Pular para o conteúdo principal

Enfrentando os medos

O medo é parte integrante de nossa vida, é necessário inclusive para que possamos nos proteger de determinadas situações que possam nos prejudicar. Porém, o medo exagerado, ele te aprisiona, atrapalha projetos profissionais, pessoais, familiares e afetivos. O medo que aprisiona nos torna refém dele e acaba fazendo com que tenhamos bloqueios. Verdadeiros "muros" emocionais, que nos impede de conquistar a felicidade.


Ao nascer , nos trazemos conosco o medo de cair, o medo do escuro, o medo do desconhecido. Os demais medos são adquiridos durante a vida. Mas ora bolas, se eles são adquiridos é possível se livrar deles também, desde que a gente enfrente esses medos ou procure ajuda com profissionais especializados, sejam psiquiatras ou psicólogos.


Como eu escrevi antes, existe um medo que é positivo, porque nos alerta e nos protege. Desde muito pequenos recebemos uma carga de informações que muitas vezes nos colocam medos. Os pais utilizam a placa de amedrontar os filhos, porque esta é uma maneira (errada, é verdade), de impedi-los de fazer certas coisas. Eles esquecem que podem estar criando um problema para o resto da vida dos filhos. Este medo poderá acompanhá-los por toda a vida, impedindo-os de serem bem sucedidos. Chegando, inclusive, a causar traumas irreversíveis.



Algumas crianças adquirem medos diversos como: medo do escuro, medo de relâmpago, medo da policia, medo de ficarem sozinhas, medo de serem abandonadas, medo do castigo enfim coisas que os pais acabam contribuindo muito para que aconteça. O resultado não será positivo. Muitos destes medos atrapalharão muito o progresso e o crescimento dos filhos.

Há ainda o medo que muitas pessoas têm da morte. É um medo irracional que impede uma vida tranquila. O princípio da vida é nascer, crescer e se desenvolver, e morrer. É preciso aceitar este fato e procurar viver bem enquanto tiver vida. De nada adianta ter pavor da morte e viver infeliz. É sofrer por antecipação. Para aqueles que vivem bem, que praticam a caridade e respeitam o seu semelhante este medo é infundado.

O medo traz insegurança e impede a espontaneidade. No trabalho é comum perceber o colaborador que é tímido e inseguro, por causa de seus medos. Deixa de ser proativo porque não acredita que suas ideias possam ser aceitas. Há uma negação das suas próprias virtudes. Esquecem eles que foram contratados para contribuir, para transformar e para evoluir. Mas para que isto aconteça é preciso que sejam ousados e confiantes.

Este artigo visa contribuir com todos aqueles que já identificaram que o medo é o que atrapalha as suas vidas. Não esperem mais. Procurem um profissional que possa ajudá-los a se libertarem deste terrível inimigo.

Eu prefiro acreditar que, independente do medo, se ele foi adquirido por experiências ruins que tivemos, ele também pode ser superado com coragem, com vontade e com determinação. Não é fácil, mas é necessário. Caso deixemos o medo nos dominar, poderemos abrir mão de buscarmos ser felizes, por ter medo de tentar essa felicidade. Eu tenho muitos medos, mas busco enfrenta-los todos os dias para não me tornar refém desse sentimento.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…