Pular para o conteúdo principal

Gestão educacional

Vejo com muita preocupação algumas situações ligadas à área educacional no Brasil e essa preocupação se dá tanto na educação pública, quanto na educação privada. Um exemplo disso foi que há cerca de duas semanas atras, foi desbaratada uma quadrilha que fraldava exames de vestibulares em diversas instituições pelo país a fora. Além do crime em si, o que me chamou a atenção foi que dois candidatos não foram aprovados em função de não terem conseguido tirar a nota minima na redação! Ou seja, não conseguiam produzir um texto que pudesse ser compreendido pelos examinadores.

Esses candidatos, assim como muitos outros, chegaram aptos para ingressar no ensino superior, o que significa que possuem o ensino médio completo e mesmo assim não sabem escrever? significa que existe algo de muito errado no sistema educacional brasileiro. Recentemente nas campanhas para prefeito, via com tristeza quando candidatos apresentavam" projetos" na área de educação e limitavam-se a falar na construção de escolas, vagas em creches e uniforme dos alunos. Me desculpem, mas isso não é política educacional,  são temas importantes sim, mas estão longe de serem planos de educação na gestão publica. É necessário analisar mais a fundo a questão. Cuidar da evasão, rever os currículos das disciplinas, analisar os calendários, enfim, uma série de medidas que precisam ser tomadas com urgência ou ficaremos para trás no processo de desenvolvimento intelectual.

Nas escolas privadas temos outros problemas também, a educação foi transformada em um simples negócio, onde somente se visa o lucro e não há preocupação com a qualidade do ensino ofertado (obvio que existem exceções, mas falo do geral). Não vejo valorização do profissional da educação, os materiais didáticos são escolhidos através de critérios que fogem daquilo que deveria ser o correto ou seja o professor indicar qual o melhor material para o tipo de trabalho que vai fazer e o tipo de turma que vai trabalhar. E acaba ficando na responsabilidade dos gestores a escolha. Além disso, existe uma comercialização em demasia nas escolas privadas e onde o "cliente sempre tem razão", acaba-se por não executar determinadas ações educacionais para não, digamos, desagradar aos clientes.

Se falar no atraso em que o Brasil se encontra na utilização de ferramentas digitais no processo de ensino aprendizagem. Não adianta colocar computador na sala de aula, comprar lousas digitais, oferecer tablets, se não tiver um trabalho com os professores para que estes passem a compreender esse processo e não vejam a tecnologia como um "adversário" e sim como m aliado neste processo. Nossa escola está cada vez mais distante da linguagem dos alunos. A escola continua sendo formadora de mão de obra e não formadora de cidadãos. Não serão as cotas que diminuirão as desigualdades e sim um projeto de educação integral, de qualidade, onde todos sejam valorizados (professores, alunos, coordenadores, diretores) e onde utilizemos uma linguagem mais próxima da linguagem utilizada pelos alunos. Hoje, um aluno tem muito mais facilidade de obter informações, mais isso não significa que ele esteja adquirindo e muito menos produzindo conhecimento. Isso cabe à escola e essa escola precisa esta preparada para tal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…