Pular para o conteúdo principal

Contraditório

Em primeiro lugar, lamento muito que pensar diferente faça de mim um sujeito tão baixo e desprezível, conforme fui referido na resposta ao meu texto anterior aqui neste Blog (“Abjeto”: adjetivo substantivo masculino).
Que ou o que é desprezível, baixo, ignóbil. Origem: ETIM lat. abjectus, a,um 'atirado por terra, derribado, desprezível, vil), aquele que escreve algo abjeto, abjeto acaba sendo, não?

Pensei em me ofender com isso, mas lembrei dos textos que estudei sobre o Leninismo e me ative a uma frase do próprio Lênin: "Acuse os adversários do que você faz, chame-os do que você é"...

Outro pensamento que me veio foi o de Mario Sérgio Cortella: “A vida é curta não precisa ser pequena”, portanto, prefiro me ater ao que interessa, a possibilidade de continuar um debate que, para que vive em uma democracia, é um alimento para a vida.

Falemos sobre à retórica em cima do comentário proposto:

Em primeiro lugar, existe um erro crasso ao confundir o Imperialismo, que é uma etapa do Capitalismo, como sendo o próprio Capitalismo. Essa "confusão" sempre foi feita de forma proposital pela esquerda, para atacar as principais potencias capitalistas do mundo. Devemos lembrar sempre que, antes da Revolução Industrial, durante a Idade Antiga e Média, existia o chamado "Imperialismo" das potências hegemônicas sobre as demais, portanto, "confundir" o Imperialismo como sendo o próprio Capitalismo, é no mínimo uma avaliação rasa.

Com relação às Ditaduras Fascistas, que mataram milhões, espero que dentre elas estejam as Ditaduras Fascistas de esquerda, creio que sim, não? Se não, é de uma "ingenuidade" de enormes proporções, (Já escrevi sobre Fascismo em meu Blog, mas replicarei aqui o post) lembro-me de não ter esquecido, na postagem acima, de citar os Países da antiga "Cortina de Ferro", para lembrar o Totalitarismo de esquerda.

Outro aspecto interessante que fui questionado, negar que as conquistas humanas em nenhum momento foram colocadas em meu texto, até porque, considero o Capitalismo uma dessas conquistas, não concebo ignorar da diferença e da transformação social que veio com o advento da Revolução Industrial, se existe um sistema melhor, me apresente, pois o Socialismo real está longe, mais bem longe de ser esse sistema (Ah... eu ia esquecendo, já li e estudei Leo Hubemann e muitos outros teóricos de esquerda e direita, sugiro que leiam os Clássicos... Aristóteles, Platão, está tudo lá)

As informações que coloquei no texto são baseadas na História, quem duvidar de sua veracidade, basta estudar um pouco, está tudo lá. Citei fontes públicas e disponíveis para qualquer um que se disponha a estudar a história humana. E nesse aspecto recorro à 34º artigo da Ordem Beneditina: “É proibido resmungar”

Chamar o Santo Padre de Comunista é desconhecer o que significa o papado, suas obrigações e suas atribuições como o representante de Deus na terra (Aqui coloco o que diz a teologia da Igreja a qual pertenço e não pretendo convencer ninguém de que é a melhor opção para os demais),  O papado se baseia em tradições, costumes e um passado de mais de 2.500 anos, e a primazia do passado em detrimento ao futuro está presente nesse processo, sugiro aos amigos que procurem ler os teóricos da Santa Madre, Aquino, Agostinho, Jerônimo, Crisóstomo, Paulo, etc...

O Papa e a Igreja como foi dito em meu texto, tem diferenças e criticas sobre alguns pontos do Capitalismo, mas tem totais divergências com o Socialismo. O Brasil é um País tão “sui generis”, que aqui, comunista vai à Igreja!!!

E, para finalizar, quero continuar tendo o meu direito de expressão, da mesma forma que respeito todos aqueles que não comungam de minhas ideias e meus conceitos. Prezo o Capitalismo, pois ele me permite crescer pelo meu esforço e pelo meu trabalho e também pelo fato de me permitir o direito de expressão, de discordar.

Desconheço Democracia em qualquer sistema Socialista,  ambas são coisas que não andam de mãos dadas, que não coexistem no mesmo espaço.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…