Pular para o conteúdo principal

Black Blocs....Revolucionários ou Baderneiros???


Muito se tem falado ultimamente sobre as ações dos chamados Black Blocs nas manifestações de rua que voltaram a ocorrer com mais frequência desde junho do ano passado. Pois bem, eu sempre acreditei que as manifestações populares precisariam de lideranças para que pudessem ter legitimidade e que, os protestos ocorridos durante o junho de 2013 não passavam de um amontoados de jovens da classe média que sem ter o que aspirar ou questionar, resolveram ir para as ruas extravasar as suas angústias.

Mas ao analisar melhor essas manifestações, começo a perceber que existe muito mais que simples jovens sem perspectivas, existe sim, uma juventude que compreendeu que não dá mais para ficar sentado na frente do vídeo game esperando que as coisas aconteçam. Esses jovens perceberam que era necessário que eles fossem para as ruas, exigir os seus direitos.

E é neste ponto que surge a grande indagação do título dessa postagem: Seriam os black blocs revolucionários ou baderneiros? Em primeiro lugar, não acho justo que se utilize uma nomenclatura para identificar os jovens que participam desse processo, eles são bem mais do que jovens de roupa preta, existe por trás disso uma forte corrente de pensamento ideológico, do qual, posso concordar ou não, é legitimo e deve ser levado a sério. Sei que em um ano eleitoral, tanto governo quanto oposição, tentarão usar as manifestações como objeto de campanha. Sinceramente, espero que não consigam, pois o que estes jovens estão buscando fazer é muito importante para o processo de participação política da sociedade e não deve ser desvirtuada por nenhum grupo da política tradicional.

Ainda não estou bem convencido da necessidade desses jovens em esconder o rosto, sou de um tempo em que fazíamos manifestações de rua de cara limpa e íamos para o enfrentamento com as forças de repressão sem esconder o rosto. Mas os tempos são outros, conversando com jovens que participam desse movimento, fui esclarecido que isso se dá em função da proteção de alguns deles contra as represálias que sofrem por parte de setores que estão incomodados com esse movimento.

Busquei ir na maioria das manifestações e puder ver a vontade dessa juventude em dizer o que pensa, sem intermediários. Não concordo com os excessos, mas sou plenamente favorável ao direito à manifestação e digo mais, se está incomodando, é porque está no caminho certo.

Como diriam os mais antigos: A Luta Continua!!!

Comentários

Edward newgate disse…
forte corrente de pensamento ideológico?cujo nenhum deles entra em um consenso nossa que pensamento forte :(, difícil levar a sério quando não buscam convencer mais ninguém que já não faça parte do 'movimento' com mais do que ofensas,pra usar como campanha não precisam dizer que faziam parte é só dizer que ele é a mudança que estão procurando (que falta de criatividade),vontade de dizer o que pensa? do que adianta sem sensatez e sem resultado devido a falta de sensatez?,Sem intermediários para pensar??? engraçado todos só agem como agem pelo que é dito em comunidades online ou em discussões vazias que parecem mais discussões dobre novelas ou dos livros do dawn brown,quanto as mascaras é no fundo só uma forma de ser supostamente estiloso ,já que não a dificuldade nenhuma de descobrir quem são absolutamente todos em protestos,em menos de 2 semanas isso é possível de realizar,eles estão em uma 'luta'e não sabem o que e estão em uma "ideia anonymous" que não sabem descrever então fica mais fácil chamar de "ideia" ,simplesmente porque é bonito,(se me mandar o vídeo "a ideia anonymous" estará perdendo tempo este é um vídeo de motivação e não uma ideia de ação prática);isso tudo só pra começar.

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…