Pular para o conteúdo principal

Chegou a hora...

Bem...amanhã, por volta das 21 horas, horário de Brasilia, a sociedade brasileira conhecerá quem será o gestor do governo brasileiro pelos próximos 4 anos. Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB), são os protagonistas de umas das mais acirradas disputas de segundo turno, desde que foi instituída a redemocratização no País. Entre insultos, denúncias, ataques e poucas propostas efetivas, chegam ao dia decisivo em empate técnico e com resultado completamente em aberto (por mais que meus queridos leitores petistas e tucano insistam em dizer o contrário). 

A eleição de amanhã promete fortes emoções e talvez, até mesmo, a possibilidade de algumas acaloradas discussões durante o processo de votação. Quanto a esse aspecto, acredito que as medidas que os órgãos de segurança tomaram, sejam suficientes para prevenir e conter excessos. O certo é que, depois de 12 anos no Poder, o PT se vê, pela primeira vez em anos, na possibilidade de perder a eleição para o seu "arqui rival" PSDB, que após 3 tentativas adotando uma postura tímida em defesa do governo FHC, dessa vez, com Aécio, parece ter assumido esse período de governo e defendendo abertamente, aquilo que considera como avanços desse período.

Dilma me parece tensa demais para quem tem a estrutura do Poder nas mãos, apesar do excelente trabalho (mais uma vez) do marqueteiro João Santana, a presidente não consegue transmitir aquela segurança que, por exemplo, Lula sempre teve e conseguiu transferir para ela em 2010. Sei que essa é, de fato, a primeira eleição de Dilma (dessa vez ela é a protagonista), mas eu esperava mais  de quem passou 4 anos á frente do executivo do País e que, quando eleita foi, tinha como principal característica, a de grande gestora.

Aécio Neves é, de longe, o melhor dos candidatos tucanos que o PT enfrentou nesses 12 anos. Experiente, como Serra e Alckmin são, porém, com uma guinada um pouco mais para os setores liberais conservadores (o que provocará, independente do resultado da eleição, uma rediscussão dos rumos ideológicos do partido). Aécio pecou quando não foi mais incisivo no segundo turno, as oportunidades apareceram, mas o tucano preferiu o discurso da mudança (sem mostrar ao certo quais são essas ditas mudanças).

Como já falei aqui em outras postagens, não consegui enxergar nos postulantes ao cargo máximo do País, verdadeiras propostas de políticas de Estado, políticas que possam servir como um processo de amadurecimento e de continuidade de um projeto de Brasil forte, soberano e voltado, de verdade,  para o século XXI. Já estou cansado de propostas eleitoreiras e de "pais e mães das crianças", que usam programas de sucesso (seja no âmbito federal ou estadual) como se fossem invenções suas e que, somente com seu grupo político, esses programas terão continuidade. Esse tipo de postura só mostra o quão é despreparada a nossa sociedade no exercício de seu direito ao voto (direito esse que  somente será verdadeiro, quando for facultativo e não obrigatório).

Bem, seja como for, quero que todos estejam nas ruas amanhã, votando, e buscando contribuir de alguma forma para que nosso País avance, apesar deste blogueiro não acreditar nem um pouco nisso, É importante que se vote, talvez com a repetição seja possível construirmos uma qualidade maior em nossa sociedade. Apesar de tudo, sou um otimista, sempre fui e oxalá eu consiga participar de uma sociedade mais politizada, consciente e bem mais evoluída.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…