sexta-feira, 13 de julho de 2018

Encerrando ciclos


Durante 12 anos de minha vida fui casado com uma mulher simplesmente fantástica, que sempre que ia desejar "Feliz Aniversário" para alguém, usava a expressão: "...que o ciclo que se inicia..." Pois bem, para cada ciclo que começa, um ou vários ciclos precisam ser encerrados. Chega a ser quase uma "ação natural"

Eu entendo que sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final. Se a gente insiste em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria, a espontaneidade e o sentido das outras etapas que precisamos viver. Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos, game over...não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos da vida que já realmente se acabaram.  


Você pode passar muito tempo se perguntando por que tal coisa aconteceu. Pode dizer para si mesmo que não dará mais um passo enquanto não entender as razões que levaram certas coisas, que eram tão importantes e sólidas em sua vida, serem subitamente transformadas em pó. 

Mas tal atitude será um desgaste imenso para todos: seus pais, seu marido ou sua esposa, seus amigos, seus filhos, sua irmã, todos estarão encerrando capítulos, virando a folha, seguindo adiante, e todos sofrerão ao ver que você está parado. 



Ninguém pode estar ao mesmo tempo no presente e no passado, nem mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem conosco. É um erro "parar no tempo" para tentar entender o "Por que" de um final, e pior, as vezes se sentir culpado com esse encerramento. 

O que passou, passou não voltará mais: Eu nunca mais serei um menino, adolescentes tardios, filhos que se sentem culpados ou rancorosos com os pais, amantes que revivem noite e dia uma ligação com quem já foi embora e não tem a menor intenção de voltar. Precisamos aprender a arrumar o "armário do nosso passado", a vida está em constante transformação. O ciclo agora encerrado, pode se transformar em um outro ciclo (mesmo tendo as mesmas personagens....apenas muda-se uma parte do roteiro)



Coisas e pessoas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas realmente possam ir embora. Por isso é tão importante (por mais doloroso que seja!) destruir recordações, mudar de casa, vender ou doar os livros que tem. 

Tudo neste mundo físico é uma manifestação do mundo metafisico, do que está acontecendo em nossa mente  e o desapega-se de certas lembranças significa também abrir espaço para que outras novas tomem o seu lugar. 



Deixar ir embora. Soltar. Desprender-se.

Não há nada mais perigoso que rompimentos amorosos que não são aceitos e não são devidamente esclarecidos, promessas de trabalho que não têm data marcada para começar, decisões que sempre são adiadas em nome do “momento ideal”. Antes de começar um capítulo novo, é preciso terminar o antigo: diga a si mesmo que o que passou, jamais voltará. O que virá em seguida será sempre algo novo, diferente. Mesmo que, como disse antes, possa ser vivido com as mesmas pessoas.



Lembre-se de que houve uma época em que podia viver sem aquilo, sem aquela pessoa, um erro, nada é insubstituível, um hábito não é uma necessidade. Pode parecer óbvio, pode mesmo ser difícil, mas é muito importante. 

Encerrando ciclos. Não por causa do orgulho, por incapacidade, ou por soberba, mas porque simplesmente aquilo já não se encaixa mais na sua vida. 

Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira. Deixe de ser quem era, e se transforme em quem você realmente é e busque incansavelmente a sua felicidade. Não podemos esquecer que a nossa felicidade não está no outro e sim dentro de cada um de nós. Ter consciência disso, é o primeiro passo na escada que leva ao auto conhecimento e a auto aceitação, os pilares da Felicidade.

Nenhum comentário:

A Esquerda e a Homossexualidade I

Neste texto (que talvez se transforme em mais de um) , eu buscarei mostrar uma série de fatos históricos a respeito da perseguição dos gove...