quarta-feira, 6 de março de 2013

Adiós Comandante!!!


Ontem chegou ao fim a agonia do presidente da Venezuela Hugo Chávez, após anos enfrentando um câncer tendo passado pela quarta cirurgia, o comandante da revolução Bolivariana (seja lá o que isso queira dizer) veio a falecer na tarde de ontem, no hospital militar de Caracas. Chávez passou por um longo tratamento em Cuba, para onde foi a cerca de dois meses atrás e depois disso nunca mais foi visto (existem suspeitas de que Chávez morreu em Cuba e que sua morte só foi anunciada ontem, em função de acordos para que o seu vice presidente Nícolas Maduro assuma o poder). O certo é que, com a morte de Chávez, a Venezuela vai passar por um novo processo de governo, os venezuelanos terão que definir se a Revolução Bolivariana permanecerá no poder, agora sobre a chefia de Maduro, ou se o País volta a viver um processo democrático de alternância de poder sem deixar de lado as conquistas chavistas.

Em um País democrático, a morte de um presidente causa bem pouca alteração no processo de transição política. Basta seguir as leis estabelecidas pela constituição do País. Mas a Venezuela está longe de ser um País democrático, sua constituição foi imposta por Chávez com a força do exercito e com o apelo de programas assistencialistas direcionados aos mais miseráveis. Mesmo assim, Nícolas Maduro terá que passar por cima da tal constituição bolivariana, pois Chávez não chegou a tomar posse, portanto, diz a tal constituição, que devem ser convocadas novas eleições.

Chávez foi um caudilho, um líder personalista e populista, que usou da máquina do exército para se manter no poder (Chávez foi eleito democraticamente em 1998, porém, ao assumir o poder se valeu de sua influência no exército para dar um golpe e permanecer no poder). Maduro não tem o mesmo carisma de Chávez. Existem divisões internas dentro do grupo chavista. E a oposição já mostrou que, unida, pode conseguir derrubar o grupo bolivariano. Por outro lado, Maduro terá um cadáver como cabo eleitoral, poderá usar a agonia do comandante para buscar se manter no poder e levar adiante a chamada Revolução Bolivariana (insisto, seja lá o que isso queira dizer). Somente os próximos movimentos políticos poderão dar o tom do que pode acontecer com a Venezuela, um País que teve conquistas na educação e na saúde, mas que vive exclusivamente da riqueza do petróleo, com uma inflação altíssima, com uma violência interna enorme e que precisa voltar a ser um País democrático, de liberdade de expressão, de imprensa livre e que consiga reerguer a sua economia.

Desejo o que for melhor para o povo venezuelano, que ele seja soberano para decidir qual o melhor caminho que deva seguir e que sejam respeitadas as regras constitucionais (mesmo que impostas por Chávez) e que não venham usar um cadáver como escudo para a manutenção no poder.


Nenhum comentário:

Parada!!!

Amigos do blog..devidos a questões pessoais, vou dar uma parada nas postagens aqui da página...quem sabe eu volte a escrever em breve!!!