Pular para o conteúdo principal

Indignação

Recebi um e-mail do leitor do blog e amigo, Odilon Cunha, fazendo um verdadeiro desabafo sobre a atual conjuntura política do País...

Achei interessante compartilhar com todos:

"GOVERNABILIDADE... O que é isso?

Eu sempre achei que governabilidade fosse um sinônimo de seriedade, de transparência, de compromisso com a sociedade e de um enorme grau de responsabilidade com a coisa pública.

Não consigo conceber governabilidade como sinônima de safadeza, de acordos escusos, para poder preservar políticos que não respeitam seus eleitores nem os desígnios democráticos de nosso País. Minha indignação vem à tona em meio esse enorme processo de escárnio e de vergonha pelo qual passa a nossa Republica, seja no senado ou no governo federal.

Um País em que “Atos Secretos” são considerados normais, em que “mensalão” é considerado prática de governo e onde as autoridades são omissas ou coniventes, não podemos ficar conformados, ficar quietos!

A sociedade não suporta mais tanta impunidade, tanta corrupção e nenhum respeito com nada que tenha ligação com honestidade e seriedade!

Não posso ser ingênuo de acreditar que ninguém no Palácio do Planalto ou no Senado Federal soubesse de nada, que tudo aconteceu por responsabilidade de funcionários da casa.

Tudo que aconteceu durante todos esses anos, nada mais é, do que, um reflexo da maneira absurda com que nossos representantes são eleitos e como os mesmos utilizam de seus mandatos.

Sei que safadeza não está relacionada diretamente com o sistema político, mas que a forma como está constituído nosso sistema político, muitos conseguem burlar leis, criar “teias” de corrupção tão bem elaboradas, que fica difícil para ser investigada ou para que possa ser desbaratada.

A imprensa vem fazendo sua parte, mesmo sabendo que muitos órgãos de imprensa ainda estão a serviço dos poderosos, mas muitos jornalistas sérios ocupam o papel de denunciantes e de apontadores das mazelas de nossos dirigentes, mesmo aqueles que, usam a imprensa para chegar ao poder, esses estão aos poucos sendo desmascarados pela opinião pública.

Mas somente isso não basta, é preciso que toda a sociedade organizada se levante, não aquelas entidades que estão servindo como “aparelho” para partidos políticos, falo das sérias entidades de nossa sociedade, falo de cada um de nós, usando de todos os meios possíveis para combater aqueles que não sabem representar seus eleitores, que não honram o mandato ao qual foram escolhidos. Somente com muita organização, com muita manifestação.

Poderemos dar um basta em todo esse “mar de lama” que envolve a política brasileira.
Peço desculpas pelo meu desabafo, mas minha indignação é compartilhada por muitos, mas que talvez não tenham a oportunidade de expressar isso tudo.

Vou continuar “gritando” contra todas essas safadezas que assolam nossa política, seja no âmbito federal, estadual ou municipal!"

Comentários

Antonio Pedro disse…
Thomaz
Concordo com o texto, acho que o caminho é esse, temos que reclamar, fiscalizar e tomar as redeas do País!
Abraços
Luciano Araujo disse…
Thomaz
Li o texto, creio que não se pode pensar em outra maneira de contribuir com a melhoria do País, se não for participando ativamente de tudo o que acontece em nossa volta. Não podemos deixar que somente os políticos definam nosso futuro.
Thomaz Campos disse…
Antonio...

Também concordo...

Abração!!!
Thomaz Campos disse…
Luciano...

Você tem razão, se não fizermos nada, a coisa vai continuar do jeito que está!!!

Abração!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…