Pular para o conteúdo principal

Agora me deu raiva...

Desculpem leitores deste blog, sempre costumo expressar minha opinião com bom humor, com um ar de ironia, até porque alguns assuntos são extremamente difíceis e precisam ser suavizados...

Mas não posso deixar de me indignar, de ficar realmente muito furioso com a matéria que li na "Gazeta do Povo" a respeito dos argumentos da defesa do ex-deputado Fernando Ribas Carli, onde os ilustres advogados acrescentam, na maior "Cara dura", que os responsáveis pelo crime ocorrido no dia 07 de Maio de 2009...onde um irresponsável matou dois rapazes, de maneira covarde e achava que iria sair impune, sem nenhum processo pelo simples fato de ser deputado estadual...

Mas nada escapa a mobilização da opinião pública, nada escapa de uma enorme corrente contra a impunidade e contra os abusos no trânsito...basta! Esse tipo de criminoso, que bebe, dirige com habilitação vencida e em velocidade absurda tem que ir para juri popular sim, como assassino que é..acidente é quando algo improvável, algo inesperado acontece e não quando se bebe, sai carregado de um restaurante e vai dirigir um veículo a mais de 170 por hora...isso se chama tentativa de homicídio e no caso de Carli Filho, de homicídio sim, pois as vítimas não tinha como ver um carro nessa velocidade, a noite e em uma rua com aclive...

Li na entrevista a seguinte frase, de um dos advogados do ex-deputado: “Quem é o responsável pelo acidente? Não é quem tinha bebido. Não é quem estava em suposto excesso de velocidade. Não é quem era deputado, quem tinha carro importado. É quem violou a via preferencial”, isso é um absurdo, o fato de estar em uma preferencial não me dá o direito de dirigir bêbado e com velocidade acima de 170 por hora....

Desculpem novamente, não gosto de me exaltar desse jeito, mas não posso ficar calado com esse tipo de coisa...saio de casa todos os dias para trabalhar, uso meu carro, viajo pelas estradas do PR e SC, quero que o máximo de potenciais assassinos como o ilustre ex-deputado fiquem longe de mim, de preferencia na cadeia, onde é lugar de quem comete crimes!!!

Comentários

Giulia Andrade disse…
Concordo em quase todos os pontos com você, Thomaz.
Ele usou de todos os artifícios em função de seu cargo, o primeiro de todos, que teria evitado tudo isso, era o fato da carteira cassada. Num caso como esse, em que a repercussão social é gigantesca, o caso está sendo resolvido de uma forma razoavelmente rápida, se formos comparar todos os casos que temos no judiciário, e não há nada mais justo, a sociedade quer e tem direito a uma resposta.
Particularmente sou contra o júri popular, uma vez que estudei a fundo alguns casos e percebi erros brutais de sentença, muitos visivelmente perceptíveis a qualquer pessoa que lesse o processo.
Estou ansiosa para o julgamento, pois não quero ver aquilo que eu amo, o poder judiciário, ser sinônimo, mais uma vez, de impunidade.
Thomaz Campos disse…
Giulia...

Importante ter uma opinião ligada ao direito que nem a sua, o debate é amplo, minha indignação foi pela forma que o advogado colocou...

Mas enfim, vamos ver o que acontece...

Grato pelo comentário...

Beijos!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…