Pular para o conteúdo principal

Se eu fosse você...

Eu usei o título de uma famosa comédia brasileira, para pode ilustrar uma situação, digamos, tragicômica, pela qual passa a campanha do tucano Aécio Neves. Após despencar com o vertiginoso crescimento da candidatura de Marina Silva, Aécio viu que sua chance de chegar ao segunda não estivesse no turno só seria possível se Marina não estivesse no páreo e vendo isso, alguns apoiadores desandaram a bater forte na candidata do PSB. 

Em cima disso usei o titulo da postagem, pois se eu fosse da campanha do Aécio, pararia com essa bobagem de ficar atacando a candidatura de Marina e concentraria a artilharia em cima da presidente Dilma e explico o motivo: Em uma eventual vitória de  Marina, o PSDB tem chances reais de ocupar um espaço considerável no governo, seja de forma orgânica, seja através de algumas de suas lideranças de expressão. Já em um segundo mandato de Dilma, o partido verá seu tamanho reduzido consideravelmente, ficando sem ser nem a sombra de um partido que já ficou no poder durante 8 anos. O cenário que vem sendo desenhado fica cada da mais claro e só não enxerga quem não quer, Aécio está ficando de fora do segundo turno,

E a estratégia de atacar Marina, no intuito de tirar-lhe a vaga no segundo turno, só reforçara a consolidação de Dilma como vencedora do 1º turno e dificultará as negociações para um 2º turno e uma eventual vitória de Marina, Sei que ainda existem ingênuos que acreditam em uma "virada" tucana, vide a euforia causada pela delação premiada do ex diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa por parte de líderes tucanos (bem verdade que esse fato mexeu forte com a estrutura de campanha petista, mas isso vou abordar em outro texto). A campanha de Aécio deve "esquecer" Marina por um tempo e aproveitar esses últimos momentos de campanha para centralizar seus ataques na presidente Dilma, pois só assim, poderá preservar um capital político capaz de assegurar visibilidade política ao seu partido a partir de 2015.

Comentários

Rita Todeschini disse…
Mas o PSDB não tem tutano nem fosfato suficiente para pensar assim

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…