Pular para o conteúdo principal

As pesquisas, ah, as pesquisas...

Mais uma vez os Institutos de pesquisa estão no centro das discussões nessa reta final da corrida eleitoral...

Com resultados controiversos e com uma forte descrença por parte da opinião pública no primeiro turno (Onde foram determinantes para garantir resultados e mascarar diversas tendências que se via nas ruas, mas não se refletia nas tais pesquisas)...

Não estou dizendo que as pesquisas servem para um ou outro candidato, ou um ou outro partido, o que digo é que deve ser realizada uma séria investigação sobre as metodologias utilizadas, os locais onde são realizadas as entrevistas e aquela velha piadinha: "Eu nunca fui entrevistado em uma pesquisa eleitoral"

Pesquisa eleitoral não ganha eleição e nem determina a vontade popular, ele serve como tendência  e não como sendo a única verdade...mas não é bem assim que as coisas acabam acontecendo, não se confia mais na lisura dos Institutos de pesquisa e isso é muito grave, faz com que muita gente acabe votando no que está na "Frente", o chamado "Voto Útil", que só tem utilidade para quem consegue mostrar que vai vencer, independente de tudo...

A influência das pesquisas é tão grande, que acaba possibilitando erros de estratégia e de tática, até mesmo para quem está na frente, ou não houve um erro estratégico na campanha de Dilma Rousseff no primeiro turno??? Ou na campanha de José Serra, que ficou por várias semanas a deriva e no final, acabou contando com erros do PT para chegar no segundo turno???

É importante saber a tendência do eleitorado, suas aspirações, seus diagnósticos, mas não se pode fazer isso como sendo o quadro real da situação eleitoral. Não se pode virar refém das pesquisas eleitorais e mais, devemos cobrar uma investigação mais minuciosa sobre como funcionam essas pesquisas e quem, de fato, "manda" no resultado....

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…