Pular para o conteúdo principal

Coluna de Dislene Freitas na Gazeta 24 Horas

Essa é a coluna da administradora,  gestora cultural e colega de jornal Dislene Freitas, que assim como este blogueiro, semanalmente escreve para o jornal "Gazeta 24 Horas". Uma boa pedida de leitura:





Somente depois do Carnaval

Todo cidadão brasileiro já ouviu pelo menos uma vez na vida, esta expressão: somente depois do Carnaval! A resposta está incorporada nas conversas, reuniões e decisões. Culturalmente o brasileiro espera a quarta-feira de cinzas para oficialmente iniciar o ano.
Os dias de feriado e recesso para alguns é uma oportunidade para viajar e reencontrar familiares e amigos, para outros é tempo de retiros espirituais e para muitos é período de se deleitar com samba, forró, axé. Cada região deste imenso país apresenta sua forma e estilo viver o Carnaval.
Mas nossa conversa desta semana não é sobre a origem do Carnaval na Grécia como culto e festa de agradecimento pela fertilidade do solo e da colheita obtida, nem sobre implantação da Semana Santa pela Igreja Católica no século XI e suas influências históricas, políticas e religiosas, nem sobre o Carnaval de Veneza no século XVII, nem do Carnaval como produto cultural da Era Vitoriana no século XIX, nem sobre a influência que o Brasil recebeu da forma de Paris realizar seu Carnaval, nem sobre o Rio de Janeiro, nem sobre Recife e Olinda.
E pergunta para cada um de nós brasileiros é: E depois do Carnaval? De fato o ano então começa? Sem procrastinações, digo, sem prorrogar, sem prolongar nossas responsabilidades como cidadãos? Cidadãos capazes de decidir qual modelo e formato de vida adotar para o ano de 2013? Ou seguiremos que qualquer jeito como sempre foi? Que respostas daremos?
Não vale dizer que a responsabilidade é do vizinho que não cumprimenta ninguém e muito menos menciona um bom dia, não vale dizer que a questão é histórica e estrutural, que é culpa da nossa colonização portuguesa que deveria ter sido holandesa, que isso, que aquilo, um cabedal de argumentos e justificativas que não conseguem mais disfarçar a indiferença, a ausência de postura e comprometimento com os assuntos que diretamente atinge a vida de todos nós.
Temos muitos assuntos pela frente, claro, depois do Carnaval! Nossos representantes no Congresso, alguém lembra quem são eles? Como nos representam? Copa do Mundo pode-se ou não falar sobre este assunto? Sobre o Vale Cultura, todos já sabem deste benefício? Sobre a segurança dos locais onde frequentamos?  Ou já esquecemos que somente a exigência traz a excelência de serviços e produtos?
Pois bem, depois Carnaval nos encontraremos novamente para conversar e agir, nenhuma mudança acontece por esforço e participação. Para a nova semana atenção e ação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…