Pular para o conteúdo principal

Ditadura...o que é isso?

Eu venho observando atentamente os acontecimentos políticos que assolam nosso País nesses últimos anos que porque não, mais acentuadamente em período eleitoral), e percebo muita gente falando bobagens, empregando termos que não tem sentido com o que querem identificar. 
Em função disso, resolvi me ater sobre alguns desses temas, visando contribuir de alguma forma para que. aos menos, se não desistirem de algumas bobagens, pelo menos falem sobre elas de uma maneira mais correta. 
Hoje vou escrever um pouco sobre o que vem a ser uma "Ditadura", palavrinha tão evocada por muitos, mas que poucos, de fato, conhecem o seu verdadeiro e real significado. Ditadura significa um sistema político em que uma pessoa ou um grupo de pessoas exercer todos os poderes absolutamente, sem nenhuma lei ou instituição é o limite. (a lei no caso, é exclusivamente a vontade dessa pessoa ou grupo, mesmo que exista um congresso constituído, esse congresso atua sob à vontade de quem detêm o poder ditatorial.
A origem do termo remonta à Roma antiga , onde a ditadura significava um estado da República Romana como um magistrado (o ditador ) foi confiada temporariamente e plenos poderes legais em caso de doença grave. O termo vem do latim "dictatura" que designava na época da República de um excelente banco, que deu todo o poder de um homem (o ditador, etimologicamente "o alto-falante"). O Supremo Judicial contém regras específicas e nomeação temporária (máximo de seis meses), foi concedida em caso de grave perigo contra a República. Ele foi abolida após as ditaduras de Cila e Júlio César.
A palavra utilizada agora é ditador, em vez tirano na antiguidade ou déspota no Antigo Regime. Este significado que se desenvolveu durante a Revolução Francesa é usado principalmente para o período contemporâneo e ai vem a utilização indevida do termo por alguns, não contendo o verdeiro sentido pelo qual foi criada na antiguidade.
Aristóteles , em sua tipologia dos regimes, afirma que ditadura é uma forma de tirania, de um governo corrupto, exercido por um ou um grupo de pessoas.
Montesquieu, em seu livro O "Espírito das Leis", afirma que o "déspota (ditador) não respeita a vontade da sociedade, e consolida o seu poder e sua força através do medo e da violência.
A ditadura acaba por ser definida como uma autocrática forma de gestão, onde o poder é exercido por um homem, o ditador, ou por um grupo hegemônico (forças militares ou partidos políticos). Por este motivo é importante que, ao analisarmos uma ditadura, possamos estar abertos para suas variantes e não somente estabelecer um padrão único definido. Existem muitos países contemporâneos que alegam viver em uma democracia, quando na verdade, estão vivendo sob o julgo de uma ditadura.
Para alguns estudiosos, uma ditadura é uma forma de governo que tem o poder de governar sem o consentimento daqueles que estão sendo governados (semelhante ao autoritarismo ), enquanto que o totalitarismo descreve um estado que regula quase todos os aspectos do comportamento público e privado das pessoas.
Em outras palavras, a ditadura diz respeito à fonte do poder que governa e o totalitarismo diz respeito ao alcance do poder de governar.
Neste sentido, a ditadura (governo sem o consentimento das pessoas) é um contraste com a democracia (governo cujo poder vem do povo) e totalitarismo (governo controla todos os aspectos da vida das pessoas) se opõe pluralismo (o governo permite que múltiplos estilos de vida e opiniões). Essas diferenciações se tornam importantes, pois vejo que muita gente acaba confundindo os conceitos, não separando as ações que são pertinentes à cada um dos termos (lembram quando iniciei o texto falando das "bobagens ditas"?)
Outros estudiosos enfatizar a onipotência do Estado (com sua consequente suspensão dos direitos) como elemento-chave de uma ditadura e argumentam que tal concentração de poder pode ser legítima ou não, dependendo das circunstâncias, os objetivos e métodos utilizados. Esses estudiosos, muitos deles de viés autoritário, utilizam desses argumentos para justificar determinados atos ditatoriais empregados por governos, alegando que tais atos são necessários para a manutenção da ordem e da liberdade dos indivíduos.
Existem algumas formas de ditaduras, vou exemplificar algumas aqui:
1) Ditadura Militar: Originalmente causadas por golpes militares contra governos eleitos democraticamente, mas que não possuaim força bélica e apoio popular suficiente para garantir a sua manutenção no poder
2) Ditadura de Partido Único: Geralmente ocorre após uma revolta ou revolução popular, que acaba por levar ao poder um determinado partido. A partir deste momento, a burocracia deste partido passa a determinar o funcionamento da máquina estatal. nesse caso, a figura do ditador passa a ser transitória, depende daquele que o partido determinar na ocasião.
3) Ditadura Personalista: A chamada "Ditadura Clássica", aquela exercida e pavuimentada na figura de uma liderança política (geralmente um político populista, de oratória eloquente e com domínio sobre as forças militares, sendo ele militar ou não). Seu poder se mantem graças a sua personalidade forte, que buscar implantar o medo como forma de controlar a sociedade e manter seu dominio sobre ela.
4) Ditadura Hibrida: É uma forma de ditadura que carrega elementos das citadas anteriormente, geralmente se fortalece na figura de um exercito forte, um líder personalista e uma burocracia muito bem estabelecida que proporciona a manutenção do poder por parte desse grupo.
Como os leitores sabem, eu não tenho a pretensão de ser o "Dono da Verdade", busquei aqui apenas mostrar um pouco da história do conceito de ditadura, com a finalidade de buscar esclarecer alguns argumentos que são disseminados na seara política do País. O tema é bem mais amplo do que o exposto aqui, me baseei apenas nas minhas leituras e pesquisas, buscando apresentar uma visão "didática" do tema, espero que sirva de contribuição para os debates vigentes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…