Pular para o conteúdo principal

A paralisia tucana

Que o PSDB sempre foi um partido lento para agir ou reagir a determinadas situações que o cenário político lhe apresentava, isso já conhecido por todos que acompanham política nesse país. Agora, a "sonolência" com a qual o partido está tratando a sucessão presidencial chega a ser irresponsável para com seus eleitores e para com a democracia, pois não consigo conceber um estado democrático sem o contraditório. Coisa que não consigo ver no Brasil, muito em função da inércia tucana em exercer o seu papel de oposição.

Se Aécio Neves ou quem quer que seja, não apresentar seu nome como candidato para enfrentar a presidente Dilma nas eleições de 2014 até o meio do ano, o PSDB corre o risco de ser esvaziado enquanto legenda, perdendo espaço para o novo partido de Marina Silva e para o PSB de Eduardo Campos, que ameaça romper a comoda relação de parceria com o PT que já remonta de anos.

É verdade que o PSDB governa estados importantes da federação, mas o partido não consegue defender um projeto de estado capaz de enfrentar o projeto hegemônico do atual governo. Não quero aqui ser porta voz de uma possível necessidade tucana de candidatura, somente analiso o que me apresenta o atual estágio do partido. E um país sem oposição consolidada, é um país que corre o risco de cair em um processo hegemônico de "ditadura governista", onde o projeto político de quem governa é tão amplamente exercido, que ofusca qualquer pensamento em contrário. Claro que reconheço o desejo da maioria da população brasileira em abraçar o projeto político do PT, é justo e democrático. Mas não defendo, em hipótese alguma, a tese do "partido único" ou da "ideia única".

Por outro lado, não vejo o PSDB assumindo esse papel de contraponto. O partido se perde em suas lutas internas e autofágicas. Esqueceu de suas bandeiras e suas ideias. Ficou preso em uma disputa de de poder interno que já o levou a perder três eleições seguidas para a presidência e que, se continuar desse jeito, vai encarar sua quarta derrota nacional (isso se conseguir lançar candidatura própria em 2014). O PSDB se corrói por dentro, não permite a formação de novas lideranças e perde o seu capital político como um investidor da bolsa perde o seu dinheiro por aplicações erradas. Não vejo no atual quadro tucano, força suficiente para sustentar uma candidatura competitiva ano que vem. Se continuar se engalfinhando internamente, a tucanada corre o risco de perder o seu papel de protagonista e não ter direito nem ao papel de coadjuvante, fazendo apenas figuração nas próximas eleições presidenciais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…