terça-feira, 26 de agosto de 2014

Até onde vai?

Quem já teve acesso as pesquisas internas dos partidos, aquelas que os marqueteiros chamam de "trackings", tá cada vez mais intrigado com um verdadeiro fenômeno que esses números apresentam, trata-se do crescimento meteórico da candidatura Marina Silva em todas as abordagens feitas...

Mais do que apenas disparar, o "efeito Marina", parece ter dado uma reorganizada na campanha do PSB (Existem algumas pesquisas qualitativas que apontam essa tendência). Marina tem uma identidade popular muito grande (Ouso a compara-la ao carismático e messiânico Lula). E seus adversários não conseguem obter essa identificação (Aécio é associado a imagem de "Mauricinho" e Dilma, tem uma imagem de "Sargentona brava"),

Nas pesquisas qualitativas, quase não são encontradas resistências a figura de Marina. As coisas que ela faz e diz (Muitas vezes não dizem absolutamente nada) parece como sendo algo honesto, verdadeiro. E esse é o principal desafio tanto de petistas quanto de tucanos...

E se essa imagem não for desconstruída logo, os adversários correm o risco de assistirem impotentes ao crescimento espantoso de Marina!!!

É lógico que as artilharias de Dilma e Aécio já estão posicionadas em direção à candidata socialista (?), ela sofrerá uma série de ataques desferidos de um lado e de outro. E isso, eu acredito, vai começar a ficar visível no debate de hoje da Band (Veremos) e principalmente nas redes sociais, Resta saber se os ataques serão certeiros e se surtirão o efeito desejado de estancar esse crescimento de Marina.

Vale sempre lembrar que, nenhum candidato deve se acomodar em uma súbita popularidade como se fosse um "escudo" contra ataques, Marina vai precisar saber cultivar essa imagem que tem hoje e buscar associar-se ainda mais à figura do falecido colega de chapa Eduardo Campos, aquele que, com sua morte, tornou-se quase que um político "intocável".

Devemos lembrar também que Marina não é "marinheira de primeira viagem", ela foi candidata em 2010, obteve espantosos milhões de votos. Mas, quatro anos se passaram, Marina não é mais uma coadjuvante desconhecida, hoje ela se tonou alvo e deve cuidar com mais cuidado de sua campanha pois, diferente de 2010, dessa vez, Maria está no jogo!!!

Nenhum comentário:

Todos "amam" Bolsonaro

Estou acompanhando as movimentações dos chamados "Presidenciáveis" ou dos pretendentes a tal para as eleições de 2018. Fora Lula ...