Pular para o conteúdo principal

Viva Belém!!!


Quando o capitão-mor português Francisco Caldeira de Castelo Branco fundou o Forte do Presépio, que deu origem à cidade de Belém, no dia 12 de janeiro de 1616, Portugal estava sob a coroa espanhola.

Fora, assim, encarregado, por Felipe II, a dar prosseguimento às conquistas no Novo Mundo.

A Espanha enfrentava concorrência dos franceses pelo equilíbrio político europeu. Ameaçados com a expansão iniciada por Carlos V. com um império de astronômica extensão, os espanhóis não podiam dedicar maiores atenções às terras brasileiras, conquistadas sem dar um tiro sequer, graças à perda da independência de Portugal.

Felipe II, então, ordena que os portugueses, seus novos súditos, levem adiante a missão de conquistar e defender as terras do Novo Mundo.

Eram terras cobiçadas especialmente por franceses, ingleses e holandeses.

Mas, se Cristóvão Colombo, sem o saber, assegurou à Espanha e a Portugal o espaço gigantesco que o Tratado de Tordesilhas previa como parte integrante dos impérios coloniais de Portugal e Espanha, a fundação de Belém garantiu a Portugal, de forma indireta, domínio sobre a região, hoje chamada de Amazônia.

O Novo Mundo, descoberto por Colombo, e o Brasil, em particular, descoberto por Pedro Álvares Cabral, promoveram migração de aventureiros e conquistadores, dispostos a tudo para encontrar as regiões encantadas.

Os espanhóis já vinham tentando descobrir e dominar esse império há alguns anos.

No Natal de 1539, uma expedição espanhola zarpou de Quito, no Peru, com 340 soldados, mais de quatro mil índios e vários conquistadores, seduzidos pelas perspectivas e possibilidades da jornada.

O comandante da expedição era Gonzalo Pizarro, irmão de Francisco.

Depois de enfrentar agruras, a expedição atingiu o vale das grandes águas no curso do Coca, afluente Napo.

Pizarro, desanimado de alcançar seu objetivo, enviou Francisco Orellana em busca de suprimento, já que a fome era grande.

Uma assembleia determinou o prosseguimento da aventura pelo curso fluvial. Orellana foi aclamado chefe...

No dia 12 de janeiro, Castelo Branco, fundou a casa forte a que deu o nome de Presépio, situando-se numa posição estratégica, com vista para dois rios e fácil de ser defendida.

O capitão informou a Alexandre Moura, ao bispo de Lisboa e ao governo de Madri sobre o êxito da missão. Pedro Teixeira foi por terra ao Maranhão dar a notícia e providenciar equipamentos de guerra e alimentos para os integrantes da missão.

E foi assim que surgiu a querida Santa Maria de Belém do Grão Pará...que hoje completa 393 anos e continua com sua importância estratégica, fundamental para a soberania brasileira na região amazônica...

Parabéns Belém!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…