terça-feira, 1 de novembro de 2016

Terrorismo, um mal antigo!

Eu nasci na década de 70 do século passado (antigo, né?) e tive minha adolescência nos anos 80. Vivianos em uma ditadura militar no Brasil e o que eu ouvi eram apenas algumas palavras e slogans, tanto de quem detinha o poder (obviamente bem mais divulgado), como os dos opositores ao regime, mesmo que de forma bem mais velada. destas palavras e slogans, uma sempre me chamou à atenção, seja pela palavra em sim, seja pelo temor que me causava ouvir tal palavra. Falo da palavra "Terrorismo".

Minha curiosidade sobre o tema sempre foi grande, há anos atrás, cheguei a escrever algo sobre o assunto, mas sem ter nem a intenção de publicar. Tem um tempo que venho relendo coisas sobre o tema e percebendo a atual movimentação geopolítica da Europa (a imigração em massa e desenfreada de muçulmanos "fugindo" de guerras em seus países de origem), resolvi que era o momento de abordar o tema com mais enfase, buscando trazer à tona um tema extremamente sério, perigoso e, pasmem, bem antigo!

Em termos gerais, o terrorismo é uma ação violenta que procura, mediante a grandiosidade do ato, provocar na população uma reação psicológica de medo, um pavor incontrolável, o terror (era exatamente assim que eu me sentia na infância). Ele não é um fenômeno novo, é tão velho quanto a própria guerra, a mesma que acompanha a sociedade desde os seus primórdios. E é isso que tentarei abordar aqui neste texto.
Os Estados, os exércitos, as etnias, os grupos e os homens isoladamente têm empregado o expediente do terrorismo como forma de diminuir a coragem dos seus inimigos, enfraquecer a sua resistência e facilitar a vitória. De assassinatos até genocídios, com o único objetivo de infundir o terror, a humanidade tem conhecido desde sempre esta particular manifestação da violência em todos os rincões do planeta.
São mais visíveis os atos de terrorismo espetaculares, nos quais um grupo extremista assassina um grande numero de pessoas (como foi visto no mais espetacular destes atos terroristas modernos, o ataque às torres gêmeas em Nova York), porém não é menos cruel e sanguinário o chamado "Terrorismo de Estado", freqüente na recente historia da América Latina, em que os governos espalham o terror entre os cidadãos com o argumento de manter a estabilidade do regime. A novidade deste velho flagelo talvez seja sua atual e crescente internacionalização.
Tendo como propósito destruir a moral de suas vítimas, a violência do terrorismo se realiza no âmbito psicológico do indivíduo.
Seu efeito, procurado ou não, é uma disposição psicológica: o terror, isto é, um pavor incontrolável.
Esta característica subjetiva constitui um dos problemas centrais na hora de defini-lo. O medo é um fenômeno subjetivo e não há como determinar objetivamente um limite único a partir do qual o medo deixa lugar ao terror. Esse limite dependerá sempre de fatores pessoais, funcionais, históricos e culturais dificultando a objetividade definicional. "Até onde isso pode chegar" ou "Ainda bem que não tem terrorismo no Brasil" são frases que ainda costumo ouvir, como se um ato de terror não pudesse nos atingir. Essa "distância" faz com que o terror causado em atos terroristas fora do país, tenham um grau de impacto bem menor na mente dos brasileiros, Mesmo que já se saiba da existência de bases terroristas da Al Queda em solo brasileiro.
Às vezes, o senso comum não percebe uma sutil diferença entre os tipos de vítimas do terrorismo, mas que é muito importante para sua definição.
Há uma vítima que morre ou fica ferida, aquela que sofre diretamente o atentado; outras que ficam em pânico e descontroladas; outras, ainda, arcam com o preço político do atentado.
Assim, analisando as particularidades de cada tipo de vítima, podemos distinguir:
1. A vítima tática, é a vítima direta, o morto, o esfaqueado, o assassinado, o mutilado, o sequestrado, aquele que sofre na própria pessoa a violência do atentado. Ele poder ter sido deliberadamente escolhido por alguma característica ou por pertencer a um grupo definido de pessoas ou, pelo contrário, ser apenas um número estatístico de uma escolha aleatória e indiscriminada.


