Pular para o conteúdo principal

D. Marisa e as Feministas


Assistindo ao depoimento do ex-presidente Lula ao juiz Sérgio Moro, dentre várias coisas, me chamou atenção como foi descrito pelo depoente a personalidade e o papel de destaque na tomada de decisões do casal, por parte de sua falecida esposa, D.Marisa Letícia. Lula descreveu sua falecida companheira como uma mulher de decisão forte e firme, capaz de fazer coisas que nem mesmo o próprio marido sabia. Tinha poder de "vida e morte" dentro da relação do casal.
Mas o que lembramos da ex-primeira Dama? Ainda é clara em nossa mente o perfil de mulher submissa, de mulher apagada ao lado da figura excepcionalmente carismática do marido. Nos 8 anos como primeira-dama do Brasil, Marisa Letícia não participou ativamente de nenhum projeto, não foi chamada para nenhum evento solo, onde fosse a protagonista. Viveu o mandato inteiro sendo sombra do marido. Engolia as escapadas conjugais do marido, inclusive aquela com Rose, que o Brasil todo tomou conhecimento.
Lula, que já provou ser um "machista de carteirinha" (lembram da pérola: “mulheres de grelo duro”?), tinha em sua “galega” (como ele mesmo a chamava) uma companheira disposta a aceitar tudo. Estava claro quem mandava na relação. No entanto, Marisa se revela, após sua morte obviamente, nos depoimentos de Lula ao juiz Sergio Moro, a cabeça de tudo, aquela que tomava decisões importantes como a compra de uma cobertura tríplex em frente à praia, sem conhecimento do maridão. Duro de engolir, não é?
Querem me fazer acreditar que, Marisa Letícia, submissa, apagada, sabia de tudo que seu marido não sabia sobre o destino do dinheiro do casal? Chega a fazer inveja ao mais expoente dos surrealistas. Querer acreditar que D.Marisa era a "Comandante em Chefe" da família, é como acreditar em gnomos e duendes (olha que até nisso eu posso acreditar)
É muito cinismo (me perdoem os cães), e no caso de Lula, tem um agravante terrível, sua mulher está morta! Colocar a culpa na esposa falecida é de uma pequenez absurda, e o fato de não despertar a revolta das feministas deixa claro o viés ideológico desse movimento, que não tem mais nada a ver com as mulheres, e tudo a ver com o esquerdismo (queridas mulheres, enxerguem isso)
Que bandidos acuados pela Justiça mintam para tentar se safar, isso é natural. Mas até entre bandidos existe ética e moral. Sabem os cavaleiros medievais? Pois bem, mesmo em uma época acusada pelas feministas de ser totalmente machista, paternalista e até misógina, jamais cometeriam um ato como este de Lula. Esses Cavaleiros seriam capazes de morrer pela honra de suas esposas, famílias, nomes. 
Lula, o guru das feministas, não se importa de jogar o nome de sua mulher na lama, para não ir preso. Um covarde!
Entendem agora o mal que o movimento feminista fez às mulheres? Em 1912, quando afundou o "Titanic", mais de 80% dos sobreviventes eram mulheres e crianças. Muitos homens, segundo relato de sobreviventes, ficaram acenando para suas companheiras, enquanto sacrificavam a vida por elas em pleno Atlântico Norte. Anos depois, na desada de 1980, já sobre a influência do movimento feminista, em um navio que afundou no mediterrâneo, quase todos os sobreviventes foram de homens e jovens, que utilizaram da força física para se salvar, inclusive, pisoteando mulheres e crianças!!!
Lula não se importou em pisotear sua mulher no tumulo, manchando a única coisa que, ao meu ver, importa para um ser humano: A sua Honra e o seu Nome!!! Transferir para a esposa falecida as responsabilidades que são suas, não é digno de um Homem (sim com "H" maiúsculo), chega a ser indecente, asqueroso. Onde está aquela história de "Mexeu com uma, mexeu com todas?" Se isso não fosse uma falácia esquerdista, todas as mulheres deveriam se indignar com o que Lula fez em seu depoimento do dia 10/05.

Espero que as mulheres se indignem com atitudes como essas e parem de seguir e admirar covardes como o ex-presidente Lula!!! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…