Pular para o conteúdo principal

A escalada da violência no Brasil

Acabo de ler nos noticiários algo que me deixou extremamente estarrecido e preocupado, aliás, deixará qualquer um que tiver acesso à essas informações. Segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o Brasil registrou mais mortes violentas de 2011 a 2015 do que a Síria, país em guerra, em igual período. Pasmem!. 

Foram 278.839 ocorrências de homicídio doloso, latrocínio, lesão corporal seguida de morte e morte decorrente de intervenção policial no Brasil, de janeiro de 2011 a dezembro de 2015, frente a 256.124 mortes violentas na Síria, entre março de 2011 a dezembro de 2015, de acordo com o Observatório de Direitos  Um detalhe muito sério, visto a brutalidade que se assiste sobre o conflito sírio.

Apenas no ano passado, foram mortos violentamente e intencionalmente 58.383 brasileiros, resultado que representa uma pessoa assassinada no país a cada 9 minutos, ou cerca de 160 mortos por dia. Foram 28,6 pessoas vítimas a cada grupo de 100 mil brasileiros. Isso é um absurdo e não venham aqui dizer que isso foi decorrente apenas de guerras de gangues, falamos de qualquer um, de mim, de você!

Dessas 58.383 mortes violentas no Brasil em 2015, 52.570 foram causadas por homicídios, 2.307 por latrocínios; 761 por lesão corporal seguida de morte  e 3.345 por intervenção policial. São dados que assustam qualquer cidadão que saia de casa para trabalhar e não sabe se volta para casa. Ou nossos filhos que saem para escolas ou festas e podem se tornar estatísticas desse perverso e cruel cotidiano brasileiro.

Essa verdadeira "Guerra" travada nas ruas das grandes cidades brasileiras acaba sendo um reflexo do fracasso que os poderes públicos constituídos (em todas as suas esferas: Federal, Estadual e Municipal) tiveram, ao longo dos anos, em planejar políticas públicas eficazes na área de segurança pública. O Estado brasileiro está muito aquém das necessidades da sociedade, o mais triste é notar que alguns gestores (principalmente os municipais) "fingem" que o problema não é com eles e se omitem na hora de enfrentar a situação.

Algo precisa ser feito, com urgência, estamos cansados de assistir nos noticiários mães assassinadas em porta de escolas, pais assassinados na frente da filha em supermercados (falando apenas de nossas mais recentes tragédias aqui em Porto Alegre). A sociedade clama por providências e não aceita mais que os gestores fiquem omissos à essas necessidades. Tenho medo de andar nas ruas de Porto, assim como, tenho em andar nas ruas das grandes cidades desse País, isso tem que acabar!

Para quem interessar, o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, que está em sua 10ª edição, será lançado no dia 03 de novembro pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. recomendo a leitura.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…