Pular para o conteúdo principal

Anarquismo

"A Anarquia é Ordem". 

Essa frase que pode parecer uma contradição, mas é isso que significa o simbolo anarquista (A letra "A", entrelaçada com a letra "O") e representa uma das correntes de pensamento e doutrina política que ouço muita gente falando e pouca gente entendendo do que se trata. E por este motivo resolvi escrever algo à respeito (já fiz isso aqui neste espaço, mas já tem muito tempo e minha visão pode ter se alterado durante esse período. A palavra "anarquia" vem do grego, prefixo "an" (ou "a"), significando "não", "que não quer", "a ausência de", ou "a falta de", mais "archos", significando "um governo", "diretor", "chefe", "pessoa em um cargo", ou "autoridade". 

Ou, como resumiu Piort Kropotkin colocou, Anarquia vem de palavras gregas significando "contrario à autoridade".

Mas o que vem a ser o tal "Anarquismo"? O Anarquismo é o conjunto de doutrinas que preconiza a organização de uma sociedade sem nenhuma forma de autoridade imposta. Considera o Estado uma força coercitiva que impede os indivíduos de usufruir liberdade plena. A concepção moderna de anarquismo nasce com as revoluções Industrial e Francesa. Em fins do século XVIII, William Godwin (1756-1836) desenvolve o pensamento anárquico na obra "Enquiry Concerning Political Justice" (algo como: "Perguntas sobre justiça política", em uma tradução livre)
Durante o século XIX do século passado surgem duas correntes principais da teoria e da prática anarquista, e que procurarei resumir a seguir:
A primeira corrente, encabeçada pelo francês Pierre-Joseph Proudhon (1809-1865), afirma que a sociedade deve estruturar sua produção e seu consumo em pequenas associações baseadas no auxílio mútuo entre as pessoas. Segundo essa teoria, as mudanças sociais são feitas com base na fraternidade e na cooperação. Experiências como esta foram realizadas inclusive aqui no Brasil, em algumas comunidades no interior do Paraná e de Santa Catarina.
Outra corrente importante é a do russo Mikhail Bakúnin (1814-1876) é um dos principais pensadores sobre o anarquismo. Essa corrente é também chamada de "coletivismo". Essa corrente defende, entre outras coisas, a utilização de meios mais violentos nos processos de transformação da sociedade e propõe a revolução universal sustentada pelo campesinato. Afirma que as reformas só podem ocorrer depois que o sistema social existente for destruído. Os trabalhadores espanhóis e italianos são bastante influenciados por Bakúnin, mas o movimento anarquista nesses países é esmagado pelo surgimento do fascismo.
O russo Piort Kropótkin (1842-1876) utiliza o pensamento da corrente de Bakunin e introduz uma tesse mais focada em uma junção entre o anarquismo e o comunismo que cada vez mais ganha força entre os pensadores europeus da época. Sua tese é conhecida como "anarco-comunismo" e se fundamenta na abolição de todas as formas de governo em favor de uma sociedade comunista regulada pela ajuda mútua e cooperação, em vez de instituições governamentais.
Enquanto movimento social, o anarquismo não sobrevive à II Guerra Mundial. Pois a consolidação do poder da URSS de Stalin, desarticula completamente a estrutura do movimento, que acaba se tornando algo quase "esquecido" nos movimentos de trabalhadores e campesinos. Voltando a ser "moda" entre os jovens da década de 60, que pregavam a "liberdade" e a cultura do "Paz e amor".
Claro que escrevi aqui muito ressumidamente sobre o Anarquismo, mas quem tiver interesse em saber mais sobre o tema, sugiro ler os principais teóricos do movimento (citados aqui: Proudhon, Bakunin, Kropotkin) e procurar entender um pouco mais obre o movimento, antes de sair por ai pregando o "contra" ou a "favor", sem saber do que de fato se trata o movimento anarquista.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…