Pular para o conteúdo principal

Fascismo

Surgido principalmente nos países que chegaram tardiamente no processo industrial e na corrida colonialista durante o século XIX, como Itália e Alemanha e como uma forma de trazer "esperança" para uma enorme camada de campesinos que migraram para os centros urbanos e que acabaram perdendo seus empregos com o final da Primeira Guerra Mundial,

O Fascismo surge como uma força progressista, que buscava promover uma industrialização, através de um resgate de uma imagem nacional...

Mas..afinal de contas, o que vem a ser o Fascismo? Bom, para os esquerdistas atuais, Fascismo está relacionado diretamente aos que são identificados como sendo de direita e ai é que esse "chavão" perde o sentido, pois o Fascismo é a união do poder econômico com o poder estatal, por exemplo, quando te sentes prejudicado por uma empresa privada, podes recorrer ao estado ou a outra empresa privada. Já no Fascismo isso não acontece, pois não existe distinção entre sociedade e estado, uma especie de "Estado Total"

Mas, "Estado Total" não nos remete ao Socialismo? Claro que sim, pois o socialista não concebe uma sociedade dissociada do estado. E de onde podemos resgatar essa história?

Que tal falamos de dois pensadores, Hegel e Descartes!!!  O primeiro falava sobre a genialidade humana expressada no estado, já Descartes acreditava que se você é capaz de entender duas ou três leis gerais do Universo, você é capaz de entender o próprio Universo. Hegel fala do estado e Descartes do Individuo. O Fascismo identifica as duas coisas, o homem fascista seria o homem total, a integração entre as duas coisas (Dai a origem de "Integralismo"), uma comunhão entre a totalidade humana e o totalitarismo de estado.

Seria a personificação do "Homme Totale" de Descartes, de onde, ao interpretar as ideias Cartesianas, Heidegger criará o termo "Totalitarismo".

Agora falemos de outro filosofo, Karl Marx. em sua obra "A ideologia Alemã", Marx diz que o homem do futuro, trabalharia de manhã na fábrica, planejaria a empresa na parte da tarde e a noite estudaria filosofia e tocaria violino, a imagem do homem total, integral. Podemos notar ai uma certa similaridade, correto? Pois é, só que no Totalitarismo do tipo Fascista, se reconhecia ao menos a Igreja como um poder autônomo e independente.

No Totalitarismo socialista isso não existe, pois o estado regula tudo!!!

E vem dai os elementos totalitários de alguns dos atuais movimentos sociais, ou seja, a ideia de que a política deve permear todas as esferas da vida em sociedade, retirar a tradição do debate público, a cultura da sociedade. Por exemplo, a religião deve se ater ao foro privado e intimo. E ai se deixa de lado o "Consuetudinário", o direito tribal, aquele direito que vem das tradições e vivencias de uma sociedade. Tudo isso é deixado à margem, dai o fato da sexualidade, por exemplo, ter que vir em primeiro lugar que a religião, tirar o crucifixo de órgãos públicos e por ai vai...

Essas premissas só vingam na sociedade moderna ocidental, tenta colocar essas discussões e práticas em uma Arabia Saudita ou em um Irã da vida!!!

Então, queridos leitores, quando você ouvir a alcunha de "Fascista", saiba que estamos falando daquele homem perfeito, integral, completo, o homem que faz parte do ideário socialista, do totalitário e não aquele que quer o estado minimo, um estado sem cabides de emprego, sem classes privilegiadas que se escoram na eternidade de seus cargos públicos, para reivindicarem reajustes de si próprios. Ser Liberal Conservador, por exemplo, está diretamente oposto aos ser Fascista, isso é coisa de quem somente consegue enxergar a "perfeição", no totalitarismo estatal  deixa de lado a cultura e as tradições de uma sociedade.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…