Pular para o conteúdo principal

Será que a culpa é das Estrelas?

“A culpa é minha e eu boto em quem quiser!”. A frase é da personagem Hommer Simpson, mas carrega consigo um enorme fundo de verdade. Vira-e-mexe colocamos a "culpa" de nossas dificuldades e frustrações nos outros; aliás, isso é quase um vício que dá um certo alívio, parece que diminui o "peso" da decepção.  ou da sensação de fracasso.

Mas por que fazemos isso? Para mostrar o quanto ninguém é perfeito? Ou por que é mais fácil ficar eternamente agarrado à “Terra do Nunca” ou seja, não crescer e assumir as suas responsabilidades?

Segundo a psicóloga Esmeralda Sarracini: “A tendência do ser humano é não querer ver os seus defeitos, nem admitir os seus problemas. De uma forma projetiva jogamos nossos erros para o outro e evitamos olhar para nós mesmos. Quando a pessoa se sente culpada, se acha fraca e, quando faz o movimento de culpar o próximo, sente-se mais forte, mas na realidade está se defendendo”

Para quem concorda com essa afirmação da Dra. Esmeralda, eu me incluo entre estes, vai entender que esse comportamento, esse processo, nada mais é do que uma tendência infantilizada. É muito comum detectarmos esse comportamento nas crianças. Elas quase nunca admitem os seus erros, preferem apontar o dedo para o coleguinha mais próximo ou aquele que dentro da turma, é o mais fraco e acaba não tendo condições emocionais de reagir (olhai um típico caso do que hoje se chama de Bullyng) 
Mas é preciso amadurecer, senão a vida, na dureza de sua realidade, nos engole. Quando você transfere a "culpa" de seus falhas ou limitações, dá ao outro a responsabilidade pelo seu próprio erro e acaba tirando de você, a possibilidade de aprender com suas falhas e reconhecer os seus limites. Mas como rever este padrão repetitivo? Leio sobre o tema à bastante tempo (uma forma de realizar a minha "auto terapia") e consigo perceber e sugerir 03 reflexões que considero importantes sobre o tema:
1. Quando você acusar alguém, perceba o que o incomoda no outro, analise friamente a situação. não precisa nem contar com a participação desse alguém, faça isso sozinho. Se desculpar com o outro e admitir o erro liberta e é mais nobre e acaba nos deixando mais "leves", menos estressados.
2. Pare de tentar ser perfeito, como diria São Tomás de Aquino: "A perfeição cabe ao divino", seja menos arrogante e assuma suas imperfeições e limites. Todo mundo tem defeitos e fraquezas. Assuma os seus, mesmo que ninguém o faça, pois mais importante do que o pensamento alheio, está o auto conhecimento.
3. Assista ao filme “A Origem” e veja como a personagem de Leonardo DiCaprio é atormentado pela culpa e como ele resolve no final. O curioso desta obra, que em inglês se chama "Inception", é que ela nos remete à criação do mundo. "Inception", em inglês, significa "princípio". Então, ficam as perguntas: “Estaria Deus dormindo ou acordado quando nos criou? E a culpa é divina ou foi criada pelos homens como mais uma forma de controle? Se eu tenho culpa, logo devo a alguém, logo me enfraqueço e sou facilmente manipulado”
Procure ser mais humano, assuma que tem limites e aprenda a conviver com eles. Isso fará de você alguém bem mais honesto, consigo e com os demais, se cobre menos e realize mais, cobrança excessiva somente trás desgastes e frustrações. Fazer bem feito, é dar o melhor de si, nas condições que lhe forem permitidas. Saber conviver com suas limitações, fará de você uma pessoa bem mais feliz e facilitará o seu relacionamento com quem faz diferença na sua vida, nas relações de trabalho e até mesmo, em se olhar no espelho!
Vamos buscar melhorar, sempre!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…