Pular para o conteúdo principal

Minha coluna na Gazeta 24 Horas


Debate: O que debater?

Na semana passada tivemos a primeira rodada de debates com os candidatos a prefeito de vinte cidades brasileiras, dentre elas a da capital de nosso estado. O motivo de conversarmos sobre esse tema aqui em nossa coluna é em virtude da forma como devemos interpretar esse espaço que é proporcionado pela imprensa brasileira e que deveria ser melhor aproveitado se não fosse pela insistência de um “engessamento” promovido pelas chamadas “regras do debate”, onde cada assessoria, em conjunto com a emissora e com o TRE, determinam qual o formato que o referido debate deverá ter.
Mas vamos discorrersobre o que significa um “debate”. De acordo com os dicionários atuais, a palavra debate significa: “Discutir, contestar, polemizar: debater uma questão”. Se o significado de debate é a discussão, a contestação e a polêmica, por que então não se consegue ver essas coisas acontecendo nos chamados debates eleitorais contemporâneos? Sou de uma geração em que ansiavapor debates políticos, nasci em plena ditadura militar, um período de exceção, onde os debates eram terminantemente proibidos e estávamos a mercê das decisões tomadas em quarteladas autoritárias. Com o retorno da democracia eletiva no País, nossa geração passou a questionar todos os pretensos candidatos e ficávamos atentos aos debates que eram promovidos seja por universidades ou redes de televisão.
Mas com a profissionalização cada vez maior das campanhas eleitorais (já conversamos sobre isso em colunas anteriores), os debates passaram a ser de responsabilidades de profissionais ligados a postura e a imagem do candidato, aqueles assessores que cuidavam do conteúdo foram colocados em segundo plano em detrimento de uma boa equipe de marqueteiros e advogados que se esmeram para que o candidato apareça da melhor maneira possível na frente da TV..
Mas e o conteúdo? E as possibilidades do contraditório? Onde fica de fato o “debate”, em um debate eleitoral? As ideias e as posições dos candidatos não são frutos de um programa de governo ou de uma série de propostas que foram debatidas com a população. Essas ideias são oriundas de pesquisas de opinião realizadas por agências que cuidam da campanha do candidato e que o preparam mais para o “como dizer” do que para o “que dizer”. Ficamos nós, meros eleitores, assistindo a uma série de técnicas que são utilizadas ou não pelos candidatos, e que nem sempre nos permitem avaliar o conteúdo de suas propostas. Vários candidatos que não possuem propostas consistentes podem “ganhar” um debate aos olhos dos analistas, pela forma com que se postou em frente às câmeras de televisão.
Tenho muitos amigos que são profissionais e da melhor qualidade que cuidam da imagem de um candidato e peço escusas a eles por colocar esses aspectos em discussão neste espaço, mas não posso deixar de falar sobre essa nova formar de persuadir o eleitor. Não sou contrário ao preparo de imagem de um candidato, creio ser importante que o candidato tenha um visual confiável e tecnicamente adequado para aparecer na televisão, mas não posso concordar que essa imagem seja mais importante do que o conteúdo que esse candidato tenha. Não sou ingênuo para não acreditar que a imagem não influencia na hora do voto, mas será que essa influência é positiva para o crescimento da democracia ou para a melhoria das condições de vida de uma sociedade? Essa dúvida (para mim uma terrível certeza) faz com que cada vez mais eu tenha a certeza de que a população precisa saber mais ouvir do que ver o candidato. Aprender a diferenciá-lo pelo que “ele diz e pensa” e não pelo como ele “diz que pensa”.
Não existem vencedores em debates. Cada aliado acredita que seu candidato foi o melhor, pois ai vai falar o emocional e não a razão. Na verdade, penso que só existe de fato um perdedor, que é o cidadão, que acaba privado de conhecer o conteúdo dos candidatos pois o que conta para os profissionais de eleição, é a imagem que esse candidato vai passar para o público. Uma pena, pois a máxima romana de que: “A mulher de Cesar não precisa ser honesta e sim parecer honesta” é praticado como uma estratégia de engodo ao eleitor.
Sou um otimista, já falei isso aqui, portanto, acredito que a sociedade vai evoluir e exigir que os candidatos tenham mais conteúdo, mais propostas, mais afirmações estratégicas de como conduzir uma cidade e os destinos de sua população. Oxalá isso não demore a acontecer e seja eu brindado em poder assistir a isso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…