Pular para o conteúdo principal

O começo...

O ano caminha para o seu final e com ele algumas reflexões que considero interessantes para compartilhar aqui com vocês, dentre elas, qual a avaliação que pode ser feita deste primeiro ano de Gustavo Fruet à frente da prefeitura de Curitiba? Como meus amigos sabem, apoiei e fiz aberta campanha nas redes sociais em favor da eleição de Gustavo, e o fiz por crer na possibilidade de um governo sério, inovador e comprometido com os principais anseios da sociedade curitibana...

Ainda permaneço com a mesma crença, após esse começo de ajustes e embates que a gestão municipal teve que enfrentar para consolidar a sua proposta de gestão (que em muitas aspectos, fere aos interesses daqueles que acreditavam serem os "donos" da cidade). Críticas forem feitas, decepções dos mais ingênuos vieram à publico, mas o que mais me chamou a atenção foi a seriedade e a serenidade com a qual o prefeito enfrentou e enfrenta essas dificuldades. Sem arroubos de insanidade como alguns políticos costumam fazer pelas bandas daqui e nem tampouco com "cases" de marketing para disfarçar a realidade como outros, Gustavo consegue (com muito trabalho e muita pressão, é verdade) colocar em prática aquilo que propôs com a sociedade durante o período de campanha eleitoral.

Alguma secretarias e órgãos públicos municipais ainda estão aquém das expectativas do próprio prefeito, penso eu,  mas a maioria das secretarias vem trabalhando com muita qualidade, buscando moldar a cidade com um perfil mais democrático e mais eficaz na sua gestão e isso é sim um enorme diferencial nas administrações municipais da capital paranaense. 

Os serviços funcionam. A saúde vem recebendo um "tratamento" de choque para voltar a atender o cidadão como ele merece. A assistência social que sempre foi tratada como uma mera forma de assistencialismo, vem mudando esse paradigma e começando a transformar usuários da assistência em cidadãos preparados para o mercado de trabalho. A cultura vem atuando muito mais próxima daquilo que podemos chamar de uma verdadeira política cultural e popular. O Turismo vem sendo elogiadíssimo pelas suas inovações e pela maneira profissional com a qual vem atuando, atraindo investimentos e turismo para a cidade. As finanças municipais que começam a entrar em ordem, após décadas de descalabros e  contratos, no minimo, mal feitos. A abertura da chamada "Caixa Preta" da Urbs, mostrando para a sociedade como as coisas estavam erradas naquele lugar e buscando dar transparência para esse empresa que é de vital importância para a cidade...

Enfim, considero um bom começo...poderia ser melhor? Eu gostaria que fosse, mas tenho certeza de que foi um começo muito melhor do que as condições reais permitiriam ser. Estou satisfeito em perceber que minha crença continua firme e forte nessa atual administração municipal de Curitiba!!!

Comentários

Anônimo disse…
Gostaria de acreditar em tudo isso Thomaz, mas a realidade me impede. Acreditei muito no Fruet, mas não imaginava que a equipe dele seria tão tuim. Uma boa parte da equipe é perdida e fraca. Ainda bem que alguns são sérios e trabalham de verdade, acredito que esses é que estão segurando a cidade nas costas. As mudanças na saúde, até agora, foram para pior.Os índices de nascimentos prematuros e mortalidade do bebê e da mãe aumentaram consideravelmente após o mãe curitibana ter sido detonado. Agora tudo é médico da família. E Nunca se viu tantos andarilhos morando nas ruas da cidade.Acredito que o prefeito precisaria de um secretário de governo mais preparado. Talvez esses problemas sejam resultado da união com o PT, mas esse peso o Fruet vai ter que levar nas costas por muito tempo...
Thomaz Campos disse…
Meu caro Anônimo...

Em primeiro lugar, como eu disse no texto, essas opiniões são de caráter pessoal e se devem as observações que faço como cidadão da cidade e em respeito a sua opinião, me permito argumentar com você algumas questões..

A saúde na cidade vem sofrendo modificações severas sim, para adequar o trabalho com as necessidades da população, desconheço que o programa "Mãe Curitibana" tenha sido "detonado", ele apenas deixou de ser uma bandeira de marketing e se tornou mais um programa da secretaria (se existem esses índices de aumento de mortalidade infantil e nascimento de bebês prematuros, por favor, divulgue, isso é importante e serviria como alerta para a secretaria).
Com relação a política de assistência, hoje a prefeitura não pratica mais a velha política do assistencialismo e do que eu chamo de "maquiagem social" (esconder as mazelas da cidade) a proposta da FAS é a da integração do cidadão ao contexto social. A quantidade de andarilhos que você citou no comentário, se deve muito aos usuários de drogas e que é uma situação que o Brasil vem encontrando dificuldades enormes de combater, mesmo assim, a FAS vem trabalhando com esses usuários, buscando dar um apoio e uma orientação para que eles possam sair dessa situação.
Quanto a aliança com o PT, não entendo isso como um "peso" político...isso foi uma opção que o Gustavo fez em sua campanha eleitoral (muito em função da maneira desleal com a qual foi tratado pelo PSDB, seu ex-partido) e não vejo essa aliança com o PT ser um fator de problemas para a sua gestão. Duas secretarias que eu citei como sendo das melhores da gestão, são lideradas pelo PT.
No mais, agradeço a sua participação, mesmo que no anonimato.

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…