Pular para o conteúdo principal

Para reflexão...

Eu tomei a liberdade de "chupar" aqui para o Blog a coluna da administradora de empresas, gestora cultural, empresária e minha amiga Dislene Freitas...o texto vale muito a pena para a reflexão de todos, sobre os caminhos de nossa sociedade...vale a leitura:

"Sociedade de imagens e miragens

Alguém sabe onde foi morar o bom senso? A criatura humana é,a princípio, a mais dotada, mais preparada entre as outras que também vivem nesse planeta, entretanto, a civilização nos atuais dias não sabe por que faz o que faz, nas redes sociais o fenômeno da doentia coletiva é visível e declarada.
Além da ausência do extinto bom senso, a deselegância, a incoerência é a cada dia cada vez mais vexatório, pouquíssimos são aqueles que têm a consciência de suas próprias mensagens e publicações, tudo é imediato e simultâneo, sem crivos, sem análises, sem compromisso de ser verdadeiro e útil de fato.
Todos falam ao mesmo tempo de si próprios, para si próprios, ninguém ouve ninguém, isso é comunicação? Para onde esse caminho vai seguir? A tecnologia e seu constante aprimoramento como as redes sociais são ferramentas poderosas que podem transformar o mundo num lugar melhor e mais feliz para o maior número de pessoas, mas o que vê é o desperdício de inteligência, de recursos de toda ordem para trivialidades?
Alguns se satisfazem com tolices, mas outros dedicam o seu tempo para implantar inverdades, incitar emoções que degradam e limitam o outro como si mesmo, é extrema importância antes de postar, de publicar, pensar, pensar profundamente se o que está indo ao ar para literalmente todo o mundo, serve para alguma coisa.
As fronteiras entre o que é íntimo, o que é pessoal se confundiu com o que é público, com que é coletivo, o que é prioridade, o que é essencial, raros sabem, praticamente todos os atos do cotidiano, os fatos da vida são projetados, digo escancarados, são lançados freneticamente, alguns querem convencer e se convencer que são felizes, outros que são ricos e bem sucedidos, qual é o motivo de tanta de exposição?
Tanta beleza, tanta potencialidade, desperdiçada, que tal antes de publicar, pensar? Pensar sobre a fonte e a veracidade das informações, pensar sobre a relevância delas.  Que tal mais realidade e menos virtualidade, onde está a disposição em viver, como diz a música: “… viver é melhor que sonhar…”.
Boa semana e que ela seja mais real, mais presencial, é um convite, vivamos mais…"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…