2. 
A vítima estratégica são todos aqueles que sobrevivem ao atentado, mas que se encontram de alguma maneira dentro do grupo de risco dos vitimados, seja por uma característica que o identifica ou pela deliberada indiscriminação do objetivo tático, o que coloca a todos ante a possibilidade de ser atingidos no próximo atentado. A vítima estratégica não é atingida diretamente pelo atentado, mas é aquela que, se imaginando na iminência de ser atingido, é presa do pânico. Esta é a vítima estrategicamente visada pelo terrorista.


3.
 Embora possa não ter objetivos políticos, o terrorismo pode e normalmente atinge uma vítima política: é o Estado, aquela estrutura que deveria garantir a vida dos seus cidadãos, mas que, ante um inimigo oculto, difuso e inesperado, mostra-se impotente.

Note-se, que a vítima preferencial do terrorismo e que chamamos "estratégica" não é aquele atingido no atentado, a vítima tática. Inegavelmente, o terrorista procurará provocar o maior dano possível e, portanto, tentará executar o atentado com a maior visibilidade e a maior quantidade possível de vitimas.
Porém, se o objetivo estratégico do terrorismo é provocar um pânico incontrolável, obviamente a vítima estratégica não pode ser a vítima tática, aquela que perde a sua vida no atentado, por uma questão obvia: os mortos não podem sentir medo!
Com efeito, a vítima objetivada estrategicamente pelo terrorismo são todos aqueles que ficam vivos e se sentem indefesos ante a vontade do terrorista. O fundamento do terror não é a morte ou o aniquilamento, mas a insegurança que provoca a certeza da vulnerabilidade ante o acionar do terrorista. O fundamento do terror é o sentimento inequívoco de desamparo ante a vontade do terrorista.
Pela sua simplicidade organizativa e operativa, a disponibilidade no mercado negro mundial de todo tipo de armamento, incluindo armamento de destruição massiva, a facilidade para deslocar homens e materiais entre países na era da globalização, sua capacidade de surpreender e sua espetaculosidade, tornam ao terrorismo internacional talvez uma das ameaças mais graves da atualidade. Sua facilidade e visibilidade o tornam accessível para pequenos grupos de fanáticos descontentes, capazes de colocar suas vidas ao serviço do terror. Agravado ainda mais pelas exacerbadas interpretações religiosas e políticas e divergências históricas entre povos e etnias.
Como o terrorista muitas vezes morre no atentado, é muito difícil seguir a pista da organização que está por detrás. Estes aspetos dificultam as possibilidades de combatê-lo. Por isso, as superpotências devem evitar ações que aumentem o sentimento de injustiça no mundo e que fomentam o ódio dos povos, pois é este o combustível principal do terrorismo. O terrorismo deve ser combatido preventivamente, resolvendo os conflitos no seu nascedouro, evitando o ódio e difundindo uma cultura de paz, pois uma vez desatado o terror, sua erradicação é muito difícil, quando, não, impossível.

Por essas características, torna-se quase impossível você acabar com o terrorismo. É possível evitar, através de ações de "inteligência", algumas ações ou atentados. Mas acabar com a prática do terror é um desafio bem maior. Não se deveria permitir o tráfico descarado de armas, a proliferação de tecnologias destrutivas cada vez mais acessível para qualquer pessoa, bem como a proliferação de potenciais terroristas pelo mundo, sob o manto protecionista de que são "refugiados" e, como tal, acabam entrando ilegalmente em países ocidentais e podem montar livremente suas estratégias de ação.

Não tenho aqui a ilusão de que esse texto possa servir para diminuir ações terroristas, longe disso, minha intenção é abordar o tema e esclarecer algumas pessoas que desconhecem o que significa uma ação terrorista e o quanto isso é perigoso e letal. Mesmo que, como reza a crença popular, "no Brasil não existe ato terrorista"

Nenhum comentário:

Parada!!!

Amigos do blog..devidos a questões pessoais, vou dar uma parada nas postagens aqui da página...quem sabe eu volte a escrever em breve!!!