Pular para o conteúdo principal

Minha coluna na Gazeta 24 Horas


Encruzilhada

No último sábado, o cenário político brasileiro foi sacudido com o lançamento de mais um partido político, trata-se do ainda chamado “REDE”, organização partidária capitaneada pela ex-senadora e ex-ministra Marina Silva. Obviamente, o partido, precisa atingir uma quantidade de membros e de assinaturas para conseguir o seu registro perante o TSE e assim, se colocar apto para disputar as eleições de 2014. Não vou ficar aqui analisando a ideologia, o programa, o estatuto do partido, nada disso, vou me ater a uma “encruzilhada” moral e ética que vem me perturbando por todo esse final de semana.
Sou favorável a diminuição do número de partidos políticos no Brasil, penso que o país possui partidos demais, sem nenhuma ideologia, e que servem apenas como moeda de negociação em período eleitoral. E que sugam o dinheiro do fundo partidário (que acaba sendo o nosso dinheiro), para fazer negociatas em época de eleição (lembro aos amigos leitores que já escrevi sobre o tema e sobre a quantidade excessiva de eleições que temos no Brasil), portanto, não posso concordar com a criação de mais um partido político. Por outro lado, analisando o cenário político brasileiro, não posso esconder o meu desejo de ter, novamente, a Marina Silva no páreo para a disputa o palácio do planalto. O processo político caminha para mais uma polarização entre PT e PSDB e isso é ruim para o país, precisamos ter alternativas, mesmo que o resultado final seja o mesmo, vejo com bons olhos a entrada de Marina nesse processo.
É justamente neste ponto que reside a minha “encruzilhada”, apoiar a criação desse partido significa possibilitar a presença de mais um postulante à presidência, com densidade eleitoral para disputar o cargo e não somente para servir de figuração, mas para que isso se concretize, é necessário mais um partido político, mais uma organização sem compromissoideológico e nem uma posição definida sobre alguns temas importantes em discussão no Brasil. E isso é algo que abomino com veemência. Mas o que fazer? Compartilho com meus leitores essa “encruzilhada” e peço para que façam uma profunda reflexão sobre as consequências de qualquer atitude que venha a ser tomada.
Os fins justificam os meios? É legitimo criar uma agremiação partidária tão plural a ponto de não perceber sua identidade política, apenas para garantir uma legenda na disputa presidencial? Por outro lado, é justo deixar de fora uma candidatura que já obteve 20 milhões de votos na eleição passada e que tem o respeito e a simpatia de muitos brasileiros, dos mais diferentes partidos, classes ou ideologia? É justo deixar que a eleição seja definida pelos desejos dos dois maiores antagonistas políticos do momento, PT e PSDB, sem oportunizar o surgimento de outras possibilidades? São dúvidas que tenho e sei que muitos brasileiros também as têm. Espero, sinceramente, que o melhor seja decidido para o país, quero ver uma disputa eleitoral com propostas diferentes, com projetos de poder antagônicos, para que a sociedade escolha qual o melhor para ela. Esse sempre será o meu maior desejo.
Uma semana produtiva para todos!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…