Pular para o conteúdo principal

A importância do Investimento na Educação!!!

Tenho pensado e pesquisado bastante sobre a situação atual da Educação o Brasil, pois é um tema de fundamental importância para o desenvolvimento de qualquer País, qualquer nação. Apesar da democratização do acesso à escola, cerce de 97% das crianças de 7 a 14 anos estão no Ensino Fundamental, ainda não houve a democratização da permanência.


O nível de evasão escolar, ou, como diria Paulo Freire, de expulsão escolar, é muito alto. Mesmo a democratização do acesso ainda não chegou à Educação Infantil nem ao Ensino Médio. A Educação básica é um direito subjetivo constitucional, tem de ser oferecida em seu conjunto.

É bem alta também a distorção idade-série, ou seja, muitos alunos não estão na série correspondente à sua idade.

Cabe a comunidade escolar (pais, alunos, professores e funcionários) se apropriar do trabalho pedagógico como protagonistas, não apenas como espectadores, mas isso ainda é muito raro, infelizmente

Como diria o professor Mário Sérgio Cortella: “A qualidade do ensino tem de melhorar e ascender a uma sólida base científica, de formação de cidadania e de solidariedade social. Isso exige um contrato de condições de trabalho diferente para os educadores e um sistema nacional de formação docente”

Ainda assim, por volta de 10% dos brasileiros adultos são analfabetos. É uma vergonha para um país que pretende ser uma grande potencia mundial, um País reconhecido pelo mundo como uma grande Nação. A problemática na Educação não depende apenas do orçamento do Estado, seja ela prefeitura, governos estadual ou federal, mas dependem dele também. Se não chegarmos a 2020 investindo pelo menos 7% do PIB em Educação, não conseguiremos vencer essas barreiras.

Educação deve ser encarada por pais e responsáveis como um investimento no futuro, não somente dos filhos, mas também de toda uma geração que em breve será a gestora dos destinos da Nação e com esse tipo de investimento não se pode brincar, não dá para fazer “Economias de ocasião” e deixar de lado a qualidade do ensino que será passado para seus filhos.

O investimento feito em uma boa educação, uma escola de qualidade, com professores qualificados, é um investimento que não tem como ser deixado de lado. Cabe aos pais e responsáveis proporcionar sempre o melhor para seus filhos e isso deve constar no planejamento familiar, onde deve ser aplicado aquilo que se ganha e com certeza, não existe investimento maior do que o feito na educação dos filhos.

Essa questão me incomoda muito, vejo alguns pais e responsáveis não agindo como devem no investimento educacional dos seus filhos, isso se reflete em uma sociedade sem projeto, sem educação e, por conseguinte, uma sociedade sem nenhuma perspectiva de crescimento. Não podemos mais admitir uma sociedade assim.

É necessário que a comunidade acadêmica tome uma atitude e que a sociedade saia de sua inércia e invista na Educação, senão, estaremos condenados a uma "Sociedade de Autômatos"!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…