Pular para o conteúdo principal

Coluna de Dislene Freitas

Mais uma vez coloco aqui a coluna de Dislene Freitas no jornal Gazeta 24 Horas, como sempre, um excelente texto:


Abaixo da Linha do Equador cá estamos, vivendo e assistindo dia após dia a degradação do pensamento e se o pensamento está degradado a atitude também está degradada. São nos momentos que exercemos a nossa coletividade que a evidência fica ainda mais nítida.
Em especial no Brasil, nos últimos dias, os fatos mais recentes da vida política e pública estão escancarados e cheiram mal, mas quem se importa? Quantos se importam? Como se importam? Por quanto tempo se importam? São muitas as perguntas que devemos nos fazer.
A escala de valores começa a partir da rua que moramos, da cidade que vivemos até chegar ao Senado Federal, a Presidência da República, retornando em movimentos recíprocos e contínuos. Pois bem, tudo o que vivemos é natural? Ou cultural? Eu e você sabemos a resposta.
Diante da profunda contribuição que o filósofo Aristóteles fez ao ocidente, uma citação em especial norteará a nossa conversa semanal: O que vem da natureza é natural o que vem do homem é cultural. E então, que cultura estamos fazendo?
Ao acessar os veículos de comunicação no Brasil é nítida a massificação e a deturpação, é raridade assistir uma informação que possa edificar, que possa transformar a consciência individual e coletiva. Notícia, meramente a notícia importa, se for sensacionalista é ainda mais praticada, ainda mais exacerbada, é ainda mais valorizada e vendida. Muitas vezes não compreendemos o porquê o país não atinge o seu extraordinário potencial. Admiramos os índices dos demais países sem menos tentar uma análise da cultura praticada por eles e praticada por nós.
É nossa responsabilidade examinar as ações e principalmente as reações por nós praticadas. A vida política, vida pública e a vida cultural são a nossa somatória. Se não estamos contentes e satisfeitos então mudemos nossa postura e atitude. O ano está simplesmente começando, não basta simplesmente dizer que isso ou aquilo não presta é necessário aprofundar, é necessário buscar outros modelos, modelos que possam atender e atingir as atuais necessidades.
Filosofia não é apenas uma disciplina, é uma busca para a ação. Vivemos um período onde muitos abdicaram do dever e do direito de pensar e de se posicionar, é mais fácil apenas consumir notícias e padrões estabelecidos de comportamento.
Que a próxima semana traga para todos nós o ano de 2013, de fato, de dever e de direito. Aguardaremos ou agiremos? Alegria, inspiração e vontade!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…