Pular para o conteúdo principal

A última cartada...

Já circulam pelas bancas de jornais de todo o País, os exemplares da revista "Veja" dessa semana com a matéria de capa sendo toda sobre o delação premiada do ex diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa, onde dentre tantas coisas, ele apresenta uma lista de políticos da base aliada e até mesmo o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, morto em acidente aéreo esse ano em plena campanha eleitoral para presidente.Pois bem, me parece que essa é a última cartada que Aécio Neves terá para tentar dar uma sobrevida à sua campanha que despencou nos últimos dias e que corre sérios riscos de fazer com o que o seu partido, o PSDB, saia menor desse processo eleitoral, do que ele entrou.

Mas é necessário que os estrategistas tenham muito cuidado ao desferir os golpes. insisto, o alvo deve ser o governo, o PSDB é oposição e oposição que bate em oposição tende a se enfraquecer e atacar a Marina é fechar as portas para uma possibilidade real de tirar o PT do poder, mesmo que para isso, tenha que abrir mão de um eventual segundo turno. Ser estrategista significa pensar a longo prazo, sem paixões e sem se deixar levar por arroubos de improvisações, é necessário que se pense no que é mais importante para as oposições no momento.

E mais, o nome ligado à Marina que foi citado pelo ex-diretor da Petrobrás é o de Eduardo Campos, um morto e a história política brasileira relata que não é saudável atacar os mortos. Aos mais conservadores que apoiam Aécio e vêem em Marina uma petista camuflada, prestem atenção no programa de governo da candidata, na principal diferença entre o que pensam os tucanos e petistas, que é a condução da economia, o projeto de Marina tende muito mais para o lado tucano do que para o lado petista.

Aguardaremos o desenrolar das denúncias de Paulo Roberto Costa, vejamos como vão se comportar as principais campanhas eleitorais, qual será o passo que Dilma e Aécio (principalmente) irão tomar. Essa semana que entra promete ser de fortes emoções para os postulantes ao Palácio do Planalto e para a platéia que assiste a tudo de camarote.

Comentários

Karla Kapassi disse…
Muito bem colocado caro blogueiro...

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…