muito honra o fato de ser meu irmão), que foi fundamental para a existência deste texto, segundo ele, "Praticar a verdade é algo que se faz individualmente". É algo que deve ser internalizado pelo individuo e norteie suas ações, buscando cada vez mais contemplar a beleza, a verdade e a vida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…