Pular para o conteúdo principal

Poesia

Eu vou utilizar esse espaço aqui do Blog para fazer uma observação que, para alguns, pode parecer no minimo pouco ortodoxa, mas como eu sou tudo, menos ortodoxo, não vou me furtar de comentar o que assistir no último capítulo da novela das 18 horas da Rede Globo, chamada "Sete Vidas" (Sim, sou brasileiro e assisto novela também).

Como todo final de novela tivemos o desfecho das personagens da trama, casais se acertando, viagens, sumiço de alguns, etc. 

Como não sou crítico de novela, vou apenas me ater ao que me chamou a atenção nesse capítulo que foi a sequência final de cenas, onde o protagonista Miguel (vivido pelo ator Domingos Montagner) reúne seus filhos para uma viagem de barco e um deles, a personagem Felipe (vivido pelo ator argentino Michel Noher), um dos filhos, não pôde viajar com os irmãos e envia uma mensagem pela internet para a família que está no barco.

A mensagem é uma citação de Fernando Pessoa, linda como de costume de poeta português, mas o que mais me chamou a atenção de verdade veio em seguida, uma sequencia de cenas, ao som de uma bela música, onde o desfecho das demais personagens vai acontecendo aos poucos e um desses desfechos foi de uma beleza e de uma poesia sem tamanho 

A cena entre as personagens Renan (interpretado pelo ator Fernando Eiras) e Eriberto (interpretado por Fabio Herford) dentro de um cinema, onde passava uma sessão de filmes de Chaplin, onde as duas personagens começam a tocar as mãos, marcando de vez o inicio de um romance entre os dois, a cena foi tão bem feita e tão bem interpretada pelos dois atores, que deixou claro para quem quis enxergar, que você não precisa escrachar nada para marcar uma posição ou defender uma causa.

A cena entre dois homens maduros que descobrem a sua homossexualidade de maneira forte e sútil, com uma grande paixão entre si, não precisou de discursos panfletários (aliás, nem dialogo tem a referida cena), nem de cenas escandalosas...o simples tocar de mãos entre as personagens e a expressão estampadas em suas faces, falam mais do que "Mil discursos de Gênero", mostra que o amor está acima de convenções sociais ou de posições políticas.

O casal em questão é formado por homens com seus 50 anos e de uma classe social alta, e provavelmente, se fossem na vida real, seriam vitimas de preconceitos.

Nada como a dramaturgia para mostrar uma questão tão séria e tão importante, de uma maneira tão poética e tão bonita, parabéns à autora Licia Manzo pelo texto brilhante, pela direção de Jayme Monjardim e pela excelente atuação dos atores envolvidos.

Um belo marco na Televisão Brasileira!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…