quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Minha coluna no site do CAP

Também quero um abraço

Parece algo mágico, mas eu mesmo pude comprovar. A partida era contra o Cruzeiro. Os torcedores prometeram abraçar a Arena em um gesto de apoio ao Clube Atlético Paranaense e cumpriram a promessa.

Foi quase um abraço casual, rápido, com compromisso com a paixão e com a raça rubro-negra. O resultado foi sofrimento intenso a partida inteira e o selo que marcou o começo da virada rubro-negra. Não houve mais qualquer derrota, poucos os momentos de empate e muitas as agonias.

Vimos chutes para fora, quando só poderiam entrar para o gol; faltas desnecessárias; empates nos últimos instantes de partida. O coração quase pára, quase deixa de bater, tamanho o sofrimento, tamanha a desilusão, tamanho o medo de não conseguir vencer.

Mas vencemos, pontos e pontos acumulados e o risco de rebaixamento está cada vez mais longe. Ainda não o deixamos, mas estamos conseguindo colocá-lo no lugar onde deve ficar: um pouco mais longe. Basta agora mais um empate na partida com o Náutico.

Ou melhor, do que isso, uma vitória contra o time pernambucano e levaremos ao Atlético para longe do risco e pronto para a festa do dia 7 de dezembro.Pensei por algum tempo sobre isso: o risco de rebaixamento.

Pensei sobre o abraço atleticano e definitivamente tive a certeza que o abraço atleticano é maior do que muitos remédios ministrados em consultórios brasileiros.

O abraço atleticano é um abraço carregado de sentimento, de emoção, daquele torcedor que briga noite e dia para conquistar um mesmo espaço: o espaço da união. É, também quero um abraço atleticano!

2 comentários:

Sérgio Barbosa disse...

Henrique
Excelente coluna, alias, como sempre, parabéns
Saudações Rubro Negras

Mary "Furacão" disse...

Henrique Querido
Que bom ter vc escrevendo de volta aqui e no site do CAP, adoro o que vc escreve
Beijão

Frase do Dia

"Est bonum, doceat, si modo exercere quod docuit sit." ( É bom ensinar, desde que se pratique o que se ensina) Santo Inácio de ...