Pular para o conteúdo principal

Minha coluna na Gazeta24Horas

A cegueira da visão

Muitas vezes tenho me questionado sobre a necessidade de se fazer uma campanha política, ou melhor, na sua eficácia enquanto plano de ação que possui como objetivo eleger um candidato ou estabelecer a hegemonia de um determinado grupo político. Muitos poderão dizer que começo a delirar em meus devaneios políticos-filosóficos o que de certa forma tem um fundo de razão, mas vejo esse nosso processo de campanha eleitoral como um grande circo, onde o picadeiro é a cidade e os espectadores são os cidadãos que nela vivem. Cada apresentação desse grande circo requer uma engenharia muito grande, onde grande parte da ações deveria passar por planejamentos, logística, ações coordenadas, etc, etc.
Isso parece muito obvio até para um leigo nesse tipo de atividade, porém, olhando para a realidade de algumas campanhas, o que constatamos é que uma enorme parcela delas e algumas de cidades de grande porte, ainda são feitas de maneira intuitiva, quase como uma grande “bola de neve” que vai sendo rolada ladeira a baixo e que não apresenta nenhum tipo de orientação em seu trajeto e que vai levando tudo que encontra pela frente. Esse tipo de campanha na grande maioria das vezes, nos dias de hoje, está fadada ao fracasso, pois sem organização e sem uma estratégia muito bem elaborada e uma tática quase militar a ser seguida não se consegue chegar a um objetivo de sucesso.
Mas de onde tirei tais conclusões? Bom, já trabalhei durante muitos anos com campanhas eleitorais, desde as funções mais básicas, até aquelas de inteligência de campanha. Vi e ouvi muita coisa e presenciei outras tantas e sempre que posso procuro observar os fatos e acontecimentos que envolvem um processo como esse. Como disse uma vez uma querida amiga especialista em comunicação: “Todas as campanhas acabam sendo iguais, o que muda e varia é o tamanho de cada uma delas”, pois bem, acrescentaria que nos dias atuais a grande diferença entre elas está em seu processo de organização.
Não se pode mais pensar em fazer uma campanha eleitoral sem levar em consideração fatores que são de extrema importância para o sucesso da empreitada e dentre eles eu destaco a criação de uma estratégia de atuação, onde baseado em pesquisas e monitoramentos diários, é possível vocêdiagnosticar a realidade e começar a trabalhar em cima dos indicadores que aparecem nesses diagnósticos. Mas para que você profissionalize de fato uma campanha eleitoral, também é importante que suas ações partam de um núcleo de inteligência composto por poucas e estratégicas pessoas que farão a leitura de cada cenário e ficarão responsáveis em formulas as ações necessárias para que a campanha tome os rumos necessários para atingir o seu sucesso.
Um dos grandes problemas de campanhas amadoras é que elas funcionam de uma forma muito instintiva, onde várias pessoas (algumas até de boa fé) se metem a realizar ações descoordenadas da estratégia central (quando ela existe) e acabam fazendo as coisas da forma com que acham mais conveniente, apelando muitas vezes para uma cultura de que já conhece como pensam as pessoas do lugar, o que eu chamo de “Cegueira da Visão” (com todo respeito ao eterno Raul Seixas). Você realizar uma ação que deve ser extremamente pensada, estudada, de uma forma instintiva e sem comando, significa não reconhecer a existência de um cérebro gestor do processo, significa não trabalhar em sintonia com aquilo que deveria ser o elemento norteador de todas as ações de trabalho. Ser amador em campanha eleitoral, nos dias de hoje, significa arriscar a gastar uma fortuna em recursos materiais, financeiros e de pessoal, que poderá se tornar determinante para que a empreitada seja mal sucedida.
Não sou e não quero ser dono de nenhuma verdade, mas minha sugestão é essa: se você tem interesse em realizar uma campanha eleitoral, saiba fazer isso de uma forma profissional. Não confie somente nos seus instintos, não deixe que pessoas ajam de forma pessoal no processo. Tenha um núcleo de inteligência de campanha que pense e execute as ações estratégicas e táticas. E, acima de tudo, seja honesto o suficiente para entender que uma campanha não se faz apenas com muito dinheiro, um rostinho bonito e boas intenções. É preciso ser profissional.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…