Pular para o conteúdo principal

A importância da terceira via...


A cada dia que passa torna-se visível a polarização nas eleições para o governo do Paraná, a disputa fica a cada dia mais acirrada entre o governador Beto Richa (PSDB) e a senadora Gleisi Hoffmann (PT), com trocas de farpas e com articulações que envolvem a utilização de blogueiros, articulistas e fakes. Essa disputa reflete aquilo que no âmbito nacional, também se desenha entre a presidente petista Dilma Rouseff e o senador tucano Aécio Neves.

Mas vamos nos ater a situação daqui da terrinha,  não vejo essa polarização como saudável para a democracia. A falta de opção para o eleitor é algo que não acrescenta nada de positivo para um processo democrático de qualidade, mesmo sabendo que teremos algumas candidaturas de pequenos partidos, alguns sectários demais outros apenas para conseguir algum tipo de visibilidade perante o eleitor paranaense. Nas articulações que envolvem esse processo todo, vejo o PMDB como o grande fiel da balança, o partido que pode contribuir de alguma forma, para que o disputa se torne mais legitima.

O partido no Paraná está em uma disputa interna visceral e explicita pelo controle da legenda, de um lado o ex-governador Orlando Pessutti e as bancadas estadual e federal, do outro, o senador Roberto Requião e alguns aliados. A tendência dos deputados do partido é uma aliança com o governador Beto Richa, já o senador Roberto Requião defende a candidatura própria da legenda.

Não sou do PMDB e também não tenho nenhum compromisso com qualquer um dos lados envolvidos na disputa para o governo do estado, por isso me sinto a vontade para defender a candidatura do senador Roberto Requião ao governo do Estado. sei que ele não é nenhum ator novo no processo, já possui um eleitorado mais do que consistente e um discurso que é bem conhecido dos paranaenses, mas o fato é que, a sua candidatura representaria um fato político importante nesse processo eleitoral que caminha para se tornar um referendo a atual governo e isso não é bom para a democracia.

Enquanto puder, defenderei a candidatura Requião, não quer dizer que ele seja,  já de cara,  a minha opção ao governo, mas a sua candidatura é de extrema importância para que o jogo democrático possa ser jogado de forma mais aberta e cara para o eleitor. O paranaense precisa de uma terceira via e essa via consistente, é a candidatura Requião.

Muito amigos meus talvez não compreendam essa minha posição, não estou fazendo isso como objeto de propaganda para o senador Requião, a minha preocupação é com a forma que está tomando esse processo para o governo do Estado. tanto Beto, quanto Gleisi, precisam de uma candidatura que possa questiona-los, que o debate possa ser ampliado. Onde as discussões não fiquem restritas aos "avanços" do governo Estadual ou Federal.

Requião acrescentaria um "tempero" a mais nesse processo, ele tem toda as características de um candidato que possa influenciar uma parcela importante da sociedade e isso tem que ser oferecido como opção ao eleitor paranaense. espero, sinceramente, que o senador Requião consiga sair candidato ao governo nesse ano, mesmo acreditando que essa possibilidade seja cada vez mais remota, gostaria muito de ver Requião na disputa.

Comentários

Anônimo disse…
Odeio Roberto Requião, mas entendo seu ponto de vista. Concordo com vc.
Anônimo disse…
Requião é também "terceira via nacional", caso os partidos se acordem e lancem candidaturas próprias para todos os cargos do Excecutivo"; Eu, como PTBista e Paulista que sou, quero recomendá-lo à próxima convenção, à Presidência da República " - "Como a terceira via - A via da Soberania Nacional";
Thomaz Campos disse…
Meu caro Anônimo...

Não se no campo federal ele tenha chance de emplacar uma candidatura, mas seria bem interessante também...

Boa sorte em sua convenção!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…