Pular para o conteúdo principal

Homenagem à John Cazale

Os meus amigos sabem o quanto eu "idolatro" a saga "O Poderoso Chefão" , o primeiro filme eu já assisti mais de 80 vezes (devo uma sessão com o amigo Caho Lopes), pois bem,  neste ano de celebração dos 45 anos de exibição da primeira, das três obras primas de Coppola, eu quero aproveita ara fazer uma homenagem ao grande John Cazale, um dos maiores atores de sua geração e que teve uma vida breve, porém, cheia de intensidade.

 O “Poderoso Chefão” foi seu primeiro filme. E, no total, ele só teve tempo de aparecer em cinco filmes. Morreu cedo,  em 1978, com apenas 42 anos.

Interpretando a personagem  Fredo, o irmão idiota e desprezado pelos Corleone, Cazale protagonizou algumas das cenas mais clássicas do filme. Por exemplo, quando Michael (Al Pacino) ensina a Fredo o lugar dele ao lado da família, depois do irmão tomar partido de Moe Green, o dono de cassinos que o havia empregado. 

A cena final de Fredo no segundo filme é um dos momentos mais marcantes da história do cinema (assistam, vale a pena).

Fora os dois primeiros filmes da saga dos Corleone, Cazale participou , também ao lado de Pacino, em “Um dia de cão”, de Sidney Lumet. Fez ainda outro filme com Coppola, “A conversação”. E, já doente, fez “O Franco Atirador”. Neste último filme, Cazale já se encontrava debilitado pelo câncer ósseo, que acabou levando o ator à morte.

Cazale possuía uma interpretação extremamente marcante e, ao mesmo tempo, com toques de doçura e leveza que fizeram dele um dos maiores atores que Hollywood produziu na década de 1970. Deixou uma bela carreira e cinco grandes filmes. Todos são grandes obras do cinema. Todos os filmes interpretados por Cazale concorreram ao Oscar de melhor filme.

Quantos atores fizeram cinco obras-primas em sua carreira?

Comentários

Caho Lopes disse…
Ótimo texto, meu amigo! Forte abraço!
Thomaz Campos disse…
Grato por prestigiar o Blog, Padrinho!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…