Pular para o conteúdo principal

Sacramentos

Como os amigos sabem, sou católico (repito sempre isso em função de meus textos sobre a Santa Madre, que podem causar algum tipo de polêmica entre os leitores). Por isso resolvi explanar um pouco sobre os sagrados sacramentos da Igreja (sei que algumas pessoas não vão gostar, mas escrevo para que os leigos compreendam um pouco da Igreja, antes de apenas critica-la). O primeiro dos sacramentos que vou abordar será aquele que primeiro um católico deve receber: O Batismo.


O santo Batismo é o fundamento da vida cristã e a porta que abre todo o acesso aos demais sacramentos. Pelo Batismo somos libertos do pecado original e regenerados como filhos de Deus, tornamo-nos pois, membros de Cristo, somos incorporados à Igreja e feitos participantes de sua missão (de acordo com as decisões do Concílio de Florença).


O Batismo é um sinal indelével (que não pode ser apagado). É extremamente necessário para a salvação do indivíduo e, através dele, todos os pecados são perdoados: o pecado original e todos os pecados pessoais cometidos até aquele momento, bem como todas as penas desses pecados. No entanto, certas consequências temporais do pecado permanecem, como os sofrimentos, a doença, a morte ou as fragilidades ligadas à vida, como as fraquezas de caráter, a propensão ao pecado.

Em caso de necessidade qualquer um pode batizar, desde que tenha a intenção de fazer o que faz a Igreja, e que derrame água sobre a cabeça do candidato dizendo: "Eu te batizo em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo" (Catecismo da Igreja Católica, parágrafos 1275 a 1284).

São Tomás de Aquino nos diz que, no momento que Jesus recebe a unção das águas do Rio Jordão, pelas mãos de João, ele santifica as águas e acaba por instituir o sacramento do Batismo (vale lembrar que o Batismo já existia antes de Jesus, mas não com o intuito da libertação do pecados, era como uma especie de iniciação ao mundo espiritual). Vale lembrar as palavras de João, o Batista, quando realizava a sua cerimônia de iniciação: "Eu vos batizo com água, mas virá aquele que é mais forte do que eu e eu não serei digno de desamarrar os fios de suas sandálias. Ele vós batizará com o Espirito Santo e com o fogo".

João sabia da vinda de Jesus e o "reconhece" no momento do batismo, mas como Deus que é, Jesus se submete ao Homem (algo que somente a divindade é capaz de fazer: se submeter à um inferior. Como diz meu irmão: "Tenta ver um vereadorzinho desses ai se submeter à um subordinado?"). Não a toa, mais tarde, ao saber da morte de João, Jesus dirá :"Do ventre da Mulher não nasceu ninguém melhor que João, mas ele é o último no Reino dos Céus" (João estaria entre os eleitos de Deus). Para a Santa Madre, o sacramento do Batismo é essencial para que você se torne um cristão.

Durante o transcorrer dessa semana, escreverei sobre os demais sacramentos da Igreja.

Esse texto contou com a enorme colaboração do meu irmão Marco Campos, que de longe, conhece mais do tema do que eu. Apenas sou mais arrogante que ele e resolvo escrever sobre o tema. Grato meu irmão!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mises: A ação como ato de liberdade!

Caro amigo, para que você se sinta mais confortável com escreverei a seguir, vou pedir que você se acomode bem antes de dar prosseguimento à leitura desta postagem, caso esteja em um ônibus sentado, coloque seu fone de ouvido para abafar o som externo do ambiente; estando de repouso em casa, sugiro uma xícara saborosa de café ou chá para que se atente ainda mais ao texto; na hipótese de estar no trabalho, sugiro que você faça a leitura somente durante o seu horário de almoço, assim poderá ler com calma e certificará um entendimento claro do que foi lido, pois o que pretendo abordar, requer uma concentração grande no momento da leitura.
Após indicações de amigos e de minha enorme curiosidade em pesquisar e aprender, fui "seduzido" com a ideia de conhecer mais a fundo o trabalho do economista austríaco Ludwig von Mises, para poder entender e analisar com vocês aqui no blog, um pouco do pensamento deste autor que vem sendo "descoberto" mais recentemente no Brasil.
Ludwi…

Mobilidade Urbana, um desafio para os novos gestores!

A mobilidade urbana, isto é, as condições oferecidas pelas cidades para garantir a livre circulação de pessoas entre as suas diferentes áreas, é um dos maiores desafios que os próximos gestores municipais enfrentarão em seus próximos mandatos, não somente em Porto Alegre, mas como na grande parte das cidades brasileiras. O crescente número de veículos individuais promove o inchaço do trânsito, dificultando a locomoção ao longo das áreas das grandes cidades, principalmente nas regiões que concentram a maior parte dos serviços e empregos. Além da qualidade dos serviços de transporte público e concessões públicas, onde discussões inócuas acabam por desviar o foco do real problema que atinge o setor, quase que impossibilitando a movimentação nas grandes cidades.

O Brasil, atualmente, vive um drama a respeito dessa questão. A melhoria da renda da população de classe média e baixa, os incentivos promovidos pelo Governo Federal no meio da década passada para o mercado automobilístico (como a …

Quanto mais governo, menos cidadão!

Eu realmente não gosto de reclamar de governo. Acredito que é uma enorme perda de tempo e desgaste fazer isso.  E também acredito que não se trata de uma atitude inteligente. Estou convencido de que é muito mais proveitoso ignorar toda a bagunça e imoralidade e se concentrar em coisas melhores e mais produtivas. Mas não tenho como ficar quieto quando observo alguns disparates que são cometidos por grupos que foram, durante anos, tutelados pelo Estado e que começam a perceber que o pensamento da maioria da população já não aceita mais isso.  Falo de uma parcela de organizações de sociedade ainda se encontra emocionalmente acorrentada ao Estado, e (a menos que você trabalhe para o governo e tenha um alto salário, ou seja um grande empresário que obtenha subsídios e privilégios protecionistas do governo (em ambos os casos, você se deu bem), creio que é válido demonstrar o quanto é danoso esse relacionamento "promiscuo" com o Estado. Dessa forma, vou escrever sobre algo que não re…