quarta-feira, 15 de julho de 2015

Concepção de Estado

Recebi de uma grande amigo, através de um grupo de discussão pelo whatsapp, um vídeo onde se coloca uma concepção liberal de Estado, defendendo em aspectos gerais, a tese de um Estado minimo, que exista para servir à sociedade em alguns aspectos que fogem das possibilidades do cidadão prover sua proteção (soberania, segurança pública, defesa civil).. e faz também, uma pequena comparação entre o Estado norte americano e os Estados europeus, com suas diferentes origens e concepções.

O vídeo me chamou a atenção não somente por vir ao encontro de muitas cosas que venho estudando e escrevendo aqui nesse espaço, mas também por expor uma discussão que por muitos anos não fazia parte do cenário político brasileiro, um cenário hegemonicamente esquerdista (o próprio grupo citado anteriormente, tem como origem política, movimentos de esquerda), falar sobre uma concepção de Estado liberal aos moldes americanos era quase que uma "Heresia" para os jovens que discutiam política na minha geração e nas gerações que me antecederam, mas isso será tema de um outro texto.

Voltemos ao vídeo, em um Estado mais enxuto e objetivo, o cidadão aprende a dar mais importância a si e ao seu potencial, não fica esperando que haja uma intervenção do Estado para garantir direitos e oportunidades que cabem a ele (ai teremos uma série de divergências com alguns amigos) conquistar, fruto do desenvolvimento de suas habilidades e da potencialização de seu trabalho. tudo que ele precisa para seu sustento e sustento de sua família, esse pensamento não existe onde se tem um Estado intervencionista, pois nessa condição, o Estado se coloca na condição de provedor de todas as demandas causadas pela necessidade dos indivíduos.

A esquerda internacional sempre utilizou-se do discurso de que o Estado deve "cuidar" dos indivíduos, e, justamente nesse "cuidar" é onde se encontra a forma de governos controlarem as ações políticas, econômicas, culturais, enfim, de controlar todas as relações sociais e com isso conseguem controlar até as liberdades individuais e isso, em minha modesta e humilde opinião, nada mais é do que Ditadura!!! E quando falo em esquerda internacional, não me refiro somente as ditaduras socialistas, falo de todas as formas de esquerdismo, incluindo aquele preceito social democrata de que o Estado deve formular, regular e fiscalizar políticas públicas, meus caros, isso significa que a sociedade vai continuar refém das ações de que controla esse Estado, isso faz com que o Estado se confunda com Governo e isso é um desastre para a democracia (vide os discursos das campanhas eleitorais, tanto no Brasil, quanto em outros países com Estados intervencionistas: "Querem acabar com isso, vão acabar com aquilo...").

Um Estado de fato democrático, o Estado tem muito clara a sua participação e sua importância dentro do cenário social vigente, ora, não cabe ao Estado, por exemplo, ter que me providenciar o que comer, o que vestir, como sendo uma política de Governo (para alguns, até de Estado), eu devo me responsabilizar por isso, cabe a mim e a minha família cuidar para o meu sustento através do meu trabalho (seja trabalho em qual segmento for), deixando claro aqui que, em situações de risco e como uma política de urgência e emergência e não como uma política de continuidade.

Eu sei que ainda existe muito que precisa ser debatido sobre esse assunto, apenas quis expor a minha opinião sobre a discussão que se iniciou hoje pela manhã, meu trabalho como analista social, sei lá se isso existe, é de fazer leituras sobre os fatos e sobre a história da sociedade, gosto de um bom debate e espero que esse texto traga à tona mais opiniões fundamentadas sobre uma concepção de Estado, seja ela qual for.



Nenhum comentário:

Todos "amam" Bolsonaro

Estou acompanhando as movimentações dos chamados "Presidenciáveis" ou dos pretendentes a tal para as eleições de 2018. Fora Lula ...