terça-feira, 15 de março de 2016

A arte de Crescer: como educar a geração T


Esse é um texto escrito por mim e pela pedagoga Kelli Mattes, falando sobre a educação de crianças na sociedade contemporânea, os desafios, as características e todo o processo que envolve conviver com a geração que chamamos de "Geração T". Esperamos que o texto contribua com educadores e pai, no difícil processo de educar nossas crianças!!!

            "A sociedade contemporânea, sua velocidade e suas inúmeras formas de informação, trouxeram para o mundo uma gama de fenômenos espetaculares, tanto na área da comunicação, como na conduta de cada um de nós. Com a tecnologia que temos hoje disponível em casa, muitas situações que antes só existiam nos mais inusitados filmes de ficção científica, ficaram acessíveis para o dia a dia de nossa família. Temos à disposição diversos equipamentos eletrônicos que facilitam a nossa vida. A internet propiciou uma comunicação quase que instantânea com o mundo e isso alterou a dinâmica das famílias e não somente de forma saudável.

            O acesso à tecnologia, que deveria facilitar procedimentos, oportunizar acesso ao lazer, a aproximação das pessoas, está gradativamente escravizando-as. Perdemos qualidade de vida no momento em que permanecemos conectados ao trabalho, mesmo após o encerramento do expediente. Perdemos qualidade de vida quando deixamos de olhar no olho do outro e partilhar momentos. Perdemos qualidade de vida quando ficamos conectados a máquinas feito peças, como a personagem retratada por Chaplin no filme “Tempos Modernos”.
           
            Nossa sociedade fez com as pessoas trabalhassem mais tempo do que antes e estivessem mais disponíveis às empresas (mesmo com as leis trabalhistas brasileiras, que permitem uma regulamentação de horário), deixando de dedicar mais tempo para as atividades domésticas e o convívio familiar.

            Como se não bastasse o tempo reduzido,  a presença física não garante mais o contato e a interação familiar. Se outrora as famílias reuniam-se para contar causos e compartilhar experiências, na atualidade, muitas vezes mal conversam entre si. Há muito que fazer: jornadas duplas, até triplas, somam aos compromissos profissionais, a responsabilidade das lidas domésticas. E numa sociedade de famílias que mal conversam, uma seleta oferta tecnológica de lazer, fez com que acabássemos formando uma geração de “autistas digitais”, fechados em seu mundo, que didaticamente chamaremos de geração T – de tecnologia e de tédio.

            Nossas crianças e jovens conversam muito entre si, verdade, mas via computador. Se deixássemos, levariam seus celulares para a escola e  optariam por conversar com os amigos virtuais, ao invés dos colegas de escola. Quando saem com os amigos, usam o mesmo celular, para registrar cada momento, ao invés de vivenciá-lo. E para completar, acabam estranhamente conversando com os colegas de escola, que fisicamente são ignorados. Um paradoxo que vivemos e que traz consequências muito fortes na relação de convivência e aprendizagem dessa geração.

            Nas relações virtuais, eu posso ser quem eu desejar e vestir as máscaras que me forem mais convenientes. E isso, além de colocar as pessoas em risco, visto que muitas vezes não tem noção de quem é a pessoa com a qual verdadeiramente estão se relacionando, acaba por privá-las da real convivência. Inevitavelmente, faz com que percam as oportunidades de ensaiar momentos de frustração e divergência, que se multiplicarão na vida adulta.

            A geração T não está sendo ensinada a desenvolver a criatividade, porque os brinquedos chegam prontos e brincam até sozinhos. Não há porque construir uma estrada na areia, porque uma pista muito mais bonita do que a criança criaria está à disposição nas lojas. Não há porque inventar conversas entre bonecas, nem criar roupas, porque as bonecas falam, andam e tem uma gama de vestimentas a preços acessíveis.

            E tudo passou a ser arriscado: é melhor não subir na árvore para não correr o risco de cair; é melhor não jogar bola para não levar uma bolada; é melhor elogiar demasiadamente para evitar a frustração.

            Só que a vida é repleta de frustrações e o mundo não é virtual. Pense:
            - Quantas vezes na vida adulta você teve que mentalmente escalar árvores para resolver problemas?
            -Quantas vezes na vida adulta você teve que ensaiar um pulo instantâneo de corda para evitar uma puxada de tapete?
            - Quantas vezes na vida adulta você teve que construir estradas para encontrar novos caminhos?
            -Quantas vezes você teve que repetir uma mesma ação, colecionando derrotas, até que pudesse atingir a maestria?

            O que mais nos chama a atenção na atualidade, é a constatação de que a geração T não suporta e não sabe lidar com as contrariedades da vida. Não luta e nem sequer se esforça em resolver situações mais complexas. Não tem paciência para procurar algo em casa, sendo que muitas vezes está a sua frente.

            A geração T é extremamente inteligente, mas, em contrapartida, ansiosa, impaciente e entediada. O acesso às coisas é tão rápido, que elas perdem a graça tão rápido, quanto chegam. Não estão aprendendo a gerenciar suas emoções de forma saudável e precisam ser estimuladas a desenvolver esta habilidade.

            Uma bola e uma boneca eram muitas vezes o único brinquedo que um menino e uma menina da nossa geração recebiam em um ano e eram fonte de meses de alegria. As crianças e adolescentes dessa geração não se satisfazem com uma lista de presentes. Se entediam facilmente. Não que não sentíssemos tédio. Fazíamos “sala” para as visitas, visitávamos a vizinha fofoqueira e éramos ensinados a respeitar a tia que aparentemente pegava no nosso pé. Recebíamos lições de tolerância e gentileza. E encontrávamos uma alternativa para nos divertir, mesmo frente a situações adversas. A geração T prefere não ter ou não fazer algo, a divertir-se com algo que não esteja totalmente perfeito e a sua completa disposição.

             Mas estamos longe de ser contrários à tecnologia e à inovação. O desafio está em tornar seu uso demasiado. A proibição de acesso a TV, games ou internet, bem como a tentativa de negar a realidade de sua predominância, como família ou escola, de nada adiantarão. O que precisamos é nos adequar a esse “novo mundo”. A tecnologia pode ser sadia, desde que dosada com outras experiências e utilizada de forma consciente, com verificação de fontes de informações e proteção da privacidade.

            O excesso de liberdade e de oferta tecnológica está resultando numa geração acomodada no isolamento, geniosa, desejando vivenciar no cotidiano o mesmo '‘boom’' reprisado nos meios de comunicação. As relações estão se tornando tanto “fast”, quanto todos os “fast foods” que elas já visitaram. Elas estão se tornando tão emocionalmente frágeis e vazias, quanto um computador offline. E resultando em pais e professores questionando-se “onde foi que erraram”, visto que oportunizaram o acesso a tudo que não tiveram em sua infância limitada e educação retrógrada. Os filhos, em contrapartida, disseminam o descontentamento pela incapacidade dos pais em atenderem totalmente suas expectativas, uma compensação pela falta de tempo, que não tem compensação.

            Após tantas reflexões, fica um questionamento:

            E se não ensinarmos nossos filhos a arte de crescer, quem ensinará?
           
            A vida. E provavelmente, de forma muito dura.
           
            Comece agora: desconecte-se do mundo e conecte-se a sua família."

Nenhum comentário:

Parada!!!

Amigos do blog..devidos a questões pessoais, vou dar uma parada nas postagens aqui da página...quem sabe eu volte a escrever em breve!!!