Pular para o conteúdo principal

A materialização da Emoção!!!

Quando eu era criança, cansei de ouvir de meu pai histórias sobre um futebol que eu nunca tinha visto, mas que através da narrativa apaixonada do velho, passei a nutrir o mesmo sentimento de paixão. Ontem, eu estava em meu trabalho, não pude assistir ao vivo a partida entre Barcelona x PSG e também me recusei a ouvir qualquer narração ou comentário a respeito da partida. 

Ao chegar em casa eu fui buscar assistir ao espetáculo (sem saber o resultado, obviamente), queria apenas curtir aquele esporte que tantas conversas maravilhosas renderam junto ao meu pai. Mas confesso que não estava preparado para o que assisti, parecia a materialização das conversas que tinha com meu querido pai, aliás, como eu gostaria que o velho Magno estivesse ao meu lado para assistir uma de suas histórias.

O Barcelona  precisava virar um 4x0 em 90 minutos no seu estádio. Só esse enredo já seria suficiente para deixar qualquer um vidrado nesse que era decantado como o jogo do ano, até então. O time catalão empurrando por sua gigantesca torcida, sai na frente logo aos 2 minutos de jogo com Luis Suarez, sendo Luis Suarez (uma disputa de bola pelo alto com a zaga francesa, que foi incapaz de segurar o furioso uruguaio). 

Fé no Camp Nou!!!

Ainda na primeira etapa, Iniesta fez uma jogada de puro talento e contou com as bençãos dos Deuses do futebol, para ampliar o placar para 2 x 0 (o zagueiro francês, atabalhoadamente, fez contra). Aquilo que havia sido planejado pela equipe espanhola começava a se materializar, dois gols ainda no primeiro tempo.

Esperança no Camp Nou!!!

Veio a segunda etapa e com ela algo que confesso não ter talento suficiente para descrever, mas que buscarei chegar o mais próximo possível da realidade (se é que aquilo tudo foi real). Neymar entrou pela esquerda, o zagueiro não aguenta acompanhar e cai, o brasileiro deixa o corpo cair por cima do desfalecido zagueiro parisiense. Pênalti! Um calafrio tomou conta das arquibancadas. Messi assume a responsabilidade e manda uma "pedrada" para as redes francesas. 3 x 0!

Euforia no Camp Nou!!!

Quando tudo caminhava para um desfecho favorável ao Barcelona (mais um gol e o jogo iria para as penalidades). Surge um outro uruguaio, tão goleador quanto o uruguaio do Barça, Cavani aproveita um vacilo da defesa e marca o gol do PSG. Gol este que todos no mundo e não somente no estádio, acreditavam ser o da classificação francesa (os espanhóis teriam pouco mais de meia hora para fazerem 3 gols, não havia mais a disputa por pênaltis).

Silêncio no Camp Nou!!!

Ai começa o que Nelson Rodrigues chamaria de "Sobrenatural de Almeida", que meu pai diria que era mais uma das maravilhas que ele viu do Santos de Pelé ou do Real Madrid de Di Stefano, algo que a literatura teria dificuldade para produzir algo com tanta carga emocional. Começa a surgir uma das mais épicas histórias desse espetáculo que é o futebol.

Faltando pouco tempo para o final do jogo, Neymar (com toda a certeza incorporado da magia dos gigantes do futebol) cobrou uma falta com tanta perfeição, que seria necessário ao goleiro francês ter asas para ir buscar a bola, como não as tem, coube à ele ver a bola entrar em sua meta, como um jato, o voo de um pássaro. 4 x 1 Resultado que valia pela honra catalã, mas que não servia para a classificação.

Aplausos no Camp Nou!!!

O resultado do jogo já mostrava que o que aconteceu em Paris no jogo de ida foi uma casualidade, a diferença entre as equipes era pequena demais para uma vantagem tão grande do PSG. Todos pareciam conformados, jogadores, torcedores, imprensa. Todos,, menos Neymar. O Brasileiro chamou pra si a responsabilidade do jogo e da classificação, passou a infernizar ainda mais a atordoada defesa do PSG. Mas foi Suarez, em um lance cavado na área, que sofreu a segunda penalidade do jogo. Tensão no estádio, caberia ao craque do time, Lionel Messi, a responsabilidade de trazer de volta um sopro de esperança para os catalães.

Mais ai prevaleceu a grandeza e o sangue frio de Neymar. Como um maduro jogador que é, chamou a responsabilidade da cobrança, tirou a bola de Messi e marcou mais um gol na partida, com uma frieza e categoria que impressionam até agora, um dia após o jogo. 5 x 1.. E agora? haveria tempo de marcar mais um gol faltando poucos minutos para acabar a peleja?

Tensão no Camp Nou!!!

Ah meu pai, o senhor deveria estar aqui para contar viver essa história para os seu neto e futuros bisnetos. Pois o que o mundo assistiu, pai, foi mais um lance de enorme precisão e genialidade de um jogador que começa a mudar de patamar na carreira, que começa a sair da condição de craque para a de Herói. Pressão total do Barcelona, todo o PSG na sua área se defendendo (até o goleiro da equipe catalã estava na área do adversário. Desespero puro. Final arrepiante. Eis que com uma calma absurda, consegue cortar a defesa francesa e encontrar Sergi Roberto livre na cara do goleiro, para marcar aquele que será para  eternidade, como o gol do "Milagre". 6 x 1...

Êxtase no Camp Nou!!!

Pai...a partir de ontem eu vi como o senhor tinha razão. esse tal de futebol é apaixonante, inacreditável, imprevisível. Confesso que sempre achei que o senhor exagerava um pouco nas suas histórias, que colocava uma pitada a mais de emoção apenas para a que a suas histórias tivessem uma dramaticidade maior. Ontem eu pude constatar que uma história pode ser contada com emoção sem precisar de retoques, a própria realidade se encarrega disso. Ontem eu vi a história sendo escrita. Pude ver o nascimento de um Herói e a transição de um reinado.

Pai...ontem eu pude constatar a "Materialização da Emoção"!!!




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…