Pular para o conteúdo principal

Minha coluna na Gazeta24horas


Um projeto de Gestão

Nesse período de campanha eleitoral é muito comum ouvimos falar sobre “Plano de Governo”, propostas, o que o candidato vai fazer, caso eleito, para resolver os problemas na educação, saúde, segurança, habitação coisas desse tipo. Uma palavra que virou “moda” na política brasileira foi o tal “Choque de Gestão”, uma palavra de forte impacto de propaganda, mas que se não for efetivada de maneira correta, perde totalmente a sua eficácia. Na verdade, alguns utilizam as mesmas propostas em várias eleições. São poucos os candidatos que apresentam um projeto de gestão voltado a atender os verdadeiros anseios de uma sociedade, deixando uma enorme sensação de frustação na população que o elegeu.
Um projeto de gestão significa pensar a administração como um processo de constante trabalho e de constante transformação em prol de um crescimento da qualidade de vida da sociedade no qual esse projeto estiver inserido. Na prática significa que todo bom gestor deve aproveitar as ações positivas de seu antecessor e buscar levar adiante essas melhorias, utilizando de recursos e condições já existentes na gestão. O bom gestor não precisa “inventar a roda”, na verdade, ele deve fazer com que essa “roda” ande.
ou usar um exemplo real do que estou falando. Estive durante esse final de semana na cidade de Cornélio Procópio, no norte do Paraná. Fui a convite de uma organização local que atua na área de prevenção e combate as drogas para fazer um trabalho de analise dessa problemática na cidade. Obviamente, fui conhecer a cidade, suas características, como ela funciona e quais são os problemas que podem contribuir para que a situação do tráfico na bela cidade do norte do Estado. Nesse trabalho e nesse reconhecimento, fui me deparando com um grave problema de gestão no município. Vi uma cidade com sérios problemas de infraestrutura, com buracos nas principais vias de acesso, com uma vocação muito grande para o comercio, mas sem nenhum tipo de ação pratica da gestão municipal para que possa ser viabilizado esse potencial. Vi estruturas que foram construídas em gestões anteriores e que hoje se encontram em completo abandono, o que é lamentável, pois se existisse um projeto de gestão, com certeza, essas estruturas estariam sendo utilizadas pela atual administração municipal.
Não quero aqui fazer nenhum julgamento político sobre a gestão municipal de Cornélio Procópio, nem tampouco, fazer uma critica vazia ao atual gestor. Apenas quero explicitar a minha preocupação com relação à importância de uma proposta de governo bem definida e eficaz, para que um gestor possa por em prática aquilo que ele entenda ser o melhor para a população do local onde ele administra, seja uma cidade, um Estado ou um País. Um projeto de gestão pode e deve ser a principal ferramenta de um gestor para conduzir as propostas que ele defendeu em sua campanha, não adianta apenas falar bonito, ter a melhor equipe de campanha ou ter dinheiro suficiente para colocar um bom numero de cabos eleitorais nas ruas. É preciso que o político brasileiro comece a dar mais importância para qual será o projeto que norteará a sua administração e a população por sua vez, deve ficar mais atenta a isso, conhecer qual o projeto do candidato, verificar a viabilidade prática desse projeto e também sentir a confiança necessária de que esse projeto será cumprido pelo candidato caso seja eleito.
Mas vale lembrar-se do inicio de nossa conversa, quando falei que todo candidato promete resolver os problemas de educação, saúde, segurança, etc. Isso é muito fácil de dizer, mas o leitor deve ficar atento para saber se de fato essas propostas podem ser executadas. Somente o eleitor pode fiscalizar se um projeto de gestão pode ser algo sério e que traga uma transformação qualitativa para o local onde será implantado. Mais uma vez insisto: cidadão, você é o maior responsável pelos destinos de sua comunidade, vote bem!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…