Pular para o conteúdo principal

Amizades...sabores e dissabores!!!

Das colunas sociais e páginas de economia para os registros policiais, O empresário e "modelo de sucesso" de 9, em cada 10 brasileiros, Eike Batista viu seu "Castelo de cartas" ruir ao vincular seus negócios a políticos (políticos esses, da pior espécie, diga-se de passagem). E jamais imaginaria que suas relações com Lula, Dilma e, principalmente, com Sérgio Cabral terminariam com um mandado de prisão contra ele.
Isso tudo apenas dois meses depois da prisão do ex-governador do Rio de Janeiro. Cabral foi indiciado na Lava Jato e preso preventivamente por suspeita de corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa. Eike é suspeito de pagar propina de US$ 16,5 milhões ao ex-governador usando bancos estrangeiros. E essa acusação fez desmoronar toda a reputação do até então, exemplo de sucesso financeiro, o tornando um fugitivo da Interpol. 
A amizade entre Eike e políticos ligados ao governo federal e estadual do Rio de Janeiro começou por volta de 2005 ou 2006 mais ou menos (lembremos: o Mensalão já era de conhecimento público, portanto, Eike não pode alegar que não sabia das falcatruas de seus novos amigos). Como dizia meu pai: Eike quis juntar "a fome com a vontade de comer", o empresário acreditou que, se juntando com o governo, conseguiria expandir ainda mais os seus negócios, sem o risco de ser incomodado por Receita Federal, Policia Federal, etc.
O pensamento de Eike começou a se materializar em um café da manhã na mansão do empresário no Rio, local onde, na semana passada, agentes da Polícia Federal tentaram prendê-lo. Foi nesse amistoso e farto café da manhã, que Eike começou seus laços com o governador Sérgio Cabral (que hoje sabemos que foi uma aposta errada do empresário).
Nessa época, Sérgio Cabral precisava de um financiador com a carteira recheada; Eike precisava de um político que pudesse resolver eventuais entraves que atrapalhassem os seus negócios. Cabral recebeu R$ 400 mil de Eike e venceu a eleição. Estava consolidada a aliança.
Já no poder, segundo a jornalista Malu Gaspar no livro "Tudo ou Nada — Eike Batista e a verdadeira história do Grupo X": “Cabral franquearia os gabinetes do governo à Eike”. E quando se encontrava com qualquer dificuldade, “bastava (ao empresário) recorrer ao governador, que pegava o telefone imediatamente e emitia uma ordem a algum subordinado resolvendo a situação”. Um exemplo disso? Cabral ordenou que o secretário de Meio Ambiente, Carlos Minc, desse prioridade absoluta ao projeto do Porto de Açu, que necessitava com urgência de licença ambiental. E assim foi feito.
Dai para entrar no esquema da "Lava Jato" foi apenas um "pulo". Eike passou a ser usado como "garoto propaganda" do Brasil "Empreendedor" que os governos Lula/Dilma tentaram "vender" para a sociedade brasileira e para o mundo. Apenas mais uma das ilusões que foram propagadas durante esse período e que, como podemos constatar, nada mais foi do que um grande golpe na economia do País.
Eike deveria escolher melhor suas amizades, principalmente para onde está indo agora. Se bem que,no presidio, as amizades sejam um pouco mais "honestas".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…