Pular para o conteúdo principal

Minha coluna dessa semana na Gazeta 24 Horas


Morte anunciada

Na semana que passou, mais de 30 pessoas morreram em consequência das chuvas na serra Fluminense, principalmente na cidade de Petrópolis, eu assisti no programa“Fantástico” da rede Globo, que existiam estudos mostrando eu esse desastre todo poderia ter sido evitado. Mas nada foi feito a respeito, no intuito de proteger a população da região, o que acabou gerando mais essa quantidade de mortes em decorrência das chuvas. Os estudos foram realizados durante os anos, de 2007 a 2010. Nesse período, um grupo de geólogos, geógrafos e engenheiros percorreu o bairro Quitandinha, que fica em Petrópolis, na serra fluminense. Essa é uma região frequentemente atingida por chuvas e deslizamentos.
Em 2011, foram mais de 900 mortos. Essa semana, só em Petrópolis, morreram 33. E a pergunta que eu faço é muito simples: Por que nada foi feito para prevenir que a tragédia voltasse a acontecer e matasse, novamente, pessoas da mesma maneira que vem acontecendo há anos sem que nada seja feito para resguardar vidas? Mas isso é muito mais comum, infelizmente, que possamos imaginar. As políticas nesse País são feitas não com o intuito da prevenção e sim da reação. Somente após acontecer algo muito grave, é que a maioria de nossos governantes toma alguma atitude para que providências sejam feitas.
Todo político em campanha fala em planejamento, em ações para combater esse ou aquele problema. Mas poucos acabam sendo aqueles que, de fato, têm a responsabilidade e o compromisso de planejar ações visando a melhoria da sociedade. Muitas vezes é necessário que as ações a serem tomadas não sejam populares, mas imprescindíveis para que seja possível governar visando um objetivo maior. E quando um gestor começa a fazer isso, as “oposições” e oportunistas de plantão, passam a atacar esse gestor, pela coragem de encarar os problemas de frente. Planejamento significa conhecer o histórico do local que será administrado, suas características e suas dificuldades, para que ações eficazes possam acontecer. Começo a ver alguns governantes com essa característica, um enorme avanço político de nossa sociedade.
Mas ainda existem aqueles membros da chamada “velha” política. Aqueles que se preocupam apenas com seus interesses pessoais ou corporativos, deixando a população como segundo plano. Aparecem nos momentos de tragédia para trazer a sua “solidariedade” com as famílias das vitimas, tomarem medidas reativas e de pouca eficácia. Eu tenho um sonho de ver esse País sabendo escolher melhor os seus representantes e que cobrem dos eleitos, os compromissos assumidos nas campanhas eleitorais. Sonho com uma sociedade que entenda o seu papel político e sua força de organização e participação. São utopias? Pode ser, mas quero muito que isso aconteça e que tragédias como as da serra fluminense e a que aconteceu no litoral do Paraná, possam ser evitadas e não tratadas como “fatalidades”.
Uma ótima semana para todos!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…