Pular para o conteúdo principal

Greve no Banrisul, o inicio, o fim e o meio...

Depois de tantas idas e vindas, eis que, finalmente, terminou a greve dos bancários do Banrisul e com o término da greve, veio a dura realidade da volta ao trabalho. Após não ter concordado com o acordo proposto pela entidade dos banqueiros (que levou os demais bancários de outras instituições, a acabarem com a greve). Os bancários do Banrisul insistiram no movimento e acabaram por desgastar demais o próprio instrumento de greve, deixando a população contrária ao movimento e causando um mal estar muito grande entre os próprios colegas de banco.

Como a greve se arrastava, sem nenhuma perspectiva de término e com os trabalhadores do banco cada vez mais, perdendo benefícios, os funcionários que não aderiram à greve foram para as assembleias finais pressionar a diretoria do sindicato para que a greve terminasse. Com o retorno ao trabalho, alguns colegas começaram a ser hostilizados pelos outros, por não terem participado da greve e por pressionarem para o fim da mesma. O que acontece é que, enquanto alguns poucos participavam das reivindicações e do movimento grevista, muitos bancários aproveitaram a paralisação, para viajar, ficar de folga e até para tratamentos de beleza e nesse ínterim, ainda tiveram aqueles que, enfrentado tudo de ruim (por parte de colegas, clientes, excesso de trabalho), se mantiveram trabalhando e não deixando a população na mão.

E justamente esse funcionários que continuaram trabalhando, é quem vem sofrendo a maior parte das "ofensas" e chacotas com o retorno ao trabalho. Esse texto não tem como objetivo discutir se o movimento foi ou não legitimo, se a greve demorou mais em função da incompetência do sindicato em negociar com os patrões e nem quais foram os benefícios perdidos, a intenção deste blogueiro é de repudiar esses bancários que estão jogando indiretas no Facebook, que estão olhando "torto" para os colegas que se sacarificaram para que a sociedade não ficasse sem os serviços de seu banco (afinal, o Banrisul é o banco de todos os gaúchos, ou não?).

Os trabalhadores que continuaram trabalhando, enquanto alguns até passearam durante a greve, merecem todo o respeito por parte, não somente dos colegas grevista, bem como da população em geral (principalmente aqueles que dependem do Banrisul para realizar as suas transações bancárias), foram valentes, enfrentaram todas as adversidades e toda a sorte de xingamentos, não é justo que agora que a greve terminou, sejam hostilizados por colegas (?) dentro ou fora das agências. Espero que os ânimos retornem à sua relação normal, todos são colgas de trabalho e, maior que todos eles, está uma instituição que pertence ao povo do Rio Grande do Sul.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…