Pular para o conteúdo principal

A Escolha de Fruet...

O título dessa postagem faz referência ao filme "A escolha de Sofia", onde uma mãe, durante a segunda guerra, tinha que escolher qual dos seus dois filhos ela salvaria de um campo de concentração. A frase passou a definir escolhas impossíveis que temos que fazer...

Voltando ao nosso mundo curitibano, o ex-deputado Gustavo Fruet vive esse dilema...surpresa das últimas eleições para o senado, onde quase tirou a vaga de Roberto Requião, Gustavo começou a reinvindicar a vaga de seu partido, então o PSDB, para a prefeitura de Curitiba, o que batia de frente com os acordos do governador Beto Richa com sua base de sustentação na capital, capitaneada pelo PSB do atual prefeito Luciano Ducci, aliado de primeira hora de Richa e preteno candidato a reeleição...

Ora, Gustavo tinha a legitimidade das urnas para requerer a vaga, porém, esqueceu de alguns preceitos políticos básicos nessas horas: Paciência e Articulação.

Por ser uma liderança mais jovem e com um curriculo de sério, honesto, trabalhador e com viés de contestador, Fruet não soube ter a paciência necessária para aguardar o seu momento, esperar a melhor hora de "cobrar" da Tucanada a sua fatia do bolo e não alardear aos quatro ventos que era candidato, como diria Collor, "Duela a quen duela"...

Ao fazer isso, além de se precipitar no processo, Fruet não se articulou o suficiente internamente para brigar por essa candidatura, substimou a força de um governador e de uma câmara de vereadores de Curitiba que sempre se mantiveram firme no acordo com Ducci. O que permitiu que sofresse pressões e influências do chamado "Fogo Amigo" e "Fogo não tão amigo assim"...

Ao sair do PSDB da forma como fez, Gustavo deu a munição necessária para o grupo de Richa alegar que ele, Fruet, não pensou no projeto, no grupo e essas coisas assim e que somente visou seus interesses pessoais em detrimento do que seria "melhor para a cidade"!!!

Conhecendo um pouco do perfil de Fruet não consigo acreditar que ele tenha agido dessa forma, mas, o que importa não o que eu penso e sim o que pensará a população na hora da eleição...Agora Fruet está em outra escolha dificil: Para onde ir? Qual legenda usar para ser candidato a prefeito de Curitiba? Opções não faltam..do PPS ao PMDB, passando por todas as legendas possíveis e imagináveis e ainda tendo o aval e o apoio do PT, partido ao qual Fruet sempre foi oposição e que agora, pensando em 2014, se oferece como "Aliado" do ex-deputado para a disputa da prefeitura da capital...

A escolha de Fruet será determinante para definir os rumos de sua carreira política, uma má escolha, pode significa seu "fim" precoce no universo político paranaense. Para quem era apontado como o próximo senador do Paraná e virtual sucessor de Richa, parace que Gustavo está agora em um momento decisivo em sua carreira, correndo todos os riscos e ciente de que sua escolha não poderá ter erros, independente do resultado nas urnas em 2012...

Comentários

Anônimo disse…
Você não conhece o PSDbusiness!!!!
Thomaz Campos disse…
Meu caro Anônimo...

Interessante o seu neologismo...pena que o Fruet tenha percebido isso tarde demais...

Abraços!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…